Bem-estar social, mercado de trabalho e o desequilíbrio regional brasileiro

Autores

  • Carlos Alberto Manso Universidade Federal do Ceará
  • Flávio Ataliba F. D. Barreto Universidade Federal do Ceará
  • João Mário Santos de França Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.1590/S0101-41612010000200006

Palavras-chave:

desigualdade, crescimento pró-pobre, pobreza, mercado de trabalho

Resumo

Este trabalho contribui para a literatura empírica sobre o desequilíbrio regional brasileiro, ao analisar, no período pós-Plano Real, o desempenho econômico de cada região do País em termos do crescimento pró-pobre - crescimento econômico acompanhado de redução na desigualdade - e do bem-estar social. Para tanto, utiliza-se metodologia presente em Kakwani, Neri e Son (2006) para avaliar o comportamento do bem-estar social a partir das distribuições da renda familiar e da renda salarial em cada região do País. Investiga-se também a contribuição de indicadores do mercado de trabalho nas performances das regiões. De uma forma geral, os resultados apontam que os maiores impactos na renda dos trabalhos e no bem-estar social deveram-se à taxa de participação de trabalhadores por família e, principalmente, aos ganhos de produtividade dos trabalhadores a partir de 2003, que, por sua vez, foram motivados principalmente pelos acréscimos nos retornos médios provenientes da educação das pessoas ocupadas. Porém, esses ganhos não foram suficientes para o estabelecimento de um padrão de crescimento mais intensamente pró-pobre no Norte e no Nordeste, o que poderia ter contribuído para uma maior aproximação em termos de renda e bem-estar social destas regiões em relação às outras do País.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADAMS JR., R. H. Economic growth, inequality and poverty: estimating the growth elasticity of poverty. World Development, v. 32, n. 12, p. 1989-2014, 2004.

ADELMAN, I.; MORRIS, C. T. Economic growth and social equity in developing countries. Stanford: Stanford University Press. 1973.

ANDRADE, E. et al. Convergence clubs among Brazilian municipalities. Economic Letters, n. 83, p. 179-184, 2004.

ATKINSON, A. B. On the measurement of inequality. Journal of Economic Theory, v. 2, p. 244-263, 1970.

BARROS, R. P.; HENRIQUES, R.; MENDONÇA, R. A estabilidade inaceitável:

desigualdade e pobreza no Brasil. Rio de Janeiro: IPEA, 2001. (Texto para Discussão, 800).

BOURGUIGNON, F. The growth elasticity of poverty reduction; explaining heterogeneity across countries and time periods. In: EICHER, T.; TURNOVSKY,

S. (Ed.). Inequality and growth. Theory and policy implications. Cambridge: The MIT Press, 2003.

BRUNO, M.; RAVALLION, M.; SQUIRE, L. Equity and growth in developing countries: old and new perspectives on the policy issues. In: TANZI, V.; CHU, K. (Ed.). Income distribution and high-quality growth. Boston: MIT Press, 1998.

CHENERY, H.; MONTEK AHLUWALIA, C. L. G.; BELL, J. D.; JOLLY, R. Redistribution with growth. New York: Oxford University Press. 1974.

DEININGER, K.; SQUIRE, L. A new data set measuring income inequality. The World Bank Economic Review, v. 10, n. 3, 1996.

ELLERY JR., R.; FERREIRA, P. Convergência entre a renda per capita dos estados brasileiros. Revista de Econometria, v.16, n.1, p. 83-103, 1996.

FERREIRA, A. Concentração regional e dispersão das rendas per capita estaduais: um comentário. Estudos Econômicos, v. 29, n. 1, p. 47-63, jan./mar. 1999.

FERREIRA, A.; DINIZ, C. Convergência entre as rendas per capita estaduais no Brasil.

Revista de Economia Política, v. 15, n. 4, p. 38-60, 1995.

FOSTER, J. E.; GREER, J.; THORBECKE, E. A class of decomposable poverty indices. Econometrica, 52, p. 761-766, 1984.

GONÇALVES, M. B. C.; SILVEIRA NETO, R. da M. Crescimento pró-pobre nos municípios nordestinos: evidências para o período de 1991-2000. In: FÓRUM BNB DE DESENVOLVIMENTO, 2007, Fortaleza. ANPEC NE, 2007.

GONDIM, J. L. B.; BARRETO, F. A.; CARVALHO, J. R. Condicionantes de clubes de convergência no Brasil. Estudos Econômicos, v. 37, n. 1, p. 71-100, jan/mar, 2007.

HOFFMANN, R. Elasticidade da pobreza em relação à renda média e à desigualdade

no Brasil e nas unidades da Federação. Economia, Brasília (DF), v. 6, n. 2, p. 255–289, jul./dez. 2005.

HOFFMANN, R. Queda da desigualdade da distribuição de renda no Brasil, de 1995 a 2005, e delimitação dos relativamente ricos em 2005. In: PAES DE BARROS, R.; FOGUEL, M. N.; ULYSSEA, G. (Org.). Em desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente. Brasília: IPEA, 2006. cap. 1. v. 1.

HERSKOVIC, B.; FIGUEIREDO, L. Crescimento pró-pobre no Sudeste brasileiro. In: Seminário sobre a Economia Mineira , 13, 2008, Diamantina. Anais ... Diamantina: CEDEPLAR-UFMG, 2008.

KAKWANI, N.; PERNIA, E. What is pro-poor growth? Asian Development Review, 18, 2000.

KAKWANI, N.; PERNIA, E.; NERI, M.; SON, H. Linkages between growth, poverty and the labour

market. Ensaios Econômicos, Rio de Janeiro, n. 634, 2006.

KRAAY, A. When is growth pro-poor? Evidence from a panel of countries. The World Bank Policy Research Working Paper, n. 3225, 2004.

KUZNETS, S. Economic growth and income inequality. American Economic Review, v. 45, n. 1, p.1-28, Mar. 1955.

KUZNETS, S. Quantitative aspects of the economic growth of nations: distribution of income by size. Economic development and cultural change (part 2). 1957. p. 1-80. Supplement to v. V.

LIMA, F.; SOARES, F.; BARRETO, A. F. D.; MARINHO, E. Impacto do crescimento econômico e da concentração de renda sobre o nível de pobreza dos Estados brasileiros. In: ENCONTRO REGIONAL DE ECONOMIA, 7, 2003, Fortaleza. Anais..., Fortaleza, 2003.

LOPEZ, H. Pro-poor-pro-growth: is there a trade-off? The World Bank, Policy Research

Working Paper n. 3378, 2004.

LOPEZ, H.; SERVEN, L. The mechanics of growth-poverty-inequality relationship. Washington:

The World Bank, 2004. Mimeo.

MANSO, C. A.; BARRETO, F. A.; TEBALDI, E. O desequilíbrio regional brasileiro:

novas perspectivas a partir das fontes de crescimento “pró-pobre”. Revista de Economia do Nordeste, v. 37, n 3, p. 307-328, Fortaleza, jul. 2006.

MENEZES-FILHO, N; ANDRADE, A. O papel da oferta de trabalho no comportamento dos retornos à educação no Brasil. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 35, n. 2, 2005.

MENEZES-FILHO, N.; VASCONCELOS, L. Human capital, inequality and pro-poor growth in Brazil. In: Besley, T.; Cord, L. (Ed.). Delivering on the promise of pro-poor growth. World Bank, 2006.

MENG, X.; GREGORY, R.; WANG, Y. Poverty, inequality, and growth in urban China, 1986-2000. Journal of Comparative Economics, v. 33, n. 4, p. 710-729, 2005.

MOSSI, M. B.; AROCA, P.; FERNÁNDEZ, I. J.; AZZONI, C. R. Growth dynamics and space in Brazil. International Regional Science Review, v. 26, n. 3, p. 393-418, July 2003.

PESSOA, A. S. Existe um problema de desigualdade regional no Brasil? In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 29, 2001, Salvador. Anais..., Salvador, 2001

QUAH, D. T. Empirical cross-section dynamics in economic growth. European Economic

Review, 37(2/3), p. 426-434, Apr. 1993

RAMOS, L. Desigualdade de rendimentos do trabalho no Brasil no período Pós-Real. Rio de Janeiro: IPEA, 2006. (Nota Técnica).

RAMOS, L.; BRITO, M. O funcionamento do mercado de trabalho metropolitano

brasileiro no período 1991-2002: tendências, fatos estilizados e mudanças estruturais. Boletim de Mercado de Trabalho - Conjuntura e Análise, IPEA, n. 22, p. 31-47, nov. 2003.

RAMOS, L.; BRITO, M.; REIS, M. C. A escolaridade dos pais e os retornos à educação no mercado de trabalho. Rio de Janeiro: IPEA, 2008. (Nota Técnica).

RAVALLION, M. Growth and poverty: evidence for developing countries in the 1980s. Economic Letters, 48, p. 411-417,1995.

RAVALLION, M. Can high-inequality developing countries escape absolute poverty? Economic

Letters, 56, p. 51-57, 1997.

RAVALLION, M. Competing concepts of inequality in the globalization debate. In: Policy Research Working Paper. Washington DC: World Bank, 2004.

RAVALLION, M.; CHEN, S. What can new survey data tell us about recent changes in distribution and poverty? The World Bank Economic Review, v. 11, n. 2, 1997.

RAVALLION, M.; CHEN, S. Measuring pro-poor growth. Policy Research Working Paper 2666, 2003.

RESENDE, G. M. O crescimento econômico dos municípios mineiros tem sido pró-pobres? Uma análise para o período de 1991-2000. Nova Economia, v. 18, n.1, 2008.

SACHSIDA, A.; LOUREIRO, P. R. A.; MENDONÇA, M. J. C. Um estudo sobre retorno em escolaridade no Brasil. Rio de Janeiro: RBE, 2004.

SCHULTZ, T. P. Inequality in the distribution of personal income in the world: how is it changing and why? Journal of Population Economics, v.11, n. 3 p. 307-344, June 1998.

SILVEIRA NETO, R. Quão pobre tem sido o crescimento econômico no Nordeste? Evidencias para o período 1991-2000. In: ENCONTRO REGIONAL DE ECONOMIA DO NORDESTE, 10, 2005, Fortaleza. Anais. CD-ROM. Fortaleza,

SON, H.; KAKWANY, H. Poverty reduction: do initials conditions matter? Washington: The World Bank, 2003. Mimeo.

SON, H. H. A note on pro-poor growth. Economic Letters, n. 82, p. 307-314, 2004.

WORLD BANK. Delivering on the promise of pro-poor growth: insights and lessons from country experiences. Washington DC: Timothy Besley and Louise J. Cord, Editors, 2007.

ZINI Jr., A. A. Regional income convergence in Brazil and its socio-economic determinants.

Economia Aplicada, v. 2, n. 2, p. 383-411, abr./jun. 1998.

Downloads

Publicado

2010-06-30

Edição

Seção

Não definida