O Anhanguera, de Theodoro Braga: dissonâncias de uma imagem controversa do bandeirantismo paulista

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e17

Palavras-chave:

Theodoro Braga, Museu Paulista, O Anhanguera, Pintura histórica, Bandeirantismo

Resumo

A vida e a obra de Theodoro Braga tem sido destacada pela historiografia
contemporânea devido a sua presença nas artes decorativas e por seu papel na formulação de uma identidade nacional brasileira, atividade que perpassa toda sua atuação como pintor e educador. Porém, como apontado por alguns autores, o artista também tem expressiva importância no campo da pintura histórica. Uma de suas obras mais conhecidas do gênero é O Anhanguera (1930), um dos retratos mais famosos e reproduzidos do bandeirante Bartolomeu Bueno da Silva. A obra integra o acervo do Museu Paulista desde 1960, quando foi doada por Maria da Silva Braga, viúva de Theodoro Braga. Até alguns anos atrás, o Museu não tinha informações sobre o processo de produção da obra, bem como sua inserção na produção artística do pintor, sua circulação antes da doação em 1960, a relação do artista com o Museu Paulista e a relação da obra com os padrões de representação da iconografia bandeirante estabelecida por Afonso Taunay, então diretor do museu. Essas relações foram aqui investigadas por meio de levantamento documental em periódicos da época. A análise das fontes, junto à revisão bibliográfica sobre a criação e consolidação do mito do “herói bandeirante” e dos padrões de representação dessas personagens nas obras do acervo do Museu Paulista, demonstram que a
obra de Theodoro Braga foi excluída das encomendas e compras oficiais realizadas por Taunay por não se adequar ao cânon por ele imposto à instituição. Essa exclusão, no entanto, não impediu que a obra fosse adquirida pelos acervos oficiais do estado de São Paulo a partir de 1945, ano em que Taunay deixou a direção do Museu Paulista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisa Ferreira Rocha Campos, Universidade de São Paulo

Graduanda em História na Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo (FFLCH-USP). Autora da pesquisa de iniciação científica O Anhanguera, de Theodoro Braga: concepção de uma pintura histórica e sua aquisição para o acervo do Museu Paulista, que faz parte do projeto temático “Coletar, Identificar, Processar, Difundir o Ciclo Curatorial e a Produção de Conhecimento”, sob orientação do Prof. Dr. Paulo César Garcez Marins. A autora agradece à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP) pela concessão da bolsa que possibilitou a realização da pesquisa de iniciação científica, origem deste artigo (número do processo: 2019/23664-8), e ao Paulo César Garcez Marins, pois sem sua orientação e apoio, tão necessários diante do desafio de realizar a pesquisa durante a  dificuldades da pandemia de covid19, não seria possível concluir o artigo.

Referências

FONTES IMPRESSAS

ARTES plásticas - Faleceu Theodoro Braga. O Jornal, Rio de Janeiro, p. 7, 4 set. 1953.

CÂMARA dos Deputados – 1ª Sessão Ordinária em 1 de agosto. Correio Paulistano, São Paulo, p. 5, 2 ago. 1928.

CORREIO DE SÃO PAULO, São Paulo, 27 jan. 1934.

CRÍTICA do Salão I. Correio de São Paulo, São Paulo, p. 2, 27 jan. 1934.

INSTITUTO Histórico e Geographico - O que houve na sua sessão de 20 do corrente. Correio Paulistano, São Paulo, p. 5, 23 set. 1930.

MUSEU Paulista - Inauguração, no hall, de grandes amphoras artísticas contendo águas dos maiores rios do Brasil. Correio Paulistano, São Paulo, p. 5, 12 out. 1928.

MUSEU Paulista - O escudo da cidade de São Bernardo. Correio Paulistano, São Paulo, p. 4, 15 jun. 1927.

NOTAS de arte - Exposição Theodoro Braga. A Gazeta de São Paulo, São Paulo, p. 2, 19 set. 1925a.

NOTAS de arte - Exposição de pintura. Correio Paulistano, São Paulo, p. 6, 21 ago. 1925b.

NOTAS de arte - Exposição Theodoro Braga. A Gazeta de São Paulo, São Paulo, p. 2, 4 set. 1925c.

O SALÃO Official de Belas Artes de 1930. Diário Nacional, São Paulo, p. 5, 11 ago. 1930.

REGISTRO de Arte - Prof. Theodoro Braga. Correio Paulistano, São Paulo, p. 4, 2 set. 1926.

REVIVENDO o maior périplo das bandeiras paulistas. Correio Paulistano, São Paulo, p .4, 24 out. 1928.

SALÃO Oficial de 1930 – Vernissage, inauguração e impressões do Salão. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 6, 10 ago. 1930.

UM TRABALHO de Theodoro Braga para o Salão de 1928. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, p. 10, 3 jun. 1928.

UMA CONFERÊNCIA do Prof. Theodoro Braga no Lyceu Franco Brasileiro. A Gazeta de São Paulo, São Paulo, p. 2, 10 jun. 1932.

LIVROS, ARTIGOS E TESES

ABUD, Katia Maria. O sangue intimorato e as nobilíssimas tradições: a construção de um símbolo paulista, o bandeirante. 1986. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1986.

BRAGA, Theodoro. Nacionalização da arte brasileira. Revista Ilustração Brasileira, Rio de Janeiro, ano 10, set. 1922.

BRAGA, Theodoro. Por uma arte brasileira. Acrópole, São Paulo, v. 1, p. 19-20, maio 1938.

BREFE, Ana Claudia Fonseca. História nacional em São Paulo: o Museu Paulista em 1922. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 10/11, p. 79-103, 2003.

BREFE, Ana Claudia Fonseca. O Museu Paulista: Affonso de Taunay e a memória nacional, 1917-1945. São Paulo: Editora Unesp, 2005.

CHRISTO, Maraliz de Castro Vieira. Bandeirantes na contramão da história: um estudo iconográfico. Projeto História, São Paulo, n. 24, p. 307-335, 2002.

COELHO, Edilson da Silveira, O nacionalismo em Theodoro Braga: posturas e inquietações na construção de uma arte brasileira. 2009. Tese (Doutorado) – Escola de Belas Artes, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.

COELHO, Edilson da Silveira. A multiforme obra artística e intelectual de Theodoro Braga. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE DA UNICAMP, 3., 2007, Campinas. Anais […]. Campinas: IFCH-Unicamp, 2007.

FERREIRA, Antonio Celso. A epopeia bandeirante: letrados instituições, invenção histórica (1870-1840). São Paulo: Editora Unesp, 2002.

FIGUEIREDO, Aldrin M. de. O museu como patrimônio, a República como memória: arte e colecionismo em Belém do Pará (1890-1940). Revista Antíteses, v. 7, n. 14, p. 20-42, 2014.

GODOY, Patrícia Bueno. O nacionalismo na arte decorativa brasileira: de Eliseu Visconti a Theodoro Braga. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE DA UNICAMP, 1., 2004, Campinas. Anais […].Campinas: IFCH-Unicamp, 2004.

MARINS, Paulo César Garcez. Nas matas com pose de reis: a representação de bandeirantes e a tradição da retratística monárquica europeia. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros (RIEB), São Paulo, n. 44, p. 77-104 2007.

MARINS, Paulo César Garcez. O museu da paz: Sobre a pintura histórica no Museu Paulista durante a gestão Taunay. In: OLIVEIRA, Cecilia Helena de Salles (org.). O Museu Paulista e a gestão de Afonso Taunay: escrita de história e historiografia, séculos XIX e XX. São Paulo: MP-USP, 2017.

MARINS, Paulo César Garcez. Uma personagem por sua roupa: o gibão como representação do bandeirante paulista. Revista Tempo, Niterói, v. 26, n. 2, p. 404-429, 2020.

PASCOAL, Paola. Theodoro Braga e as proposições para uma arte brasileira. 19&20, Rio de Janeiro, v. 8, n. 1, 2013.

QUEIROZ, Maria Isaura Pereira de. Ufanismo paulista: vicissitudes de um imaginário. Revista USP, São Paulo, v. 13, p. 78-87, 1992.

SOUZA, Laura de Mello e. Vícios, virtudes e sentimento regional: São Paulo, da lenda negra à lenda áurea. Revista de História, n. 142/143, p. 261-276, São Paulo, 2000.

WALDMAN, Thais Chang. Entre batismos e degolas: (des)caminhos bandeirantes em São Paulo. 2018. Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

Downloads

Publicado

2022-07-27

Como Citar

Campos, E. F. R. (2022). O Anhanguera, de Theodoro Braga: dissonâncias de uma imagem controversa do bandeirantismo paulista. Anais Do Museu Paulista: História E Cultura Material, 30, 1-25. https://doi.org/10.1590/1982-02672022v30e17

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Dados de financiamento