Cartografia da invasão, conquista e ocupação de territórios indígenas em Minas Gerais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/1982-02672024v32e6

Palavras-chave:

Cartografia Histórica, Povos Indígenas, Cartografia Indígena, Povos Indígenas de Minas Gerais

Resumo

Contrapondo-se ao que ocorreu no centro-oeste do território mineiro — onde a descoberta aurífera levou à intensa ocupação e exploração, bem como à dizimação dos povos nativos —, que se consolidou como um distrito minerador nas Minas Gerais, a porção leste do território permaneceu, por considerável período de tempo, ainda mais distante das “mãos” do poder colonizador. Isso fez com que ali se concentrasse a maior parte da presença e da resistência dos povos indígenas da capitania mineira, sobreviventes daquele ímpeto. A partir da segunda metade do século XVIII, no entanto, os novos rumos da dinâmica econômica da capitania fazem esse quadro se alterar, colocando o “sertão leste” nas vistas governamentais como alternativa para a dinamização da economia. O avanço da invasão e da ocupação de terras indígenas na região, baseado em processos de guerra e suposta pacificação, é observado por meio de diversos documentos cartográficos históricos, produzidos entre a segunda metade dos Setecentos e dos Oitocentos joaninos. Analisados à luz dos acontecimentos interpretados por diversos autores, esses documentos tornam-se importantes fontes de pesquisa e entendimento do que ocorreu aos indígenas do leste mineiro.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Bernardo de Pinho Tavares Dornela, Universidade Federal de Minas Gerais

    Graduado e licenciado em geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Atualmente é professor da educação básica em Belo Horizonte. E-mail: bernardodornela@gmail.com

  • Antônio Gilberto Costa, Universidade Federal de Minas Gerais

    Doutor em petrologia e petrografia pela Technische Universität Clausthal Zellerfeld, Alemanha. Atualmente é professor titular da Universidade Federal de Minas Gerais, onde coordena o Centro de Referência em Cartografia Histórica e o Laboratório de Caracterização Tecnológica de Rochas com aplicação Industrial (LABTECRochas). E-mail: ag.costa@uol.com.br.

Referências

Fontes cartográficas

CARTA geographica da capitania de Minas Geraes, e partes confinantes. Anno de 1767. [s. a.]. 168,3 cm × 124,3 cm; Manuscrito, color. à mão, tinta ferrogálica e nanquim, em folha 175,5 cm x 127 cm; Arquivo Histórico do Exército, Rio de Janeiro.

CARTA topographica do Mucury. Coordenada e desenhada por Herculano V. Penna, 2º Tenente de Engenheiros, 1859. Disponível em: http://bit.ly/43kMPhE. Acesso em: 29 fev. 2024.

MAPA da capitania de Minas Geraes com a deviza de suas comarcas. Jozé Joaquim da Rocha, 1778. 41,9 × 35,1 cm; Manuscrito e aquarela. Arquivo Histórico do Exército, Rio de Janeiro.

MAPA topográfico e Idrografico da Capitania de Minas Gerais. s. a. – Escala: [Ca. 1: 1610 000], 30 legoas (Légua de 18 ao grau = 617283 cm) = 11,5 cm. – s. d. – 1 mapa: ms., color. Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro.

MAPPA da comarca de Villa Rica. Joze Joaquim da Rocha o fes. Escala [ca. 1: 600 000]. Anno de 1779. 1 mapa ms., color. à mão; 40,8 cm × 79,8 cm em folha 54 cm × 83,8 cm. Biblioteca Nacional, Rio de Janeiro.

NOVO Mappa da Capitania de Minas Geraes. Levantado por Guilherme Barão D´Eschwege, Tenente Coronel do Real Corpo de Engenheiros, 1821. Escala [ca. 1: 1 000 000]. (Cópia sem data). 1 mapa ms. em 4 folhas coladas, color. à mão; 141 cm × 104 cm. Gabinete de Estudos Arqueológicos de Engenharia Militar (Geaem), Lisboa, Portugal.

Fontes impressas

BRASIL. Mapa etno-histórico de Curt Nimuendaju. 2. reimp. Rio de Janeiro: Fundação Instituto de Geografia e Estatística; Fundação Nacional Pró-Memória, 1987.

MARLIÈRE, Guido Thomaz. Ofícios. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, ano 12, p. 409-603 1907. Disponível em: https://bit.ly/3v4yOst

Livros, artigos e teses

ALMEIDA, Maria Inês de. Povos indígenas de Minas Gerais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

COSTA, Kênia Gonçalves; RATTS, Alecsandro José Prudêncio. Representações Indígenas na cartografia colonial do Brasil Central. Okara: Geografia em Debate, João Pessoa, v. 8, n. 2, p. 197-212, 2014.

ESPINDOLA, Haruf Salmen. Extermínio e servidão. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, n. 47, v. 1, p. 48-64, 2011.

FONSECA, Claudia Damasceno. Arraiais e vilas d’el rei: Espaço e poder nas Minas setecentistas. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2011.

FURTADO, Ferreira Júnia. Um cartógrafo rebelde?: José Joaquim da Rocha e a cartografia de Minas Gerais. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 155-187, 2009. DOI: 10.1590/S0101-47142009000200009.

KRENAK, Ailton. Ideias para adiar o fim do mundo. São Paulo: Companhia das Letras, 2020.

LANGFUR, Hal. Mapeando a conquista. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 1, n. 47, p. 32-48, 2011.

LIBBY, Douglas Cole. Historiografia e a formação social escravista mineira. Acervo, Rio de Janeiro, v. 3, n. 1, p. 7-20, 1988.

MATTOS, Izabel Missagia de. Educar para dominar. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, n. 47, v. 1, p. 98-110, 2011.

PARAÍSO, Maria Hilda Baqueiro. Os kurukas no mercado colonial. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, n. 47, v. 1, p. 78-98, 2011.

PROUS, André. O Brasil antes dos brasileiros: A pré-história do nosso país. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

SALVIO, Vanessa Linke. Os conjuntos gráficos pré-históricos do centro e norte mineiros: Estilos e territórios em uma análise macrorregional. 2013. Tese (Doutorado em Arqueologia) – Museu de Arqueologia e Etnologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014.

SANTOS, Márcia Maria Duarte dos; COSTA, Antônio Gilberto. O mapa de 1767 das Minas Gerais: Ecoando a questão dos limites da capitania. Acervo, Rio de Janeiro, v. 29, n. 1, p. 48-66, 2016.

SANTOS, Márcia Maria Duarte dos; COSTA, Antônio Gilberto. Toponímia histórica de Minas Gerais, do Setecentos ao Oitocentos joanino, em mapas da capitania e comarcas. Belo Horizonte: UFMG, c2024. Disponível em: https://bit.ly/3TjuRts. Acesso em: 5 dez. 2023.

SANTOS, Márcia Maria Duarte dos. Espaço e representação nas Minas setecentistas. Revista do Arquivo Público Mineiro, Belo Horizonte, v. 2, n. 46, p. 44-59, 2010.

SOUTO, Alanna. Os indígenas na cartografia da América lusitana. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi. Ciências Humanas, Belém, v. 12, n. 3, p. 817-837, 2017. DOI: 10.1590/1981.81222017000300009.

STEPHAN, Ítalo Itamar Caixeiro; SOARES, Josarlete Magalhães; RIBEIRO, Isadora Maria Floriano. Guido Thomaz Marlière, o “semeador” de cidades na Zona de Mata Mineira. Risco Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, São Paulo, n. 16, p. 50-60, 2012. DOI: 10.11606/issn.1984-4506.v0i16p50-60.

Downloads

Publicado

2024-04-02

Edição

Seção

Estudos de Cultura Material

Como Citar

DORNELA, Bernardo de Pinho Tavares; COSTA, Antônio Gilberto. Cartografia da invasão, conquista e ocupação de territórios indígenas em Minas Gerais. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, São Paulo, v. 32, p. 287–313, 2024. DOI: 10.11606/1982-02672024v32e6. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/214891.. Acesso em: 23 jun. 2024.