Pandemia, museu e virtualidade: a experiência museológica no “novo normal” e a ressignificação museal no ambiente virtual

Autores

  • André Fabrício Silva Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e54

Palavras-chave:

Virtual, Covid-19, Museus, Objeto museológico digital, Público virtual, Comunicação virtual

Resumo

O surgimento do coronavírus causador da covid-19 trouxe novos desafios para os museus, na medida em que o fato de a pandemia ter passado a exigir distanciamento e isolamento social como medidas para a prevenção do contágio, impactou a rotina dos museus e sua relação com o público. Nesse novo cenário, a comunicação virtual se ressignifica dentro das instituições museológicas. Com o uso do meio virtual como única forma de os museus se comunicarem com seu público, uma série de fatores suscitam algumas discussões que permeiam a virtualidade. Nesse sentido, considerando o uso de tecnologias no ambiente web pelos museus, pretendemos analisar de que maneira algumas instituições museológicas ressignificaram suas ações diante da pandemia e como pensar as ações futuras em interface com o meio virtual tornou-se um grande desafio para os museus. Assim, por meio da abordagem de discussões teóricas que envolvem
virtualidade, musealização e digitalização do objeto museológico, o artigo propõe uma reflexão acerca dos desafios enfrentados pelos museus no período da pandemia e sobre como repensar os usos da virtualidade por essas instituições no período pós-quarentena.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

André Fabrício Silva, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutorando e mestre pelo Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (Unirio). Licenciado em História e bacharel em Museologia pela Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). Coordenador do Programa de Educação Patrimonial da Prefeitura Municipal de Mariana/MG. Atua como Museólogo na empresa Conectamus, prestando serviços de pesquisa e levantamento de acervo físico e digital, catalogação de acervo, elaboração de material de pesquisa expográfica e de política de acervos. E-mail: <andrefabricio.sil@gmail.com>

Referências

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. V. 1, Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. 3a. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987a, p. 165-196.

BENJAMIN, Walter. Pequena história da fotografia. In: BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas. V. 1, Magia e técnica, arte e política. Trad. Sergio Paulo Rouanet. 3a. ed. São Paulo: Brasiliense, 1987b, p. 91-107.

BORGES, Luis Carlos. Museu como espaço de interpretação e de disciplinarização de sentidos. Museologia e Patrimônio, Rio de Janeiro, v. 4, n. 1, p. 37-62, 2011.

BOWEN, Jonathan. Time for renovations: a survey of museum web sites. Archives & Museum Informatic, Pittsburgh, 1999. Disponível em: <https://bit.ly/3kB9geI>. Acesso em: 1 out. 2020.

BRAGA, Gabrielle Corrêa. Museus e público no Rio de Janeiro: mapeando serviços e qualidade. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 11., 2003, Campinas. Anais […]. Campinas: Unicamp, 2003. p. 1-22.

BRITANNICA, The Editors of Encyclopaedia. "World Wide Web". Encyclopedia Britannica, 27 Nov. 2019. Disponível em: <https://bit.ly/3uzI9Ur>. Acesso em 1 out. 2021.

BRULON, Bruno. Descolonizar o pensamento museológico: reintegrando a matéria para repensar os museus. Anais do Museu Paulista, São Paulo, v. 28, p. 1-30, 2020. Doi: <https://doi.org/10.1590/1982-02672020v28e1>.

CÂNDIDO, Manuelina Maria Duarte; AIDAR, Gabriela; MARTINS, Luciana Conrado. A experiência museal: discutindo a relação dos museus com seus visitantes na contemporaneidade. Museologia & Interdisciplinaridade, Brasília, DF, v. 4, n. 7, p. 308-315, 2015.

CHAGAS, Mário. Campo em metamorfose ou ainda bem que os museus são incompletos. In: BITTENCOURT, José Neves; BENCHETRIT, Sarah Fassa; TOSTES, Vera Lúcia Bottrel (eds.). História representada: o dilema dos museus. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2003. p. 239-250.

CURY, Marilia Xavier. Exposição: concepção, montagem e avaliação. São Paulo: Annablume, 2006.

DELOCHE, Bernard. Le musée virtuel: vers une éthique des nouvelles images. Paris: PUF, 2001.

EUROPEAN HERITAGE ALLIANCE. Cultural heritage: a powerful catalyst for the future of Europe. [S. l.]: European Heritage Alliance, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3baRN8t>. Acesso em: 7 jan. 2021.

GIBSON, James Jerome. The theory of affordance. In: SHAW, Robert; BRANSFORD, John (eds.). Perceiving, acting, and knowing: toward an ecological psychology. New Jersey: Lawrence Erlbaum Associates, 1977. p. 67-82.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS – BRASIL. O digital é real: experiências culturais dos públicos durante a pandemia. In: Dados para navegar em meio às incertezas: Parte II – Resultados da pesquisa com públicos de museus. São Paulo: ICOM Brasil, 2020a. p.18-23. Disponível em: <https://bit.ly/39YSG1W>. Acesso em: 01 out. 2021.

INTERNATIONAL COUNCIL OF MUSEUMS – BRASIL. Carta aberta à comunidade museal brasileira: Dia Internacional dos Museus. [S. l.]: Icom, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3EWCgpk>. Acesso em: 22 set. 2020b.

KÖPTCKE, Luciana Sepúlveda. Observar a experiência museal: uma prática dialógica? Caderno do Museu da Vida, Rio de Janeiro, p. 5-21, 2003.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 2011.

MALRAUX, André. Le musée imaginaire. Paris: Gallimard, 2006.

MAROEVIC´, Ivo. Identity as a constituent part of museality. In: SYMPOSIUM MUSEOLOGY AND IDENTITY, 10., 1986, Buenos Aires. Anais […]. Buenos Aires: Icom International Committee for Museology, 1986. p. 183-188.

PADILHA, Renata Cardozo. A representação do objeto museológico na época de sua reprodutibilidade digital. 2018. Tese (Doutorado em Ciência da Informação) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2018.

PATERNÒ, Fabio; MANCINI, Cristiano. Effective levels of adaptation to different types of users in interactive museum systems. Journal of the American Society for Information Science, Hoboken, v. 51, n. 1, p. 5-13, 2000.

REIS, Marina Gowert dos. Patrimônio cultural brasileiro na era digital: da digitalização de acervos à preservação participativa na internet. 2019. Tese (Doutorado em Memória Social e Patrimônio Cultural) – Universidade Federal de Pelotas, Pelotas, 2019.

ROQUE, Maria Isabel. Comunicação no museu. In: MAGALHÃES, Aline Montenegro; BEZERRA, Rafael Zamorano; BENCHETRIT, Sarah Fassa (orgs.). Museus e comunicação: exposição como objeto de estudo. Rio de Janeiro: Museu Histórico Nacional, 2010. p. 46-68.

SCHEIDEL, Walter. The great leveler: violence and the history of inequality from the Stone Age to the Twenty-First Century. Princeton: Princeton University Press, 2017.

SCHEINER, Tereza Cristina. Conceitos, termos e linguagens da museologia: novas abordagens. In: ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 15., 2014, Belo Horizonte. Anais […]. Belo Horizonte: UFMG, 2014. p. 4644-4663.

SCHEINER, Tereza Cristina Moletta. Imagens do não-lugar: comunicação e o patrimônio do futuro. Tese (Doutorado em Comunicação Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

SCHEINER, Tereza Cristina Moletta. Museu, museologia e a “relação específica”: considerações sobre os fundamentos teóricos do campo museal. Ciência da Informação, Brasília, Df, v. 42, n. 3, p. 358-378, 2013.

SCHEINER, Tereza Cristina Moletta. Repensando o museu integral: do conceito às práticas. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi: Ciências Humanas, Belém, v. 7, n. 1, p. 15-30, 2012.

WALSH, Peter. The neon paintbrush: seeing, technology, and the museum as metaphor. Journal of the American Society for Information Science, Hoboken, v. 51, n. 1, p. 39-48, 2000.

SITES

BEIGUELMAN, Giselle. Atropelados pela pandemia, museus rastejam na internet. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 abr. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3kzyf1V>. Acesso em: 1º out. 2020.

INNOVATION and digitalization of cultural resources in Riga Motor Museum in Latvia. Interreg Europe, Lille, França, [2017]. Disponível em: <https://bit.ly/3bfjOeY>. Acesso em: 7 jan. 2021.

LAVIGNE, Nathalia. Overdose de lives e museus virtuais causam cansaço e vertigem. Folha de S. Paulo, São Paulo, 17 abr. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/39ycJEu>. Acesso em: 1 out. 2020.

MAIS DE 280 MIL pessoas já realizaram visita virtual ao Museu da Gente Sergipana. Museu da Gente Sergipana, Aracaju, 2020. Disponível em: <https://bit.ly/35ci4zf>. Acesso em: 6 maio 2021.

MASC – Famílias em casa. Fundação Catarinense de Cultura, Florianópolis, 27 maio 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3hPDvLM>. Acesso em: 5 jan. 2021.

MON é um dos cinco museus mais “instagramados” do Brasil. Museu Oscar Niemeyer, Curitiba, 29 dez. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/38ehZwY>. Acesso em: 5 jan. 2021.

UNESCO: pandemia pode levar a fechamento de 13% dos museus do mundo. ONU News, [S. l.], 19 maio 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3nf4m4V>. Acesso em: 5 jan. 2021.

VICK, Mariana. Pandemia: origens e impactos, da peste bubônica à covid-19. Nexo Jornal, São Paulo, 21 jun. 2020. Disponível em: <https://bit.ly/3ilgIWO>. Acesso em: 1º set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-11-03

Como Citar

Silva, A. F. (2021). Pandemia, museu e virtualidade: a experiência museológica no “novo normal” e a ressignificação museal no ambiente virtual. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 29, 1-27. https://doi.org/10.1590/1982-02672021v29e54

Edição

Seção

Museus