Durante muito tempo fomos dormir cedo: Proust, Barthes e Mário Cláudio contra Sainte-Beuve

Autores

  • Gustavo Listo Pereira Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p185-202

Palavras-chave:

Mário Cláudio, Gémeos, Narrativa portuguesa contemporânea, Roland Barthes, Marcel Proust

Resumo

Neste artigo, partimos das reflexões que Barthes desenvolveu em “Durante muito tempo fui dormir cedo” para analisaralgumas peculiaridades das vozes narrativas presentes no romance Gémeos, de Mário Cláudio. Com isso, tentamos, por um lado, evidenciar possíveis aproximações entre o livro do romancista português e a obra de Proust e, por outro, demonstrar que Gémeos pode ser lido como um texto que efetua um desvio na lógica ilusória da biografia – lógica esta que não apenas faz parte de muitas biografias e romances biográficos mais tradicionais, mas que também é pressuposta pelo biografismo, o método crítico de Sainte-Beuve criticado por Proust. Em nossa análise, procuramos mostrar também a pertinência do conceito de terceira forma de Barthes para a compreensão de algumas especificidades da tessitura do romance de Mário Cláudio. Guiados por esse objetivo, aplicamos o conceito à leitura de Gémeos e, com isso, buscamos indicar mais claramente que o romance de Mário Cláudio é uma obra que, assim como Em Busca do Tempo Perdido, investe em uma escrita que promove uma fissura nos limites entre o narrar e o argumentar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gustavo Listo Pereira, Universidade Federal Fluminense

Graduação em Letras e Mestrando em Estudos de Literatura na Universidade Federal Fluminense.

Referências

BARTHES, Roland. Aula. Trad. Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2004.

BARTHES, Roland. “Durante muito tempo, fui dormir cedo”. In: O rumor da língua. Trad. Mário Laranjeira. Prefácio de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Brasiliense, 1988.

CLARAC, Pierre. Introdução do editor francês. In: PROUST, Marcel. Contre Sainte-Beuve: notas sobre crítica e literatura. Trad. Haroldo Ramanzini. São Paulo: Iluminuras, 1988.

CLÁUDIO, Mário. Gémeos. Lisboa: Dom Quixote, 2004.

DOSSE, François. O Desafio Biográfico: escrever uma vida. Trad. Gilson César Cardoso de Souza. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2015.

HUGHES, Robert. Goya. Trad. Tuca Magalhães. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

PROUST, Marcel. Contre Sainte-Beuve: notas sobre crítica e literatura. Trad. Haroldo Ramanzini. São Paulo: Iluminuras, 1988.

RAUDA, Jamis. Frida Khalo. Trad. Luiz de Castro e Costa. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

MUSEO NACIONAL DEL PRADO, Goya dedicada à pintura Saturno. 2019. Disponível em: http://www.museodelprado.es/goya-en-el-prado/obras/ficha/goya/saturno-devorando-a-un-hijo/?tx_gbgonline_pi1%5Bgocollectionids%5D=6&tx_gbgonline_pi1%5Bgosort%5D=d. Acesso em 26 de out. de 2020.

MUSEO NACIONAL DEL PRADO, Goya dedicada a Tampoco, gravura 36 de Los Desastres de la Guerra. 2019. Disponível em: https://www.museodelprado.es/coleccion/obra-de-arte/tampoco/ ea76b5ed-b37d-4acc-ac95-e077d92e70bd. Acesso em 26 de out. de 2020.

Downloads

Publicado

2020-12-29

Como Citar

Pereira, G. L. (2020). Durante muito tempo fomos dormir cedo: Proust, Barthes e Mário Cláudio contra Sainte-Beuve. Revista Desassossego, 12(23), 185-202. https://doi.org/10.11606/issn.2175-3180.v12i23p185-202