Riegl faz história: o Denkmalkultus visto à luz da historiografia de Alois Riegl

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e10

Palavras-chave:

Teoria, Conservação, Restauro, História, Arte

Resumo

O livro Der moderne Denkmalkultus, sein Wesen und seine Entsehung (O culto moderno dos monumentos: sua essência e sua gênese), do historiador da arte Alois Riegl (1858-1905), é hoje considerado uma das obras capitais do diálogo que chamamos de Teorias da Conservação e Restauro, e no Brasil estudado cada vez mais, com concepções inéditas e mesmo pioneiras em 1903, quando foi publicado. A leitura mais atenta do conjunto da obra de Riegl revela uma construção muito mais sofisticada do que aparece à leitura isolada do Denkmalkultus, como usual na área do Patrimônio. Em seus livros, Riegl explora e estabelece uma concepção particular de história e do ofício do historiador. Nela, diacronicamente, estão presentes a ênfase crescente da História como um devir contínuo, onde eram reconhecíveis linhas de sentido de longo prazo – como os vetores progressivos e reativos coexistentes em cada obra de arte –, e a possibilidade de épocas diferentes se tangenciarem, a partir do olhar para o passado, inclusive do historiador contemporâneo. Também se encontram, sincronicamente, as contribuições da História Cultural e o estudo das cosmovisões. Revela-se assim que o Denkmalkultus, como outros textos de Riegl, não era apenas uma descrição dos processos globais que acreditava existir desde o Paleolítico até a Era Moderna, como um exemplo concreto da progressão teleológica, essencial para interpretar sua obra.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Juracy Mellado Paz, Universidade Federal da Bahia

Mestre em arquitetura e urbanismo pela Universidade Federal da Bahia. Professor assistente do Núcleo de Teoria e História, Projeto e Planejamento da Faculdade de Arquitetura da Universidade Federal da Bahia. E-mail: danielmelladopaz@gmail.com.

Referências

BURCKHARDT, Jacob. The Greeks and Greek civilization. New York: St. Martin’s Press, 1998.

GUBSER, Michael. Time’s visible surface: Alois Riegl and the discourse of history and temporality in fin-de-siècle Vienna. Detroit: Wayne State University Press, 2006.

GUSTCHOW, Kai K. The anti-Mediterranean in the literature of modern architecture: Paul Schutze-Naumberg’s Kulturarbeiten. In: LEJEUNE, Jean-François; SABATINO, Michelangelo Sabatino (eds.). Modern architecture and the Mediterranean: vernacular dialogues and contested identities. London: Routledge, 2010.

HAMMERMEISTER, Kai. The German aesthetic tradition. New York: Cambridge University Press, 2002.

KEMP, Wolfgang. Introduction. In: RIEGL, Alois. The group portraiture of Holland. Los Angeles: The Getty Research Institute Publications and Exhibitions Program, 1999.

MEINECKE, Friedrich. El historicismo y su génesis [Die Entsehung des Historismus]. México: Fondo de Cultura Económica, 1982 [1936].

OLIN, Margaret. Forms of representation in Alois Riegl’s Theory. University Park: Pennsylvania State University Press, 1992.

PAYNE, Alida. Beyond Kunstwollen: alois Riegl and the Baroque. In: RIEGL, Alois. The origins of Baroque art in Rome. Los Angeles: Getty Research Institute, 2010.

PODRO, Michael. The critical historians of art. New Haven: Yale University Press, 1983.

RIEGL, Alois. El arte industrial tardorromano [Spätrömische Kunstindustrie]. Madrid: Visor Dis., 1992a [1901].

RIEGL, Alois. El retrato holandés de grupo [Das holländische Gruppenporträt]. Madrid: A. Machado, 2009 [1902].

RIEGL, Alois. História da arte e história universal. In: O culto moderno dos monumentos e outros ensaios estéticos. Lisboa: Edições 70, 2016a.

RIEGL, Alois. Historical grammar of the visual arts [Historische Grammatik der bildenden Künste]. New York: Zone, 2004 [1966].

RIEGL, Alois. O culto moderno dos monumentos: sua essência e sua gênese [Der moderne Denkmalkultus]. Goiânia: Ed. da UCG, 2006. [1903].

RIEGL, Alois. Objective Ästhetik. Journal of Art Historiography, Birmingham, n. 11, 2014.

RIEGL, Alois. Obra da natureza e obra de arte vol. I [Naturwerk und Kunstwerk]. In: O culto moderno dos monumentos e outros ensaios estéticos. Lisboa: Edições 70, 2016b.

RIEGL, Alois. Problems of style: foundations for a history of ornament [Stilfragen: Grundlegungen zu einer Geschichte der Ornamentik]. Princeton: Princeton University Press, 1992b [1893].

RIEGL, Alois. The group portraiture of Holland [Das holländische Gruppenporträt]. Los Angeles: The Getty Research Institute Publications and Exhibitions Program, 1999 [1902].

RIEGL, Alois. The origins of baroque art in Rome [Die Einstehung der Barockkunst in Rom]. Los Angeles: Getty Research Institute, 2010 [1908].

RIEGL, Alois. Über antike und moderne Kunstfreunde Vortrag gehalten in der Gesellschaft der Wiener Kunstfreunde. Journal of Art Historiography, Birmingham, n. 9, 2013.

RIEGL, Alois. Uma nova história da arte [Eine neue Kunsgeschichte]. In: O culto moderno dos monumentos e outros ensaios estéticos. Lisboa: Edições 70, 2016c [1901].

SCHLEIERMACHER, Friedrich D. E. Discursos acadêmicos [1829]: Sobre o conceito de hermenêutica, com referência às indicações de F.A. Wolf e ao Compêndio de F. Ast. In: Hermenêutica: arte e técnica da interpretação [Hermeneutik]. 10 ed. Petrópolis: Vozes, 2015 [1959].

Downloads

Publicado

2022-05-02

Como Citar

Paz, D. J. M. (2022). Riegl faz história: o Denkmalkultus visto à luz da historiografia de Alois Riegl. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 30, 1-27. https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e10

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material