Migrações Contemporâneas, comida e transnacionalismos a partir de uma Cidade Global

Autores

  • Carla Pires Vieira da Rocha Universidade Federal de Santa Catarina

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p97-115

Palavras-chave:

Migrações contemporâneas, Alimentação, Globalização, Transnacionalismos

Resumo

O texto aborda como os processos relacionados ao período atual da globalização se manifestam a partir de práticas voltadas à alimentação de imigrantes de diferentes nacionalidades no contexto da cidade de Amsterdã (Países Baixos). Resulta de uma pesquisa de doutorado de cunho etnográfico, com trabalho de campo realizado entre o mês de abril de 2015 a março de 2016, nessa capital. O foco da investigação recaiu sobretudo nas dimensões socioculturais do fenômeno alimentar e nos significados que a comida pode adquirir em uma condição migratória. Em paralelo, a atenção esteve voltada para especificidades das migrações contemporâneas, em especial no que diz respeito às dimensões culturais envolvidas e ao caráter essencialmente transnacional que têm demarcado muitos desses movimentos, repercutindo não apenas em como indivíduos desterritorializados vêm se relacionando com a comida, mas também em como estabelecem diferentes modalidades de conexões através da comida.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Carla Pires Vieira da Rocha, Universidade Federal de Santa Catarina

Doutora em Ciências Humanas pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). Pós-doutoranda no Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas (UFSC)

Referências

APPADURAI, A. Disjuncture and Difference in the Global Cultural Economy. In: WILLIAMS, P., CHRISMAN, L. Colonial Discourse and Post-Colonial Theory. N.Y.: Columbia University Press, 1990. p. 324-339.

APPADURAI, A. Modernity at large: cultural dimensions of globalization. Minneapolis, Minn.: University of Minnesota Press, 1996.

APPADURAI, A.; BRECKENRIDGE, C. Why Public Culture? Public Culture, v. 1, n. 1, p. 5-9, 1988.

APPIAH, K.A. Cosmopolitanism: ethics in a world of strangers. New York: W. W. Norton &Co, 2006.

BASCH, L. et al.Nations unbound: transnational projects and the deterritorialized nations-state. New York: Gordon and Breach, 1994.

BECK, U. Qué es la globalización?: falacias del globalismo, respuestas a la globalización. Barcelona: Paidós, 2008.

BENSON, M; O'REILLY, K. Migration and the search for a better way of life: a critical exploration of lifestyle migration. The Sociological Review, v. 57, n. 4,p. 608-625, 2009.

BRAUDEL, F.A dinâmica do capitalismo.2 ed. Lisboa: Editorial Teorema, 1986.

CANCLINI, N.G. A globalização Imaginada. São Paulo: Iluminuras, 2007.

GIDDENS, A. A trajetória do eu. In: GIDDENS, A.Modernidade e identidade.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2002. p.70-104. GIDDENS, A. Mundo em descontrole: o que a globalização está fazendo de nós. 3 ed. Rio de Janeiro: Record, 2003.

GLICK,N. et al.From Immigrant to Transmigrant: Theorizing Transnacional Migration. Anthropological Quarterly, v. 68, n. 1,p. 48-63, Jan. 1995.

HANNERZ, U. Transnational Connections. Culture, People and Places. Londres: SAGE, 1990. p. 237-251. Disponível em: http://tcs.sagepub.com Acesso em:fev. 2014.

HANNERZ, U. Fluxos, fronteiras, híbridos: palavras-chave da antropologia transnacional.Rio de Janeiro:Mana, v. 3, n. 1,abr. 1997. Disponível em:<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-93131997000100001&lng=en&nrm=iso>. Acessoem: 15 jan. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-93131997000100001. 2015.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 2004.

INGLIS, D., GIMLIN, I.Food globalizations: ironies ans ambivalences of food, cuisine and globality. In: INGLIS, D., GIMLIN, I.The globalization of food. New York: Berg, 2010. p. 3-42.

JOPPKE, C.; MORAWSKA E.Integrating immigrants in liberal nation-states: Policies and practices. In: JOPPKE, C.; MORAWSKA E. (eds.). Toward Assimilation and Citizenship: Immigration in Liberal Nation-States. Basingstoke: Palgrave Macmillan, 2003. p. 1-36.

KEARNEY.The Local and the Global: The Anthropology of Globalization and Transnationalism. Annual Review of Anthropology, v. 24,p. 547-565, 1995.

KING, A. A arquitetura, o capital e a globalização da cultura. In: FEATHERSTONE, M.(coord.). Cultura global: nacionalismo, globalização e modernidade. Petrópolis: Vozes, 1994. p. 421-437.

MASSEY, D.et al. Theories of International Migration: A Review and Appraisal. Population and Development Review, v. 19, n. 3, p. 431-466, 1993.

MILLER, D.et al. How the world changed social media. London: UCLPRESS, 2016. Disponível em:http://discovery.ucl.ac.uk/1474805/1/How-the-World-Changed-Social-Media.pd Acesso em:dez. 2016.

MINTZ, Sidney. Comida e Antropologia: uma breverevisão. RBCS, v. n. 2001.

NUTZENADEL, A.; TRENTMANN, F. Food and Globalization: Consumption, Markets and the Politics of the Modern World. Oxford: Berg, 2008.

ORTIZ, R. Mundialização e cultura. 2 ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

OSTENDORF, W.; FORTIJN,D. Amsterdam: gender and poverty. In: MUSTARD, S.; MURIE, A.; KESTELOOT, C.(eds.). Neighbourhoods of Poverty: Urban Social Exclusion and Integration in Europe. New York: Palgran Macmillan, 2006. p. 52-66.PHILLIPS, L. Food and globalization. Annual Review of Anthropology. v. 35, p.37-57. 2006.

POOLE, R. Nation and Identity. London: Routledge, 1999.

RAY, K. The migrant ́s table: meals and memories in Bengali-American households. Philadelphia: Temple University Press, 2004.

ROBBINS, B. Introduction Part I: Actually existing cosmopolitanism. In: CHEAH, P.; ROBBINS, B. (eds.). Cosmopolitics. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1998. p. 1–19.

ROCHA, C.P.V. Comida em uma cidade global: práticas alimentares de imigrantes transnacionais em Amsterdã. Tese(Doutorado Interdisciplinar em Ciências Humanas), Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina, 2017.

SASSEN, S. As cidades na economia mundial. São Paulo: Nobel, 1998.

SASSEN, S. Sociologia da globalização. Porto Alegre: Artmed, 2010.

SPAARGAREN, G. Sustainable consumption: a theoretical and environmental policy perspective. Society and Natural Resources, v. 16,p. 687-701, 2003.

TORKINGTON, K. Defining lifestyle migration. Dos Algarves,n.19. Revista da ESGHT/UAIg, 2010.

TRUZZI, O. M. S. Redes em processos migratórios. Tempo Social–Revista de Sociologia da USP, v.20, p. 199-218, 2008.

VAILATI, A.; RIAL, C. Migration of rich immigrants: gender, ethnicity and class. London: Palgrove MacMillan, 2016.

VELHO, G. Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas. 3.ed.Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

VERTOVEC, S.; COHEN, R. Introduction: Conceiving Cosmopolitanism. In: VERTOVEC, S.; COHEN, R. (eds).Conceiving cosmopolitanism: theory, context and practice Oxford: Oxford University Press, 2006. p. 1−22.

VERTOVEC, S.; COHEN, R. Transnationalism. New York: Routledge, 2009. WALLERSTEIN, I. El moderno sistema mundial. Cidade do México: Siglo Veinteuno Editores, 1979.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Rocha, C. P. V. da . (2021). Migrações Contemporâneas, comida e transnacionalismos a partir de uma Cidade Global. Cadernos CERU, 32(2), 97-115. https://doi.org/10.11606/issn.2595-2536.v32i2p97-115