Novas medidas de educação e de desigualdade educacional para a primeira metade do século XX no Brasil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41614943bnpl

Palavras-chave:

Educação, Desigualdade, Índice de Gini

Resumo

Este artigo descreve a trajetória do nível e da desigualdade educacional no Brasil desde a primeira metade do século XX. Combinamos diversas fontes de dados históricos, tais como os relatórios do Ministério de Negócios do Império, os Anuários Estatísticos do Brasil e os Censos Demográficos para construir novas medidas de escolaridade e calcular índices de Gini educacional entre 1900 e 2000 para cada região e para o Brasil como um todo. Nossos resultados mostram que entre 1900 e 1930, a proporção de pessoas com ensino primário completo na população permaneceu em torno de 5%, ao passo que a parcela com ensino secundário completo esteve sempre abaixo de 1% e que somente 0,3% tinham ensino superior completo. Assim, a desigualdade educacional permaneceu constante até 1920, declinou lentamente entre 1920 e 1950 e mais rapidamente somente a partir de então.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Acemoglu, D., Johnson, S., e Robinson, J. A. 2001. The Colonial Origins of Comparative Development: An Empirical Investigation. American Economic Association, 91(5): 1369-1401.
Anazawa, L. S. 2011. Análise da Queda na Participação no Ensino Superior. Universidade de São Paulo: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade. Mimeo.
Barro, R. J.; Sala-i-Martin; X. 1992. Convergence. Journal of Political Economy, 100(2): 223-251.
Barros, A. R. 2011. Desigualdades Regionais no Brasil: Natureza, causas, origens e soluções. Rio de Janeiro: Elsevier.
Camps, Enriqueta, e Stanley L. Engerman. 2014. The Impact of Race and Inequality on Human Capital Formation in Latin America during the Nineteenth and Twentieth Centuries. Departament of Economics and Business, Universitat Pompeu Fabra, Economics Working Papers 1436.
Central Intelligence Agency (CIA). 2013. The World Factbook 2013-14. Washington, DC: Central Intelligence Agency.
Colistete, R. P. 2016. O Atraso em Meio à Riqueza: uma história econômica da educação primária em São Paulo, 1835 a 1920. Mimeo.
Cowell, F. A. 2009. Measuring Inequality. LSE Perspectives in Economic Analysis. Oxford, UK: Oxford University Press.
Cutler, D. e Deaton, A.; Lleras-Muney, A. 2006. The Determinants of Mortality. Journal of Economic Perspectives, 20(3): 97-120.
Dabla-Norris, Era, Kalpana Kochhar, Frantisek Ricka, Nujin Suphaphiphat e Evridik Tsounta. 2015. Causes and Consequences of Income Inequality: A Global Perspective. International Monetary Fund, Staff Discussion Note.
De Ferrenti, D., Perry, G. E., Ferreira, F. H. G. e Walton, M. 2004. Inequality in Latin America: Breaking with History? World Bank Latin American and Caribbean Studies; Washington, DC: World Bank.
Directoria Geral de Estatistica. 1875. Relatorio Annexo ao do Miniterio dos Negocios do Imperio, de 1875. Rio de Janeiro: Typographia de Pinto, Brandão e Comp.
Diretoria Geral de Estatística (DGE). Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1912-1936.
Ferreira, F. H. G. 2000. Os determinantes da desigualdade de renda no Brasil: Luta de classes ou heterogeneidade educacional? In Desigualdade e pobreza no Brasil, organizado por Ricardo Henriques, 131-158, Rio de Janeiro: IPEA.
Földvári, P., e Van Leeuwen, B. 2014. Educational and Income Inequality in Europe, ca. 1870-2000. Cliometrica, 8(3): 271-300.
Frankema, E. 2009. The Expansion of Mass Education in Twentieth Century Latin America: a Global Comparative Perspective. Journal of Iberian and Latin American Economic History, 27(3): 359-395.
Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (SEADE). 2010. Memória das Estatísticas Demográficas. Disponível em: <http://produtos.seade.gov.br/produtos/500anos/index.php?tip=prir>. Acesso em julho de 2016.
Guizzardi Filho, O., Silva, Z. P. da, e Sidney, I. E. P. 2003. Anuários estatísticos: retratos de diferentes épocas. São Paulo em Perspectiva, 17(3-4): 45-54.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1938-1962. Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2006. Estatísticas do Século XX. Rio de Janeiro: IBGE.
Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 2012. Trabalho e Rendimento Educação e Deslocamento. Rio de Janeiro: IBGE.
Instituto Nacional de Estatística. 1936-1937. Anuário Estatístico do Brasil. Rio de Janeiro: Tip do Departamento de Estatística de Publicidade.
Kang, T. H. 2010. Instituições, Voz Política e Atraso Educacional no Brasil 1930-1964. Dissertação de Mestrado em Economia, IPE-USP, São Paulo.
Kang, T. H. 2018. Education and Development Projects in Brazil, 1932-2004: a critique. Brazilian Journal of Political Economy, 38(4): 766-780.
Lam, D., e Levison, D. 1991. Declining Inequality in Schooling in Brazil and its Effects on Inequality in Earnings. Journal of Development Economics, 37(1-2): 199-225.
Lam, D., Leibbrandt, M., e Finn, A. 2015. Schooling Inequality, Returns to Schooling, and Earnings Inequality: Evidence from Brazil and South Africa. 10th IZA/World Bank Conference on Employment and Development, Bonn, Germany.
Langoni, C. G. 1973. A Distribuição de Renda e Desenvolvimento Econômico no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Expressão e Cultura.
Lee, J.-W., e Lee, H. 2016. Human Capital in the Long Run. Journal of Development Economics, 122: 147-169.
Leff, N. H. 1972. Desenvolvimento Econômico e Desigualdade Regional: origens do caso brasileiro. Revista Brasileira de Economia, 26(1): 3-21.
Lorel, B. 2008. Assessing Brazilian Educational Inequalities. Revista Brasileira de Economia, 62(1): 32-65.
Lustig, N, Lopez-Calva, L. F., e Ortiz-Juarez, E. 2013. Declining Inequality in Latin America in the 2000s: The Cases of Argentina, Brazil, and Mexico. World Development, 44: 129-141.
Marcílio, M. L. 2005. História da Escola em São Paulo e no Brasil. São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, Instituto Fernand Braudel.
Ministério da Agricultura, Industria e Commercio. Directoria Geral de Estatistica. 1916. Annuario Estatistico do Brazil – 1º Anno (1908-1912). Rio de Janeiro: Typographia, vol. 1.
Musacchio, A., Martinez, A., e Viarengo, M. 2014. Colonial Institutions, Commodity Boom, and the Diffusion of Elementary Education in Brazil, 1889-1930. National Bureau of Economic Research, NBER Working Paper 20029. Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w20029>. Acesso em maio de 2016.
Reis, J. G. A, e Barros, R. P. de. 1991. Wage Inequality and the Distribution of Education: a study of the evolution of the regional differences in inequality metropolitan Brazil. Journal of Development Economics, 36(1): 117-143.
Rocha, R., Ferraz, C., e Soares, R. R. 2015. Human Capital Persistence and Development. The Institute for the Study of Labor, Discussion Paper 9101. Disponível em: < http://ftp.iza.org/dp9101.pdf>. Acesso em maio de 2016.
Secretaria D’Estado dos Negocios do Imperio. 3ª Directoria. Secção de Estatística. 1887. Trabalhos da Secção de Estatística Anexxa a 3ª Directoria da Secretaria d’Estado dos Negocios do Imperio, Anno de 1886. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional.
Souto, R. D. 2012. O Anuário Estatístico do Brasil e as informações sobre educação e saúde. Estatística e Sociedade, Porto Alegre, 2: 157-174.
Stoops, N. S. 2006. A Half-Century of Learning: Historical Census Statistics on Educational Attainment in the United States, 1940 to 2000. U. S. Census Bureau, Population Division. Disponível em: <https://www.census.gov/hhes/socdemo/education/data/census/half-century/files/US.pdf>. Acesso em: abr. 2016.
Thomas, V., Wang, Y., e Fan, X. 2001. Measuring education inequality: Gini coefficients of education. World Bank Publications.
Tsounta, E., e Osueke, A. I. 2014. What is Behind Latin America’s Declining Income Inequality? IMF Working Paper WP/14/124.
Van Leeuwen, B., e Leeuwen-Li, J. V. 2015. Educational Inequality Gini Coefficient, http://hdl.handle.net/10622/KORKQW, IISH Dataverse, v. 1.
Van Leeuwen, B., Leeuwen-Li, J. V., e Földvari, P. 2013. Average Years of Education (Average, total Population 15 years and older), 1850-2010. Disponível em: <https://www.clio-infra.eu/>. Acesso em julho de 2016.
Williamson, J. G. 2015. Latin America Inequality: Colonial Origins, Commodity Booms, or a Missed 20th Century Leveling? National Bureau of Economic Research (NBER Working Paper no. 20915). Disponível em: <http://www.nber.org/papers/w20915>. Acesso em maio de 2016.

Downloads

Publicado

2019-12-01

Edição

Seção

Artigo