Da enunciação da verdade ao enunciado do gozo: o mito

Autores

  • Cláudio Oliveira Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2007.38081

Palavras-chave:

saber, verdade, gozo, Lacan, Hegel, Heidegger

Resumo

Em seu Seminário XVII, O avesso da psicanálise, há duas afirmações de Lacan sobre o mito. A primeira é a de que o mito é um saber como verdade; segunda: o mito é um enunciado do impossível. Não me parece imediatamente evidente como estas duas afirmações podem ser articuladas. Tentarei, assim, chegar à segunda afirmação partindo da primeira, mas farei também o esforço de mostrar como a passagem de uma à outra é necessária, e como ela se dá ao longo do percurso de Lacan. Nesse percurso serão importantes pequenas passagens por Hegel, Platão e Heidegger. O percurso que se realiza entre as duas dimensões do mito é um percurso que vai da enunciação da verdade ao enunciado do gozo. Para que esse percurso pudesse ser feito, Lacan teve que acrescentar ao par hegeliano, saber e verdade, um terceiro elemento, o gozo – um elemento ausente nos primeiros anos de seu ensino.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cláudio Oliveira, Universidade Federal Fluminense

Professor de Filosofia da Universidade Federal Fluminense

Downloads

Publicado

2007-06-09

Como Citar

Oliveira, C. (2007). Da enunciação da verdade ao enunciado do gozo: o mito. Discurso, (36), 273-286. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8863.discurso.2007.38081

Edição

Seção

Nao definda