O efeito do Bolsa Família sobre a distorção idade-série

Autores

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-41615125jgp

Palavras-chave:

Distorção Idade Série, PBF, Educação

Resumo

Em 2019, a taxa de distorção idade-série foi de 23,4% e 26,2% para os anos finais do ensino fundamental e do ensino médio, respectivamente. As elevadas taxas de distorção idade-série (TDI) reduzem a escolarização e elevam os custos decorrentes do atraso escolar. O objetivo desse trabalho é estimar o efeito do Programa Bolsa Família (PBF) sobre a distorção idade-série. Foram utilizados os microdados do Suplemento Educação da Pesquisa Nacional de Amostras por Domicílio Contínua, referente ao 2º Trimestre dos anos de 2016 a 2019, e a técnica utilizada foi o Propensity Score Matching (PSM). Os resultados mostraram que participar do PBF reduz entre 2,23 e 6,02 p.p. a TDI. Os efeitos são maiores para os meninos, redução entre 3,99 e 7,22 p.p., e na região Centro-Oeste, cuja redução foi de 11,1 p.p. Os resultados nos levaram a concluir que o PBF gera efeitos positivos sobre indicadores educacionais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Jorge Holanda Alves, Universidade Católica de Brasília

Doutorando

Referências

Amaral, E. F. L. e Monteiro, V. P. 2013. “Avaliação de impacto das condicionalidades de educação do Programa Bolsa Família (2005 e 2009)”. Dados, v. 56, no. 3: 531–570.

Araújo, F. R. et al. 2015. “Uma avaliação do Índice de Gestão Descentralizada do Programa Bolsa Família”. Revista de Administração Pública, v. 49. no. 2: 367–393.

Araújo, G. S., Ribeiro, R. e Neder, H. D. 2010. “Impactos do Programa Bolsa Família sobre o trabalho de crianças e adolescentes residentes na área urbana em 2006”. Revista Economia, v. 11. no. 4: 57–102.

Becker, G. S. e Tomes, N. 1979. “An equilibrium theory of the distribution of income and intergenerational mobility”. Journal of Political Economy, v. 87. no. 6: 1153–1189.

Bissoli, A. C. S. 2007. “Evasão escolar: o caso do colégio estadual Antônio Francisco Lisboa”. Maringá - SEAP. Acesso feito em: 25 de janeiro de 2020 http://www.repositorio.seap.pr.gov.br/arquivos/file/artigos/educaçao/ evasao_escolar.pdf

Caliendo, M. e Kopeinig, S. 2008. “Some practical guidance for the implementation of propensity score matching” Journal of Economic Surveys, v. 22, no. 1: 31–72.

Camargo, P. C. e Pazello, E. T. 2014.”Uma análise do efeito do Programa Bolsa Família sobre o desempenho médio das escolas brasileiras”. Economia Aplicada, v. 18, no. 4: 623–640.

Cavalcanti, D. M. et al. 2016. “Impacts of Bolsa Família Programme on income and working offer of the poor famílies: an approach using the treatment of quantile effect”. Economia Aplicada, v. 20, no. 2: 173.

Cechin, L. A. W. et al. 2015. “O impacto das regras do Programa Bolsa Família sobre a fecundidade das beneficiárias”. Revista Brasileira de Economia, v. 69, no. 3: 303–329.

Chitolina, L., Foguel, M. N. e Menezes Filho, N. A. 2016. “The impact of the expansion of the Bolsa Família Program on the time allocation of youths and their parents”. Revista Brasileira de Economia, v. 70, no. 2.

Cunha, D. A. et al. 2013.”Irrigação como estratégia de adaptação de pequenos agricultores às mudanças climáticas: aspectos econômicos”. Revista de Economia e Sociologia Rural, v. 51, no. 2: 369–386.

De Brauw, A. et al. 2015. “The impact of Bolsa Família on schooling”. World Development, v. 70: 303–316.

Diprete, T. A. e Gangl, M. 2004. “Assessing Bias in the estimation of causal effects: Rosenbaum Bounds on matching estimators and instrumental variables estimation with imperfect instruments”. Sociological Methodology, v. 34, no. 1: 271–310.

Ferreira, S. G. e Veloso, F. A. 2003. “Mobilidade intergeracional de educação no Brasil”. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 33, no. 3: 481–513.

Glewwe, P. e Kassouf, A. L. 2012. “The impact of the Bolsa Escola/Familia conditional cash transfer program on enrollment, dropout rates and grade promotion in Brazil”. Journal of Development Economics, v. 97, no. 2: 505–517.

Hanushek, E. A. e Woessmann, L. 2008. “The role of cognitive skills in economic developmen”t. Journal of economic literature, v. 46, no. 3: 607–668.

Machado, D. C. e Gonzaga, G. 2007. “O impacto dos fatores familiares sobre a defasagem idade-série de crianças no Brasil”. Revista Brasileira de Economia, v. 61, no. 4: 449–476.

Mazumder, B. 2005. “Fortunate sons: new estimates of intergenerational mobility in the United States using social security earnings data”. The Review of Economics and Statistics, v. 87, no. 2: 235–255.

Moreira, G. C. et al. 2016. “Programa Bolsa Família e violência doméstica contra a mulher no Brasil”. Estudos Econômicos, v. 46, no. 4: 973–1002.

Myrdal, G. 1975. “The equality issue in world development”. The Swedish Journal of Economics, v. 77, no. 4: 413–432.

Nascimento, A. R. e Kassouf, A. L. 2016. “Impacto do Programa Bolsa Família sobre as decisões de trabalho das crianças: uma análise utilizando os microdados da PNAD”. Análise Econômica, v. 34, no. 66.

Neto, R. M. S. 2010. “Impacto do programa Bolsa Família sobre a frequência à escola: estimativas a partir de informações da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (PNAD)”. Bolsa Família 2003-2010: avanços e desafios, v. 2: 53. Castro, J. A.; Modesto, L. (Orgs.). IPEA. Brasília.

Resende, A. C. C. e Oliveira, A. M. H. C. 2008. “Avaliando resultados de um programa de transferência de renda: o impacto do Bolsa-Escola sobre os gastos das famílias brasileiras”. Estudos Econômicos, v. 38, no. 2: 235–265.

Reynolds, S. A. 2015. “Brazil’s Bolsa Familia: does it work for adolescents and do they work less for it?” Economics of Education Review, v. 46: 23–38.

Ribeiro, F. G., Shikida, C. e Hillbrecht, R. 2017. “O. Bolsa Família: um survey sobre os efeitos do programa de transferência de renda condicionada do Brasil”. Estudos Econômicos, v. 47, no. 4: 805–862.

Ribeiro, R. e Cacciamali, M. C. 2012. “Impactos do Programa Bolsa-Família sobre os indicadores educacionais”. Revista Economia, v. 13, no. 2: 415–446.

Rosenbaum, P. R. 2002. “Observational studies” Observational studies, Springer. p. 1–17.

Rosenbaum, P. R. e Rubin, D. B. 1983. “The central role of the propensity score in observational studies for causal effects”. Biometrika, v. 70, no. 1: 41–55.

Santarrosa, R. B. 2011. “Impacto das Transferências Condicionadas de Renda sobre a proficiência dos alunos do Ensino Fundamental no Brasil”. Fundação Getúlio Vargas.

Simões, A. A. e Sabates, R. 2014. “The contribution of Bolsa Família to the educational achievement of economically disadvantaged children in Brazil”. International Journal of Educational Development, v. 39: 141–156.

Simões, P. e Soares, R. B. 2012. “Efeitos do Programa Bolsa Família na fecundidade das beneficiárias”. Revista Brasileira de Economia, v. 66, no. 4: 445–468.

Soares, F. V. 2010. “Para onde caminham os programas de transferência condicionada ? As experiências comparadas do Brasil, México, Chile e Uruguai”. Bolsa Família 2003-2010: avanços e desafio, v.2: p. 137–168. Castro, J. A.; Modesto, L. (Orgs.). IPEA. Brasília.

Soares, S. et al. 2007. “Programas de transferência condicionada de renda no Brasil, Chile e México: impactos sobre a desigualdade” Texto para Discussão: 1293. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA, Acesso feito em: 10 de outubro de 2019. https://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/td_1293.pdf.

Souza, A. P. 2011. “Políticas de distribuição de renda no Brasil e o Bolsa Família”. C-Micro Working Paper Séries. Fundação Getúlio Vargas - São Paulo.

Downloads

Publicado

2021-06-24

Edição

Seção

Artigo

Dados de financiamento