As seis pinturas de Massimo Campigli do MAC USP discutidas sob o olhar das artes plásticas e dos resultados de análises com técnicas de imagens e espectroscópicas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1982-02672024v32e2

Palavras-chave:

Massimo Campigli, Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, Análises não invasivas, Arte moderna italiana, Espectroscopia, Imageamento

Resumo

O presente artigo discute os resultados obtidos com as análises de imagens e espectroscópicas (para determinação dos elementos e compostos químicos) não invasivas realizadas em seis pinturas do artista alemão, naturalizado italiano, Massimo Campigli pertencentes ao acervo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC USP). Os aspectos da trajetória do artista, as soluções plásticas das obras somadas às análises feitas com técnicas espectroscópicas de fluorescência de raios X por dispersão de energia (FRX-DE), Raman, e infravermelho com transformada de Fourier (FTIR), e com técnicas de imageamento como fotografia sob luz visível (VIS), luz rasante (RAS), luz transmitida (TRANS), fluorescência visível induzida por radiação ultravioleta (UV-VIS), reflectografia de infravermelho (RIV) e radiografia (RAD) fornecem importantes informações sobre o artista e sua obra. As técnicas analíticas não invasivas foram realizadas no próprio museu e com equipamentos portáteis do Laboratório de Arqueometria e Ciências Aplicadas ao Patrimônio Cultural (LACAPC) do Instituto de Física (IF) da USP. No geral, os resultados obtidos corroboram com os testemunhos de Campigli sobre o seu fazer artístico, assim como daqueles que o viram trabalhando no ateliê. A sua escolha de paleta, composta por pigmentos naturais e sintéticos, na sua maior parte brancos e tintas com tonalidades terrosas, e suas etapas produtivas de criar e recriar as pinturas, muitas vezes reutilizando telas, foram comprovadas através das investigações analíticas.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Renata Dias Ferraretto Moura Rocco, Universidade de São Paulo

    Pós-doutorado pelo Projeto Temático Fapesp Coletar, identificar, processar, difundir (MAC USP). Doutora e mestre pelo Programa de Pós-Graduação Interunidades em Estética e História da Arte da Universidade de São Paulo (USP), linha de pesquisa: Teoria e Crítica de Arte, sob a supervisão da Profa. Dra. Ana Gonçalves Magalhães. E-mail: renatarocco78@gmail.com.

  • Márcia de Almeida Rizzutto, Universidade de São Paulo. Instituto de Física

    Professora livre-docente do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (IFUSP), do Programa de Pós-Graduação de Física e do Interunidades em Museologia (PPGMus-USP). Coordenadora do Laboratório de Arqueometria e Ciências Aplicada ao Patrimônio Cultural do Instituto de Física da USP (LACAPC-IFUSP) e do Núcleo de Pesquisa de Física Aplicada ao Estudo do Patrimônio Artístico e Histórico (NAP-FAEPAH). E-mail: rizzutto@if.usp.br.

  • Julia Schenatto, Universidade de São Paulo. Instituto de Física

    Doutoranda do Instituto de Física na Universidade de São Paulo (USP), mestre pela mesma instituição. E-mail: schenatto@usp.br.

  • Juliana Bittencourt Bovolenta, Universidade de São Paulo. Museu de Arqueologia e Etnologia

    Mestranda do Programa de Pós-Graduação Interunidades em Museologia da Universidade de São Paulo (PPGMus-USP) e bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Especialista em Conservação e Restauração de Fotografias pela Escola Nacional de Conservação, Restauração e Museografia “Manuel del Castillo Negrete” do Instituto Nacional de Antropologia e História do México. E-mail: bittencourt.ju@gmail.com.

  • Wanda Gabriel Pereira Engel, Universidade de São Paulo. Instituto de Física

    Mestre em Ciências e Engenharia de Materiais pela Universidade de São Paulo (USP). Atualmente é Especialista em Laboratório do Instituto de Física da USP. E-mail: wengel@usp.br.

Referências

ANNI trenta: arti in Italia oltre il fascismo. Firenze: Giunti, 2012.

BARBAROUX, Vittorio E.; GIANI, Giampiero. Arte italiana contemporânea. Prefácio Massimo Bontempelli. Milão: Gráfico, [1940].

BATCHELOR, David; FER, Briony; WOOD, Paul. Realismo, racionalismo, surrealismo: a arte no Entreguerras. São Paulo: Cosac Naify, 1998.

BENZI, Fabio. Arte in Italia tra le due guerre. Torino: Bollati Boringhieri, 2013.

BRANDI, Cesare. Gli Scrupoli. Cronache, Roma, 23 ag. 1955.

CHAOS and Classicism. New York: Guggenheim Museum, 2010.

CAMPIGLI e gli etruschi: una pagana felicità. Milano: Silvana, 2021.

CAMPIGLI, Massimo. Nuovi scrupoli. Torino: Umberto Allemandi, 1995.

CAMPIGLI, Massimo. Scrupoli. Venezia: Cavallino, 1955.

CAMPIGLI, Nicola; WEISS, Eva; WEISS, Marcus. Campigli: catalogue raisonné. Milano: Silvana, 2013. Archives Campigli Saint-Tropez.

CARDAZZO, Carlo. Campigli a Venezia. L’Etrusco di Firenze, Milano Sera, Milano, 2 sett. 1953.

CARRERA, Mauro. I ‘libri di dialogo’ di Massimo Campigli: un colloquio prezioso e riservato”. In: Campigli il novecento Antico. Milano: Silvana, 2014. p. 76-79.

CARRIERI, Raffaele. Campigli: Il Re delle donne. Epoca, Milano, anno 18, n. 875, 2 lulio 1967.

CARRIERI, Raffaele. I maestri della pittura contemporanea in Italia. Epoca, Milano, 19 lulio 1959.

CARRIERI, Raffaele. In casa Campigli. Tempo, Milano, 9-16 ott. 1941.

CARRIERI, Raffaele. Testo di Raffaele Carrieri. In: Campigli. Venezia: Cavallino 1945.

COSENTINO, Antonio. Identification of Pigments by Multispectral Imaging: A Flowchart Method. Heritage Sci, Berlin, v. 2, 2014.

CORGNATI, Martina. L’ombra lunga degli etruschi: echi e suggestioni dell’arte del Novecento. Monza: Johan i Levi, 2018.

FERRARIO, Rachele. Les italiens: sette artisti italiani alla conquista di Parigi. Torino: Utet, 2017.

FRANCHI, Raffaello. Massimo Campigli. Milano: Hoepli, 1944.

I MAESTRI della pittura contemporanea in Italia. Epoca, Milano, 19 jul. 1959.

IZZO, Francesca Caterina; CAPOGROSSO, Valentina; GIRONDA, Michele; ALBERTI, Roberto; MAZZEI, Chiara; NODARI, Luca; GAMBIRASI, Arianna; ZENDRI, Elisabetta; NEVIN, Austin. Multi-Analytical Non-Invasive Study of Modern Yellow Paints from Postwar Italian Paintings from the International Gallery of Modern Art Cà Pesaro Venice. X-Ray Spectrometry, Venezia, Mar. 2015. DOI:10.1002/xrs.2623. Acesso em: 2 maio 2023.

MAGALHÃES, Ana Gonçalves. Classicismo moderno: Margherita Sarfatti e a Pintura Italiana no Acervo do MAC USP. São Paulo: Alameda, 2016.

MAGALHÃES, Ana Gonçalves. Pintura italiana do Entreguerras nas coleções Matarazzo e as origens do acervo do antigo MAM: arte e crítica de arte entre Itália e Brasil. 2015. Tese (Livre Docência em História da Arte) – Museu de Arte Contemporânea, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015. DOI: 10.11606/T.32.2015.tde-22052015-132206. Acesso em: 1 fev. 2023.

MASSIMO Campigli. Milano: Hoepli, 1931.

POLDI, Gianluca. Appunti sulla tecnica pittorica degli Italiens de Paris. In: FERRARIO, Rachele. René Paresce, Campigli, de Chirico, de Pisis, Savinio, Severini, Tozzi: italiani a Parigi. Bologna: Bononia University Press, 2017.

PONTIGGIA, Elena. Il ritorno all’ordine. Milano: Abscondita, 2005.

RAMBALDI, Simone. Massimo Campigli e i ritratti funerari romani. Bollettino D’Arte, n. 22/23, serie 7, apr./sett. 2014.

RIZZUTTO, Márcia; ROCCO, Renata; SCHENATTO, Julia; BOVOLENTA, Juliana; ENGEL, Wanda; BARBOSA, Marcia; MAGALHÃES, Ana. Massimo Campigli, an Italian Painter, Studied with Non-Invasive and Portable Analytical Techniques. In: TECHNART: INTERNATIONAL CONFERENCE ON ANALYTICAL TECHNIQUES IN ART AND CULTURAL HERITAGE, 2023, Lisbon. Proceedings […]. Lisbon: TECHNART, 2023.

ROCCO, Renata Dias Ferraretto Moura. Massimo Campigli e a cultura material etrusca sob o regime fascista. In: COLÓQUIO DO COMITÊ BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 41., 7-11 nov. 2021, Uberlândia. Anais […]. Uberlândia: Comitê Brasileiro de História da Arte, 2022. p. 1028-1037.

ROCCO, Renata Dias Ferraretto Moura. Pinturas de Massimo Campigli no MAC USP: entre arqueologia, memória e modernidade, Ars, São Paulo, ano 19, n. 41, 2021.

ROCCO, Renata; RIZZUTTO, Márcia; SCHENATTO, Júlia; BOVOLENTA, Juliana. Três mulheres de Massimo Campigli do acervo MAC USP e análises não invasivas: entre figuras femininas e um retrato oculto. Revista de História da Arte e da Cultura, Campinas, São Paulo, v. 4, n. 1, p. 4-21, jan./jun. 2023.

SILVER, Kenneth. Esprit de Corps: The Art of the Parisian Avant-Garde and the First World War, 1914-1925. Princeton: Princeton University Press, 1989.

SOARES, Bruna Brito. O mundo de Savinio: uma análise da fragmentariedade nas obras da personagem autoficcional Nivasio Dolcemare. 2017. Dissertação (Mestrado em Literatura) – Programa de Pós-Graduação em Literatura, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2017.

STUART, Barbara H. Analytical Techniques in Materials Conservation. Hoboken: Wiley, 2007.

TOMEI, Stelio, Da quarant’anni dipinge al suono dello stesso disco. Settimana Illustrata, Roma, 11 apr. 1959.

WEISS, Eva. Massimo Campigli: Kunst aus Obsession. Dissertation (Doktorin der Philosophie) – Philosophisch-Historischen Fakultät, Basel Universität, München, 2015. Disponível em: https://edoc.unibas.ch/79499/. Acesso em: 7 dez. 2023.

XXIV BIENNALE di Venezia. Venezia: Serenissima, 1948.

Sites

BIACCA. Treccani, Roma, 24 mar. 2011. Disponível em: https://bit.ly/3uR9GFd. Acesso em: 7 dez. 2023.

BIOGRAFIA di Filippo de Pisis. Associazione per Filippo de Pisis, Milano, 9 dic. 2007. Disponível em: https://bit.ly/489EjnN. Acesso em: 7 dez. 2023.

CEMENTITE. Tassani, Bolzaneto, [2023]. Disponível em: https://bit.ly/487UK3E. Acesso em: 7 fev. 2023.

D COME DONNA l’Alfabeto di Massimo Campigli. Magnani Rocca Fondazione, Parma, 5 apr. 2014. Disponível em: https://bit.ly/485Pk9p. Acesso em: 7 dez. 2023.

DIVOLO, Firenze, [2023]. Disponível em: https://bit.ly/46NUqWI. Acesso em: 7 dez. 2023.

FERNAND Léger (1881-1955). Le Grand Déjeuner. Christie’s, London, 15 May 2018. Disponível em: https://bit.ly/3Ngkcfn. Acesso em: 7 dez. 2023.

GIACOMO Manzù. Cardinale [O cardeal], 1948. MAC USP, São Paulo, [2023]. Disponível em: https://bit.ly/41apI94. Acesso em: 7 dez. 2023.

LEFRANC Bourgeois, Paris, [2023]. Disponível em: https://bit.ly/4ab2ALR. Acesso em: 7 dez. 2023.

MASSIMO Campigli (né Max Ihlenfeld). National Portrait Gallery, London, 15 Dec. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3TfsSqi. Acesso em: 7 dez. 2023.

MASSIMO Campigli Mostra antologica. Opere ad olio, disegni, grafica dal 1921 al 1971. Galleria dello Scudo, Verona, 7 ag. 2020. Disponível em: https://bit.ly/3Gzo5IA. Acesso em: 7 dez. 2023.

MASSIMO Campigli: A Self-Taught Artist and Collector. Artcurial, Paris, 13 Oct. 2022. Disponível em: https://bit.ly/47ORF9g. Acesso em: 7 dez. 2023.

PIANISTE, 1948. Massimo Campigli. Art Basel, Basel, 23 Aug. 2022. Disponível em: https://bit.ly/3RGPZZT. Acesso em: 7 dez. 2023.

PROJECT. ColourLex, [s. l.], 15 June. 2018. Disponível em: https://bit.ly/485MhxZ. Acesso em: 7 dez. 2023.

SARCOFAGO degli sposi. Museo Nazionale Etrusco di Villa Giulia, Roma, 19 giugno 2019. Disponível em: https://bit.ly/3RAGbR6. Acesso em: 7 dez. 2023.

TWO Nudes. Umma Exchange, Ann Arbor, 7 July 2019. Disponível em: https://bit.ly/3TwTXph. Acesso em: 7 dez. 2023.

Downloads

Publicado

2024-03-12

Edição

Seção

Museus

Dados de financiamento

Como Citar

ROCCO, Renata Dias Ferraretto Moura; RIZZUTTO, Márcia de Almeida; SCHENATTO, Julia; BOVOLENTA, Juliana Bittencourt; ENGEL, Wanda Gabriel Pereira. As seis pinturas de Massimo Campigli do MAC USP discutidas sob o olhar das artes plásticas e dos resultados de análises com técnicas de imagens e espectroscópicas. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 32, p. 34–99, 2024. DOI: 10.11606/1982-02672024v32e2. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/212003.. Acesso em: 21 jun. 2024.