Da Fórmula Porchat: conflito das filosofias, vontade de incredulidade, decidibilidade

Autores

  • Renato Lessa Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.181221

Resumo

A Fórmula Porchat — ou seja, a intuição de um conflito das filosofias de caráter indecidível – possui papel tanto propedêutico quanto compulsório para um tratamento não dogmático da história dos sistemas filosóficos. Ao mesmo tempo em que reconhece tal papel, o presente artigo pretende indicar o caráter problemático da correspondência entre “conflito das filosofias” e “indecidibilidade filosófica”. Para tal, sustenta que o sentimento de indecidibilidade filosófica tem como referência impensada uma nostalgia da decidibilidade. O artigo sugere, ainda, o abandono do tema da indecidibilidade, como um falso problema filosófico, e sustenta a necessidade de considerar os efeitos da prática filosófica sobre a configuração da vida comum e de tomar tais efeitos como formas de decidibilidade. Para tal é necessário considerar a atividade filosófica como inscrita no campo maior da manufatura da experiência humana.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Annas, J. e Barnes, J. (1985). The Modes of Scepticism: Ancient Texts and Modern Interpretation. Cambridge: Cambridge University Press.

Barnes, J. e Lawrence, G. (ed.) (1984). “Fragments”, in: The Complete Works of Aristotle, v. II. Princeton: Princeton University Press.

Goodman, N. (1995). “Palavras, obras, mundos”, in: Modos de Fazer Mundos, Por-to: Edições ASA, p. 37-61.

Lacoue-Labarthe, P. (1987). La fiction du politique, Paris: Christian Bourgois.

Lessa, R. (1997). Veneno Pirrônico: ensaios sobre o ceticismo, Rio de Janeiro: Fran-cisco Alves.

Marcondes, D. (2019). Raízes da Dúvida: ceticismo e filosofia moderna. Rio de Janeiro: Zahar.

Michel de Montaigne. (2002). Ensaios. vol. II. São Paulo: Martins Fontes.

Momigliano, A. (1991). Os Limites da Helenização: a interação cultural das civili-zações grega, romana, céltica, judaica e persa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Porchat Pereira, O. (1975). “Prefácio a uma filosofia”, in: Discurso, 5(6), p. 105-132.

Porchat Pereira, O. (1993). Vida comum e ceticismo. São Paulo: Ed. Brasiliense.

Porchat Pereira, O. e Prado Jr., B. (1981). A Filosofia e a Visão Comum do Mundo. São Paulo: Brasiliense.

Porchat Pereira, O. (2006). Rumo ao ceticismo. São Paulo: Ed. Unesp.

Primo Levi. (2016). Racconti e Saggi, in: Opere Complete de Primo Levi II, Torino: Einaudi.

Sexto Empírico. (1986). Outlines of Pyrrhonism, in Works, vol. I. Cambridge: Har-vard University Press.

Wittgenstein, L. (1969). On Certainty. Oxford: Blackwell.

Wittgenstein, L. (1979). Investigações filosóficas. Tradução de José Bruni, Coleção Os pensadores. São Paulo: Ed. Abril.

Wittgenstein, L. (1998). Notas Filosóficas, in Fernando Gil (ed.) Modos da Evidên-cia. Lisboa: Imprensa Nacional/Casa da Moeda.

Downloads

Publicado

2020-12-09

Como Citar

Lessa, R. (2020). Da Fórmula Porchat: conflito das filosofias, vontade de incredulidade, decidibilidade. Discurso, 50(2), 7-24. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2020.181221