REPRESENTAÇÕES DO FIGURAL FEMININO: ANTÔNIO VIEIRA E A DOUTRINA DOS ARQUÉTIPOS - PANDORA, EVA E AVE MARIA

  • Felipe Lima da Silva Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Palavras-chave: Arquétipos do Feminino, Padre Antônio Vieira, Literatura e Religião

Resumo

É evidente a retomada das referências à mulher em grande parte das manifestações artísticas ao longo da história da cultura e das religiões. A (sobre)vivência da figura do feminino, por sua vez, condicionou-se a formas diversas de representação –  da matriz greco-romana à era do Catolicismo ortodoxo ou, em outros termos, da figura de Pandora à de Eva, plasmando, no intervalo dos tempos, como forma digna de imitação dos costumes, a imagem da Virgem Maria. Aqui, proponho pinçar um momento particularmente interessante na historiografia literária luso-brasileira, examinando um sermão de Antônio Vieira, orador sacro dos mais admirados no século XVII, dirigido inteiramente às mulheres, para ilustrar as encenações do feminino sob o prisma do Cristianismo. Especificamente, analisarei um sermão pregado, em 1651, para as religiosas do Patriarca São Bernardo, no Convento de Odivelas, em Portugal, cuja unidade de sentido, operada sob a lógica pragmática, é estabelecer uma crítica aos hábitos das freiras que passavam horas do dia em frente ao espelho, objeto este que, para o sermonista em foco, é uma metonímia do “demônio mudo”, que seria muito mais astucioso que qualquer outro demônio, até mesmo do que a serpente que persuadiu Eva no Paraíso. Partindo desse pressuposto, podemos entrever deslocamentos e reciclagens da simbologia conceitual da hýbris como desmedida, uma vez que Vieira continuamente estabelece relações com o mundo do paganismo, demonstrando que as ações das esposas do Céu –  as freiras –  são execráveis, pois são frutos de duas correntes censuráveis: por um lado, essas ações são herança de Eva pecadora e, ao mesmo tempo, são dignas de repúdio, pois vão ao encontro de uma prática antissocrática carregada de exageros e imoralizações. No fio condutor de nossa leitura, a hýbris é simbolizada nas dobras da vanitas – vaidades e futilidades –  refletidas no espelho, significando um desacordo entre a vida no claustro e os costumes padrões de uma freira, que ultrapassa os limites do comportamento quando se empenha na ornamentação do invólucro carnal, esquecendo-se de embelezar a face da alma.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Lima da Silva, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Felipe Lima da Silva é graduado em Letras pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Mestre em Literatura Brasileira pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Desenvolve pesquisas no campo de estudos retórico-poéticos; retórica sacra; letras seiscentistas luso-brasileiras; Antônio Vieira; Gregório de Matos; século XVII ibérico.  

Referências

REFERÊNCIAS:

ALCIATO, Andrea. Emblemas. Edición de Santiago Sebastián. Madrid: Akal, 1993.

AUERBACH, Erich. Adão e Eva. In: Mímesis: a representação da realidade na literatura ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2013.

DELUMEAU, Jean. História do medo no Ocidente (1300-1800). Tradução de Maria Lúcia Machado. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

DIDI-HUBERMAN, Georges. Ouvris Vénus: nudité, revê, cruauté. Paris: Gallimard, 1999.

DIDI-HUBERMAN, Georges. L’ image ouvert: motifs de l’incarnation dans les arts visuels. Paris: Gallimard, 2007

HANSEN, João Adolfo. “Pedra e cal: o amor freirático na sátira luso-brasileira do século XVII”. In: Destiempos. México, Distrito Federal, marzo-abril 2008, Año 3, número 14, p. 554-565.

OLIVEIRA, Ana Lúcia de. “Entre o demônio mudo e as mulheres: Antônio Vieira e a crítica à vaidade feminina. In: Atas do XII Seminário Nacional e VI Seminário Internacional Mulher e literatura, UFRN, setembro, 2009.

PANOFSKY, Dora e Erwin. A caixa de pandora: as transformações de um símbolo mítico. Tradução de Vera Pereira. São Paulo: Companhia das Letras, 2009.

SILVA, Felipe Lima da. Imagem encarnada: encenações da mística plástica na sermonística de Antônio Vieira. In: Linguagem em (Re)vista. Vol. 10, n. 19. Niterói, jan.-jun./2015, p. 67-84. Disponível em: http://www.filologia.org.br/linguagememrevista/19/04.pdf

VIEIRA, Antônio. “Sermão do Demônio mudo”. In: Obra completa Padre Antônio Vieira: Sermões da Quaresma. vol. 3, Tomo II, São Paulo: Edições Loyola, 2015.

Publicado
2018-04-05
Como Citar
da Silva, F. (2018). REPRESENTAÇÕES DO FIGURAL FEMININO: ANTÔNIO VIEIRA E A DOUTRINA DOS ARQUÉTIPOS - PANDORA, EVA E AVE MARIA. Revista Desassossego, 9(18), 20-29. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v9i18p20-29