Schopenhauer: crítica da razão e fundamentação do pessimismo

  • Dax Moraes Universidade Federal do Rio Grande do Norte, UFRN
Palavras-chave: Pessimismo, Valor, Princípio de razão, Criticismo, Representação

Resumo

O pessimismo pode ser encontrado sob diversas formas na obra de Schopenhauer, embora não haja para o pessimismo em geral uma definição precisa. Ele se mostra antes de tudo como uma espécie de valoração da existência tal como o otimismo, seu contrário. Procuro mostrar que o “pessimismo schopenhaueriano” não deve ser tomado como um pressuposto ou postulado acerca do ser originário, tampouco como mero resultado da experiência de vida. Pelo contrário, trata-se da consequência final da crítica da razão que leva à total refutação de toda e qualquer forma de dogmatismo defensor de uma razão para a existência do mundo. Essa consequência abrange todas as questões filosóficas, mas, segundo suas premissas epistemológicas, mantém-se como uma avaliação crítica dirigida ao mundo enquanto pensado sob o princípio de razão. Pode-se, então, dizer que esse “pessimismo” não consiste em uma doutrina filosófica sobre um mal metafísico substancial e impessoal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barboza, J. (2015). “Um livro que embriaga.” In: Schopenhauer, A. O mundo como vontade e como representação: tomo I. São Paulo: UNESP, pp. XIII-XXIV.
Cacciola, M. L. M. e O. (1994). Schopenhauer e a questão do dogmatismo. São Paulo: EDUSP.
Cartwright, D. E. (2005). Historical dictionary of Schopenhauer’s philosophy. Lanham (Maryland): Scarecrow.
Ciracì, F. (2017). “Metafisiche del nulla: Schopenhauer, i suoi discepoli e l’inconsistenza del mondo”, Consecutio Rerum: rivista critica della postmodernità. Roma, v. I, n. 2, pp. 99-114. Disponível em: < http://www.consecutio.org/wp-content/uploads/2017/04/ciraci.pdf >. Acesso em: 25 ago. 2018.
Debona, V. (2016). “Pessimismo e eudemonologia: Schopenhauer entre pessimismo metafísico e pessimismo pragmático”, Kriterion — Publicação da Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas da UFMG. Belo Horizonte, v. 57, n. 135, pp. 781-802. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/kr/v57n135/0100-512X-kr-57-135-0781.pdf >. Acesso em: 25 ago. 2018.
Fazio, D. M. (2007). “La ‘scuola’ di Schopenhauer: per la storia di un concetto.” In: Ciracì, F.; Fazio, D. M.; Pedrocchi, F. (Org.). Arthur Schopenhauer e la sua scuola. Lecce: Pensa MultiMedia, pp. 35-76.
Fazio, D. M. (2009). “La scuola di Schopenhauer: i contesti.” In: Fazio, D. M.; KOβLER, M.; Lütkehaus, L. (Org.). La scuola di Schopenhauer: testi e contesti. Lecce: Pensa MultiMedia, pp. 13-212.
Fazio, D. M. (2014). “La controversia sul pessimismo.” In: Eco, U.; Fedriga, R. (Org.). Storia della Filosofia: 3 — Ottocento e Novecento. Roma: Laterza, pp. 94-98.
Fazio, D. M. (2018). “La scuola di Schopenhauer attraverso il carteggio con i discepoli.” In: Schopenhauer, A. Carteggio con i discepoli. Ed. Trad. Domenico M. Fazio. Lecce: Pensa MultiMedia, pp. 1-137.
Japiassú, H.; Marcondes, D. (1996). “Otimismo/pessimismo.” In: Japiassú, H.; Marcondes, D. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. rev. ampl. Rio de Janeiro: J. Zahar, pp. 203-204.
Leibniz, G. W. (2004). Discurso de metafísica e outros textos. São Paulo: M. Fontes.
Lindner, E. O. (2009) “La filosofìa tedesca all’estero.” (Tradução anotada do artigo de John Oxenford, “Iconoclasm in German philosophy”). In: Fazio, D. M.; KOβLER, M.; Lütkehaus, L. (Org.). La scuola di Schopenhauer: testi e contesti. Lecce: Pensa MultiMedia, pp. 263-289.
Malter, R. (2009) “Il pessimismo: un concetto critico.” In: Fazio, D. M.; KOβLER, M.; Lütkehaus, L. (Org.). La scuola di Schopenhauer: testi e contesti. Lecce: Pensa MultiMedia, pp. 624-635.
Moraes, D. (2017b). “A inocência da Vontade.” In: Correia, A.; Debona, V.; Tassinari, R. (Org.). Hegel e Schopenhauer. São Paulo: ANPOF, pp. 276-287. Disponível em: < http://www.anpof.org/portal/images/CAPAS_2017/hegelschopenhauer-FINAL.pdf >. Acesso em: 25 ago. 2018.
Nietzsche, F. (1992). O nascimento da tragédia, ou helenismo e pessimismo. Trad. J. Guinsburg. São Paulo: Companhia das Letras.
Nietzsche, F. (2001) A gaia ciência. Trad. Paulo César de Souza. São Paulo: Companhia das Letras.
Rosset, C. (1994). Schopenhauer, philosophe de l’absurde. 2. ed. Paris: PUF.
Schopenhauer, A. (1877a). Sämtliche Werke. V. III. Ed. Julius Frauenstaedt. Leipzig: Brockhaus.
Schopenhauer, A. (1877b). Sämtliche Werke. Vol. IV. Ed. Julius Frauenstaedt. Leipzig: Brockhaus.
Schopenhauer, A. (2001a). Sobre o fundamento da moral. Pref. Alain Roger. Trad. Maria Lúcia Mello Oliveira Cacciola. São Paulo: M. Fontes.
Schopenhauer, A. (2001b). Schopenhauer im Kontext: Werkausgabe I. Berlin: Karsten Worm — InfoSoftWare, 1 CD-ROM.
Schopenhauer, A. (2014a). O mundo como vontade e representação: tomo II — complementos. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: UFPR, v. 1.
Schopenhauer, A. (2014b). O mundo como vontade e representação: tomo II — complementos. Trad. Eduardo Ribeiro da Fonseca. Curitiba: UFPR, v. 2.
Schopenhauer, A. (2015a). O mundo como vontade e como representação: tomo I. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP.
Schopenhauer, A. (2015b). O mundo como vontade e como representação: tomo II. Trad. Jair Barboza. São Paulo: UNESP.
Schopenhauer, A. (2018). Carteggio con i discepoli. Ed. Trad. Domenico M. Fazio. Lecce: Pensa MultiMedia.
Troxell, M. “Arthur Schopenhauer (1788-1860)”. In: Fieser, J.; Dowden, B. (Ed.). Internet Encyclopedia of Philosophy. Disponível em: < http://www.iep.utm.edu/schopenh/ >. Acesso em: 25 ago. 2018.
Wicks, R. “Arthur Schopenhauer.” In: Zalta, E. N. (Ed.). The Stanford Encyclopedia of Philosophy. Summer 2017 Edition. Disponível em: < https://plato.stanford.edu/archives/sum2017/entries/schopenhauer/ >. Acesso em: 25 ago. 2018.
Publicado
2020-06-28
Como Citar
Moraes, D. (2020). Schopenhauer: crítica da razão e fundamentação do pessimismo. Discurso, 50(1), 133–152. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.171573
Seção
Artigos