Metapoesia na Elegia 1.3 de Tibulo

  • Daniel Bueno de Melo Serrano Professor de Língua Portuguesa
Palavras-chave: Tibulo, elegia latina, intertextualidade, metapoesia

Resumo

A obra elegíaca de Álbio Tibulo (55?-19? a.C.), poeta romano do chamado período augústeo, contém passagens que, por aludirem ao próprio fazer poético, podem ser classificadas como metapoéticas. Para investigar como se dá esse procedimento e quais são seus efeitos, este artigo se centra na terceira elegia do primeiro livro do autor e dispensa particular atenção à recorrência de termos polissêmicos que, segundo defendemos, podem ser lidos como referência ao gênero elegíaco e a outros gêneros poéticos. A análise é precedida por uma tradução integral em verso do poema.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Daniel Bueno de Melo Serrano, Professor de Língua Portuguesa
É formado em Jornalismo pela PUC-Campinas e em Letras pela Unicamp, onde desenvolveu, sob orientação da Profa. Dra. Isabella Tardin Cardoso, monografia sobre os aspectos metapoéticos na obra do elegíaco latino Álbio Tibulo. É professor de Língua Portuguesa na rede pública e particular de ensino.
Publicado
2016-04-18
Como Citar
Serrano, D. (2016). Metapoesia na Elegia 1.3 de Tibulo. Cadernos De Literatura Em Tradução, (15). Recuperado de https://www.revistas.usp.br/clt/article/view/114388
Seção
Não definida