Instituições dos Estados, educação dos jovens e analfabetismo: um estudo econométrico em painel de dados

Autores

  • Joilson Dias Universidade Estadual de Maringá. Departamento de Economia
  • Maria Helena Ambrosio Dias Universidade Estadual de Maringá. Departamento de Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612009000200005

Palavras-chave:

instituições, educação, analfabetismo, painel de dados, Estados

Resumo

O objetivo deste artigo é desenvolver um estudo empírico que considere as instituições dos Estados e seus impactos na educação dos jovens e na redução do analfabetismo. As instituições são entendidas como políticas educacionais, eficiência governamental (custo), estrutura da economia e mercado de alocação dos recursos humanos. A fundamentação teórica é baseada em Dias e McDermott (2006). Na estimativa empírica do modelo foram utilizados painéis de dados para os Estados brasileiros, período 1991-2000. Em geral, os resultados obtidos foram os seguintes: i) os investimentos em educação dos Estados são efetivos somente na redução de analfabetos e estão negativamente correlacionados com a educação dos jovens em nível de ensino médio; ii) os custos dos governos estaduais se apresentam como um fator negativo para a educação dos jovens que buscam escolaridade acima de oito anos; e, iii) o estímulo à acumulação de conhecimento de longo prazo nos Estados é heterogêneo, em função da taxa efetiva de retorno do capital humano e do estoque de capital humano com escolaridade acima de onze anos em cada Estado, ou seja, a estrutura do mercado de alocação de capital humano difere nos estados. Este último, juntamente com o grau de desenvolvimento da economia, nível tecnológico e de capital, demonstram ser os elementos preponderantes para a educação dos jovens e a redução dos níveis de analfabetismo no longo prazo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Ahsan , S. M. Growth, Governance and poverty: a cross-country analysis. UNU/

WIDER Conference, Helsink, 2001.

BALTAGI, B. H.; LI, Q. Testing AR(1) against MA(1) disturbances in an error

component model. Journal of Econometrics, v. 68, p. 133-151, 1995.

Barros, R. P.; Mendonça, R. Investimento em educação e desenvolvimento

econômico. In: A economia brasileira em perspectiva. Rio de Janeiro: IPEA, 1998.

Barros, R. P.; Mendonça, R; Santos, D. D.; Quintaes , G. Determinantes do desempenho educacional no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 31, n.1, p. 1-37, 2001.

Beltr ão, K. I. Alfabetização por sexo e raça no Brasil: um modelo linear generalizado

para explicar a evolução no período 1940-1990. IPEA, 2003. (Texto para Discussão, n. 1003).

Coleman, J. Social capital in the creation of human capital. American Journal of Sociology, v. 94, n. 1, p. S94-S120, 1998.

Dias, J.; Dias, M.H. Crescimento econômico, emprego e educação em uma economia

globalizada. Maringá: EDUEM, 1999.

Dias , J.; McDermott , J. Institutions, education, and development: the role of entrepreneurs.

Journal of Development Economics, v. 80, n.1, p. 299-328, 2006.

Gomes, C. A.; Sobrinho, J. A. Qualidade, eficiência e equidade na educação básica. Rio de Janeiro: IPEA, 1992.

Goodfriend, M.; McDermott, J. Early development. American Economic Review, v. 85, n. 2, p. 116-133, 1995.

Greene, W. H. Econometric analysis. London: Prentice-Hall International, 2000.

Hall, R.; Jones, C. I. Why do some countries produce so much more output per

worker than others? Quarterly Journal of Economics, v. 114, n. 1, p. 83-116, 1999.

Heckman, J. J. Policies to Foster Human Capital. Research in Economics, v. 54, n. 1, p. 3-56, 2000.

Judge, G. G.; Griffiths, W. E.; Hill, R. C.; Lutkepohl, H.; Lee, T. C. The theory and practice of econometrics. New York, John Willey and Sons, 1985.

Kiefer, N. M. Estimating fixed effects models for time series of cross-section with arbitrary intertemporal covariance. Journal of Econometrics, v. 14, n. 1, p. 195-202, 1980.

Lucas Jr., R. J. On the mechanics of economic development. Journal of Monetary Economics, v. 22, n. 1, p. 3-42, 1988.

Sokoloff , K. L.; Engerman, S. L. History lessons: institutions, factor endowments, and paths of development in the new world. The Journal of Economic Perspectives, v. 14, n. 3, p. 217-232, 2000.

TEMPLE, J. The new growth evidence. Journal of Economic Literature, v. 37, n. 1, p. 112-156, 1999.

Wooldridge, J. M. Econometric analysis of cross section and panel data. London: MIT Press, 2002.

Downloads

Publicado

2009-06-30

Edição

Seção

Não definida