O erudito em tempos de crise política: notas a partir de 'O Destino do erudito' de Fichte

  • Ronaldo Tadeu de Souza Universidade de São Paulo
Palavras-chave: Fichte, Erudito, Crise Política, Universidade, Humanidade

Resumo

O texto apresenta algumas reflexões sobre qual o papel do erudito nas sociedades humanas. De maneira mais específica procura-se verificar o que os eruditos podem fazer em momentos de crise política como a que a sociedade brasileira atravessa por exemplo. A obra chave para este texto é O destino do erudito de Fichte, articulada com algumas considerações históricas sobre a universidade e qual o estatuto do erudito na sua evolução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ronaldo Tadeu de Souza, Universidade de São Paulo

Departamento de Ciência Política da USP. Área de Pesquisa Teoria Política Contemporânea, Teoria das Ciências Humanas e Pensamento Social Brasileiro.

Referências

Amaral, N. C. (2005). “A Vinculação Avaliação/Financiamento na Educação Superior Brasileira”, Impulso, v. 16, pp. 81-91.
Arruda, M. A. do N. (1999). “A Nova Política da Pós-Graduação no Brasil”, Tempo Social, v. 11, n. 2, pp. 219-229.
Brown, W. (2011). “Neoliberalized Knowledge”, History of the Present, v. 1, n. 1, pp. 113-129.
Chaui, M. (1989). “Produtividade e Humanidades”, Tempo Social, v. 1, n. 2, pp. 45-71.
Correia, A. (1941). “A Universidade Medieval”, Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de São Bento, n. 2, pp. 13-42.
Domingues, I. (2011) “O Intelectual Público, a Ética Republicana e a Fratura do Éthos da Ciência”, Scientiae Studia, v. 9, n. 3, pp. 463-485.
Fichte, J. G. (2014). O Destino do Erudito. Tradução de R. Barbosa. São Paulo: Hedra.
Groppo, L. A. (2011). “Da Universidade Autônoma ao Ensino Superior Operacional: Considerações sobre a Crise da Universidade e a Crise do Estado Nacional”, Avaliação, v. 16, n. 1, pp. 37-55.
Keenny, K e Pinborg, J. (1982). “Medieval Philosophical Literature”. In: The Cambridge History of Later Medieval Philosophy, N. Kretzmann, et. al (ed.). Cambridge: Cambridge University Press.
Oliveira, T. (2007). “Origem e Memória das Universidades Medievais: a preservação de uma instituição educacional”, Varia História, v. 23, n. 37, pp. 113-119.
Pereira, E. M. de A. (2009). “A Universidade da Modernidade nos Tempos Atuais”, Avaliação, v. 14, n. 1, pp. 29-52.
Piché, C. (2010). “Fichte, Schleiermacher and W. von Humboldt on the Foundation of the University of Berlin”. In: Fichte, German Idealism, and Early Romanticism, D. Breazeale and T. Rockmore (ed.). Amsterdam - New York: Rodopi.
Santos, L. R. (2002). “O Espírito da Letra: sobre o conflito entre Fichte e Schiller a respeito da linguagem da filosofia e da natureza do estético”, Philosophica, v. 19/20, pp. 87-114.
Vaccari, U. R. (2015). “Os Deveres do Erudito: filosofia e oratória em Fichte”, Cadernos de Filosofia Alemã, v. 20, n. 2, pp. 87-103.
Vaz, H. L. (1966-72) “Fisionomia do Século XIII”, Kriterion, v. 191, n. 66, pp. 1-30.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Souza, R. (2020). O erudito em tempos de crise política: notas a partir de ’O Destino do erudito’ de Fichte. Discurso, 50(1), 167–182. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.143586
Seção
Artigos