Modelagem do uso da terra e efeitos de mudanças na produtividade agrícola entre 2008 e 2015

Palavras-chave: Uso da Terra, Produtividade Agrícola, Modelo EGC

Resumo

O artigo apresenta os resultados dos efeitos sistêmicos da mudança no padrão da produtividade agrícola entre 2008 e 2015. Para isso foi utilizado um modelo de equilíbrio geral computável (EGC) com especificação detalhada do uso da terra. Tal análise representa avanços no sentido de contribuir tanto para a modelagem econômica com uso da terra quanto na investigação dos impactos econômicos sistêmicos da mudança no padrão espacial da produtividade agrícola no Brasil. Os resultados indicaram que essa mudança teve efeitos positivos sobre o PIB real nacional e da maioria dos estados, contribuindo também para a redução das disparidades regionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Weslem Rodrigues Faria, Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Economia

Weslem Rodrigues Faria é Professor Adjunto do Departamento de Economia da Universidade Federal de Juiz de Fora, onde atua na graduação e na pós-graduação, lecionando cursos na área de Métodos Quantitativos, Economia Matemática e Análise Multivariada. Tem participado de estudos técnicos sobre avaliação e projeção de finanças públicas estaduais/locais e suas implicações para o desenvolvimento regional.

A principal área de atuação reside na análise regional com especial interesse no desenvolvimento de modelos para avaliar políticas e fenômenos em economia real. Os instrumentos analíticos mais utilizados são baseados em modelos de equilíbrio geral, econometria e análise multivariada. As áreas de pesquisa são economia agrícola e do meio ambiente, energia, transporte e comércio internacional com ênfase nas questões setoriais e regionais.

Eduardo Amaral Haddad, Universidade de São Paulo. Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo

Professor Titular do Departamento de Economia da FEA/USP, onde atua na graduação e na pós-graduação, lecionando cursos na área de Economia Regional e Urbana e Equilíbrio Geral Aplicado. 

Sua principal linha de pesquisa inclui-se no campo de análise regional, com especial interesse na especificação, implementação e aplicação de modelos econômicos interregionais. Em seus trabalhos, tem tido a preocupação em utilizar estes instrumentais analíticos para formulação e avaliação de políticas econômicas, com especial interesse no caso brasileiro.

A questão regional, em que se consideram a distribuição da atividade e da renda no espaço econômico nacional e suas interações espaciais, tem sido a linha mestra de sua produção acadêmica, desde suas primeiras incursões, ainda na graduação, até os trabalhos mais recentes.

Referências

Adams, P. 2002. “Medium-term forecasts of energy usage: an application of the MMRF-GREEN tops-down model”. Centre of Policy Studies and IMPACT Centre, Monash University.
Almeida, E. S., Perobelli, F. S., Ferreira, P. G. C. 2008. “Existe convergência espacial da produtividade agrícola no Brasil?” Revista de Economia e Sociologia Rural (46)1: 31-52.
Armington, P. 1969. “A theory of demand for products distinguished by place of production”. International Monetary Fund Staff Papers 16: 159-178.

Arrow, J. K., Hahn, F. H. 1971. “General competitive analysis”. San Francisco: Holden-Day.

Banse, M., Van Meijl, H., Tabeau, A., Woltjer, G. 2008. “Will EU biofuel policies affect global agricultural markets?” European Review of Agricultural Economics 35(2): 117-141.
Barbier, E. 2001. “The economics of tropical deforestation and land use: an introduction to the special issue” Land Economics 77(2): 155-171.
Berndt, E., Christensen, L. 1974. “Testing for the existence of a consistent aggregate index of labor inputs” The American Economic Review 64(3): 391-404.
Bonelli, R., Fonseca, R. 1998. “Ganhos de produtividade e de eficiência: novos resultados para a economia brasileira” Texto para discussão. Rio de Janeiro: IPEA, n. 557.
Burniaux, J.-M. 2002. “Incorporating carbon sequestration into CGE models: a prototype GTAP model with land use” West Lafayette: Center for Global Trade Analysis.
Burniaux, J.-M., Truong, T. 2002. “GTAP-E: An energy environmental version of the GTAP model” GTAP Technical Paper. West Lafayette: Center for Global Trade Analysis, n. 16.
Carvalho, T. S. 2014. “Uso do solo e desmatamento nas regiões da Amazônia legal brasileira: condicionantes econômicos e impactos de políticas públicas” Belo Horizonte 219 p. Tese (Doutorado em Economia) — Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional da Faculdade de Ciências Econômicas (CEDEPLAR), Universidade Federal de Minas Gerais.
Cattaneo, A. 2001. “Deforestation in the Brazilian Amazon: comparing the impacts of macroeconomic shocks, land tenure, and technological change” Land Economics 77(2): 219-240
Chenery, H. 1956. “Interregional and international input-output analysis” In: BARNA, Tibor (Ed.). The structure interdependence of the economy. New York: Wiley, p. 341-356.
Conti, B. M., Roitman, F. B. 2011. “Pronaf: uma análise da evolução das fontes de recursos utilizadas no programa”. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, n. 35.
Darwin, R., Tsigas, M., Lewandrowski, J., Raneses, A. 1995. “World agriculture and climate change: economic adaptations” Agricultural Economic Report. Washington: USDA, n. 703.
Darwin, R., Tsigas, M., Lewandrowski, J., Raneses, A. 1996. “Land use and cover in ecological economics” Ecological Economics (17): 157-181.
Dixon, P., Rimmer, M. 2002. “Dynamic general equilibrium modeling for forecasting and policy: a practical guide and documentation of MONASH” Amsterdam: North-Holland.
Dixon, P., Rimmer, M. 1998. “Forecasting and policy analysis with a dynamic CGE model of Australia” Working Paper. Melbourne: Centre of Policy Studies and IMPACT Centre, Monash University, op-90.
Domingues, E. P., Magalhães, A. S., Ricardo, R. M. 2008. “Cenários de mudanças climáticas e agricultura no Brasil: impactos econômicos na região Nordeste” Texto para discussão. Belo Horizonte: CEDEPLAR, n. 340.
Faria, W. R., Haddad, E. A. 2014. “Estimação das elasticidades de substituição do comércio regional do Brasil” 24(1): 141-168.
Ferreira Filho, J. B. S, Ribera, L., Horridge, M. 2015. “Deforestation Control and Agricultural Supply in Brazil” American Journal of Agricultural Economics 97: 589-601.
Ferreira Filho, J. B. S, Horridge, M. 2014. “Ethanol expansion and indirect land use change in Brazil” Land Use Policy 36: 595-604.
Haddad, E. A. 1999. “Regional inequality and structural changes: lessons from the Brazilian Economy”. Ashgate: Aldershot.
Haddad, E. A., Domingues, E. P., Perobelli, F. S. 2009. “Avaliação de impactos de mudanças climáticas sobre a economia brasileira”. Relatório de Pesquisas. São Paulo: Universidade de São Paulo, Instituto de Pesquisas Econômicas (IPE).
Heistermann, M., Müller, C., Ronneberger, C. 2006. “Land in sight?: achievements, deficits and potentials of continental to global scale land-use modeling” Agriculture, Ecosystems and Environment 114: 141-158.
Hertel, T. 1997. “Global trade analysis: modeling and applications”. Cambridge and New York: Cambridge University Press.
Hertel, T., Rose, S., Tol, R. S. J. 2008. “Land use in computable general equilibrium models: an overview”. GTAP Working Paper. West Lafayette: Center for Global Trade Analysis, n. 39.
Hertel, T., Tyner, W. E., Birur, D. K. 2010. “The global impacts of biofuel mandates” The Energy Journal 31(1): 75-100.
Horridge, M. 2003. “ORANI-G: a generic single-country computable general equilibrium model”. Clayton: Centre of Policy Studies and Impact Project, Monash University.
Hinchy, M., Hanslow, K. 1996. “The MEGABARE model: interim documentation. Australian Bureau of Agricultural and Resource Economics”. Disponível em: . Acesso em 15 de janeiro de 2012.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. “Agência IGBE”. Disponível em: < https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-sala-de-imprensa/2013-agencia-de-noticias/releases/20166-pib-avanca-1-0-em-2017-e-fecha-ano-em-r-6-6-trilhoes.html >. Acesso em 05 de março de 2018.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. “Produção Agrícola Municipal”. Rio de Janeiro. 2016. Disponível em: . Acesso em: 18 de julho de 2016.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. “Censos Agropecuários 1995-1996 e 2006”. Rio de Janeiro. 2012. Disponível em: < http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/agropecuaria/censoagro/default.shtm>. Acesso em: 12 de janeiro de 2012.
IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. “Tabelas - 2015 Sistema de Contas Nacionais: Brasil”. 2017. Disponível em: . Acesso em: 28 de fevereiro de 2018.
IPEADATA. Disponível em: http://www.ipeadata.gov.br/. Acesso em: 18 de julho de 2016.
Johansen, L. 1960. “A multi-sectoral study of economic growth”. Second enlarged edition. North Holland/American Elsevier.
Lambin, E. Geist, H. J., Lepers, E. 2003. “Dynamics of land-use and land-cover change in tropical regions” Annual Review of Environment and Resources 28: 205-41.
Lee, H. -L. 2004. “Incorporating Agro-Ecologically Zoned Land Use Data and Land-based Greenhouse Gases Emissions into the GTAP Framework”. West Lafayette: Center for Global Trade Analysis.
MDIC. Ministério da Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços. Sistema AliceWeb. Disponível em: . Acesso em: 04 de outubro de 2016.
Moraes, G. I. 2010. “Efeitos econômicos de cenários de mudanças climáticas na agricultura brasileira: um exercício a partir de um modelo de equilíbrio geral computável”. Piracicaba. 277 p. Tese (Doutorado em Economia Aplicada) — Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz” (ESALQ), Universidade de São Paulo.
Moreira, A. R. B., Helfand, S. M., Figueiredo, A. M. R. 2007. “Explicando as diferenças na produtividade agrícola no Brasil”. Texto para discussão. Rio de Janeiro: IPEA, n. 1254.
Moses, L. 1955. “The stability of interregional trading patterns and input-output analysis” The American Economic Review 45(5): 803-832.
Ozaki, V. 2008. “Análise espacial da produtividade agrícola no Estado do Paraná: implicações para o seguro agrícola” Revista de Economia e Sociologia Rural, Piracicaba 46(3): 869-886.
Perobelli, F. S., Almeida, E. S., Alvim, M. I. S. A., Ferreira, P. G. C. 2007. “Produtividade do setor agrícola brasileiro (1991-2003): uma análise espacial” Nova Economia 17(1): 65-91.
Santos, G. F. 2010. “Política energética e desigualdades regionais na economia brasileira”. São Paulo. 192 p. Tese (Doutorado em Teoria Econômica) — Instituto de Pesquisas Econômicas (IPE), Universidade de São Paulo.
Van Meijl, H., Van Rheenen, T., Tabeau, A., Eickhout, B. 2006. “The impact of different policy environments on agricultural land use in Europe” Agriculture, Ecosystems and Environment 114: 21-38.
Publicado
2019-03-11
Seção
Artigo