Padrões e apropriações da higiene na consolidação do banheiro nas moradias paulistanas (1890−1930)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e18

Palavras-chave:

São Paulo (cidade), Banheiro, Habitação (1890−1930), Higiene

Resumo

Este artigo explora a relação entre espaço doméstico, tecnologias e as políticas higienistas na cidade de São Paulo, entre o final do século XIX e as primeiras décadas do século XX. Com base no levantamento dos pedidos para novas construções habitacionais do período, observa-se a rápida transformação da moradia segundo preceitos de salubridade e limpeza, com destaque para a constituição de um novo ambiente no programa residencial: o banheiro. Partindo dessa constatação, o artigo é dividido em duas partes: na primeira, discutese como as políticas sanitaristas tornam obrigatória a presença de um cômodo sanitário nas moradias paulistanas por meio da implantação dos serviços de fornecimento de água e esgoto para domicílios, apoiada pela legislação e fiscalização; na segunda parte, o trabalho examina a apropriação social desse novo espaço, assim como de seus equipamentos, revelando que a
consolidação do banheiro deve ser compreendida também à luz das mudanças das práticas corporais ligadas às ideias de higiene, limpeza e conforto em discussão na época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Clarissa de Almeida Paulillo, Universidade de São Paulo

Docente na Universidade Paulista (Unip) e no Centro Universitário Belas Artes. É arquiteta e urbanista pela FAU-USP e doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo da mesma instituição. E-mail: claip@usp.br.

Referências

FONTES MANUSCRITAS

COMISSÃO GEOGRAPHICA E GEOLÓGICA (São Paulo). Planta geral da cidade de São Paulo, com indicações diversas. Engenheiro-chefe: João Pedro Cardoso. São Paulo: Comissão Geographica e Geológica, 1914. Planta color., 106 × 86 cm. Escala 1:20.000. Acervo Cartográfico do Arquivo Público do Estado de São Paulo.

SÉRIE de Obras Particulares. São Paulo: Fundo Prefeitura Municipal. Grupo Diretoria de Obras e Viação. São Paulo: Arquivo Histórico Municipal Washington Luís (SOP-AHMWL).

FONTES IMPRESSAS

ALMEIDA, Júlia Lopes de. Livro das noivas. 3. ed. Rio de Janeiro: Francisco Alves & Cia., 1914. Disponível em: https://bit.ly/3yvHNPj. Acesso em: 12 abr. 2020.

ALMEIDA, Júlia Lopes de. Livro das donas e donzelas. [S. l.: s. n.], 1906. Disponível em: https://bityli.com/PDogf. Acesso em: 6 jul. 2020.

A PROPÓSITO… Correio Paulistano. São Paulo, n. 12.988, p. 1, 29 out. 1899. Disponível em: https://bit.ly/3jmDP7f. Acesso em: 10 jan. 2020.

CASA. O Commercio de São Paulo, São Paulo, n. 589, p. 2, 1895. Disponível em: https://bit.ly/3kyR9ou. Acesso em: 28 fev. 2020.

CLESER, Vera. O lar doméstico: conselhos práticos sobre a boa direcção de uma casa. 3. ed. Rio de Janeiro: Laemmert & C., 1906.

CORREIO PAULISTANO, São Paulo, n. 14.780, 1904. Disponível em: https://bit.ly/3ksRlFB. Acesso em: 12 jan. 2020.

O ESTADO DE S. PAULO, São Paulo, p. 2, 26 out. 1894. Disponível em: https://bit.ly/38egEp1. Acesso em: 13 fev. 2020.

O REPÓRTER, São Paulo, n. 117, 1896. Disponível em: https://bit.ly/2WqwGtB. Acesso em: 12 jan. 2020.

PEIXOTO, Afrânio Peixoto. Elementos de hijiene. [S. l.]: Francisco Alves, 1913.

RELATÓRIO da Commissão de exame e inspecção das habitações operárias e cortiços no destricto de Santa Ephigenia, apresentado ao cidadão Cezario Motta, Secretário dos Negócios do Interior do Estado de São Paulo. Elevação lateral e planta, nº 1. Original, tela amidoada, nanquim colorido com aquarela. Ordem E 0972. Acervo do Arquivo Público do Estado de São Paulo (APESP).

SÃO PAULO (Estado). Relatório apresentado ao Exmo. Sr. Altino Arantes, Presidente de S. Paulo, pelo Secretário da agricultura, Commercio e Obras públicas, Candido Nazianzeno Nogueira da Motta, Anno de 1915. São Paulo: Tipografia Siqueira & C., 1916.

VIDA diaria. Correio Paulistano, São Paulo, n. 13.262, p. 2, 4 ago. 1900. Disponível em: https://bit.ly/3jmCH3v. Acesso em: 25 fev. 2020.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

BÉGUIN, François. As maquinarias inglesas do conforto. Espaço e Debates, [S. l.], n. 34, p. 39-53, 1991.

BERNARDINI, Sidney Piochi. Construindo infraestruturas, planejando territórios: a Secretaria de Agricultura, Comércio e Obras Públicas do governo estadual paulista (1892-1926). 2007.

Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

BOIVIN, Nicole. Material Cultures, Material Minds: The Impact of Things on Human Thought, Society and Evolution. Cambridge: Cambridge University Press, 2008.

BONDUKI, Nabil. Origens da habitação social no Brasil: arquitetura moderna, Lei do Inquilinato e difusão da casa própria. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

CAMPOS, Eudes. Arquitetura paulistana sob o Império: aspectos da formação da cultura burguesa em São Paulo. 1997. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1997.

CARVALHO, Vânia Carneiro de. Gênero e artefato: o sistema doméstico na perspectiva da cultura material. São Paulo: Edusp, 2008.

CORDEIRO, Simone Lucena (org.). Os cortiços de Santa Ifigênia: sanitarismo e urbanização. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado, 2010.

COSTA, Jurandir Freire. Ordem médica e norma familiar. Rio de Janeiro: Graal, 1979.

DOUGLAS, Mary. Pureza e perigo. São Paulo: Perspectiva, 2014. (Debates; 120).

ELEB, Monique; DEBARRE, Anne. L’Invention de I’habitation moderne: Paris, 1880-1914. Paris: Hazan, 1995.

FORTY, Adrián. Objetos de desejo: design e sociedade desde 1750. São Paulo: Cosac Naify, 2007.

GIEDION, Siegfried. La mecanización toma el mando. Barcelona: Gustavo Gili, 1978.

HOMEM, Maria Cecília Naclério. Cozinha e indústria em São Paulo: do Rural ao Urbano. São Paulo: Edusp, 2015.

HOMEM, Maria Cecília Naclério. O palacete paulistano e outras formas urbanas de morar da elite cafeeira, 1867-1918. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

LATOUR, Bruno. The Berlin Key or How to Do Words with Things. In: GRAVES-BROWN, Paul. Matter, Materiality and Modern Culture. Londres: Routledge, 1991. p. 10-21.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. A República ensina a morar (melhor). São Paulo: Hucitec, 1999.

LEMOS, Carlos Alberto Cerqueira. Cozinhas, etc.: um estudo sobre as zonas de serviço da Casa Paulista. São Paulo: Perspectiva, 1978.

LEPETIT, Bernard. Arquitetura, Geografia, História: Usos da Escala. In: LEPETIT, Bernard Lepetit; SALGUEIRO, Heliana Salgueiro (Org.). Por uma nova história urbana. São Paulo: Edusp, 2001, p.191-226.

LIMA, Tania Andrade. Humores e odores: ordem corporal e ordem social no Rio de Janeiro, século XIX. Manguinhos: História, Ciências, Saúde, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 44-96, 1995-1996.

LUPTON, E.; MILLER, J. A. The Bathroom, the Kitchen, and the Aesthetics of Waste: A Process of Elimination. Cambridge, MA: MIT List Visual Arts Center, 1992.

MALUF, Marina; MOTT, Maria Lúcia. Recônditos do mundo feminino. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998, v. 3, p. 367-422.

MARINS, Paulo César Garcez. Habitação e vizinhança: limites da privacidade no surgimento das metrópoles brasileiras. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 3, p. 131-214.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. A cultura material no estudo das sociedades antigas. Revista de História, São Paulo, n. 115, p. 103-117, 1983.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Fontes visuais, cultura visual, história visual: balanço provisório, propostas cautelares. Revista Brasileira de História, São Paulo, v. 23, n. 45, p. 11-36, 2003.

MENESES, Ulpiano Bezerra de. Morfologia das cidades brasileiras: introdução ao estudo histórico da iconografia urbana. Revista USP, São Paulo, n. 30, p. 144-155, 1996.

OLIVEIRA, Neide Gomes de. História dos hábitos de higiene no Brasil dos séculos XVIII ao XX. Dimensões: Revista de História da Ufes, Vitória, n. 2, p. 42-58, 1991.

PAULILLO, Clarissa de Almeida. Corpo, casa e cidade: três escalas da higiene na consolidação do banheiro nas moradias paulistanas (1893-1929). Dissertação (Mestrado em Design e Arquitetura) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2017.

REDE, Marcelo. História e cultura material. In: CARDOSO, Ciro Flamarion; VAINFAS, Ronaldo (Org.). Domínios da história. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012. p. 133-150.

RICE, Charles. The Emergence of the Interior. London: Routledge, 2007.

SALIBA, Elias Thomé. A dimensão cômica da vida privada na República brasileira. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 3, p. 289-366.

SAMPAIO, Maria Ruth Amaral de. O papel da iniciativa privada na formação da periferia paulistana. Espaço & Debates, n. 37, v. XIV, 1994, p.19-33.

SANT’ANNA, Denise Bernuzzi de. Higiene e higienismo entre o Império e a República. In: DEL PRIORE, Mary; AMANTINO, Marcia (Org.). História do corpo no Brasil. São Paulo: Editora Unesp, 2011. p. 283-312.

SEVCENKO, Nicolau. Introdução. O prelúdio republicano, astúcias da ordem e ilusões do progresso. In: SEVCENKO, Nicolau (Org.). História da vida privada no Brasil. São Paulo: Companhia das Letras, 1998. v. 3, p. 7-48.

VIGARELLO, Georges. Higiene do corpo e trabalho das aparências. In: CORBIN, Alain. et al. História do corpo: volume 2: da Revolução à Grande Guerra. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 375-392.

VIGARELLO, Georges. O limpo e o sujo: uma história da higiene corporal. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

Downloads

Publicado

2022-07-27

Como Citar

Paulillo, C. de A. (2022). Padrões e apropriações da higiene na consolidação do banheiro nas moradias paulistanas (1890−1930). Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 30, 1-38. https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e18

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material