Impactos do comportamento inovativo das grandes empresas nacionais e estrangeiras da indústria de transformação brasileira no desenvolvimento do Sistema Nacional de Inovação

Autores

  • Adriano José Pereira Universidade Federal de Santa Maria
  • Ricardo Dathein Universidade Federal do Rio Grande do Sul

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-4161201545165ajr

Palavras-chave:

sistema nacional de inovações, comportamento inovativo, grandes empresas, economia brasileira

Resumo

O artigo analisa a influência do comportamento inovativo das grandes empresas da indústria de transformação brasileira sobre a formação do Sistema Nacional de Inovação (SNI), utilizando-se da base de dados das PINTECs (2000, 2003, 2005 e 2008), a partir da construção de indicadores relativos à responsabilidade pelo desenvolvimento de produto e/ou processo; localização e importância das fontes de informação; relações de cooperação; esforço inovativo e qualificação das pessoas ocupadas em atividades de P&D. Conforme os indicadores considerados, as empresas estrangeiras têm inovado, predominantemente, a partir de relações intra-corporativas, caracterizando-se por um comportamento “hierarquicamente integrado”, com “reação adaptativa” ao que acontece em âmbito internacional; por sua vez, as grandes empresas nacionais, em regra, têm inovado relativamente menos, além de se caracterizarem como “seguidoras” das estratégias inovativas das empresas estrangeiras. Nesse sentido, conclui-se que o comportamento inovativo desses dois grupos de empresas não tem favorecido o desenvolvimento do SNI brasileiro.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Adriano José Pereira, Universidade Federal de Santa Maria

UFSM

Referências

ARAÚJO, R. D. de. Esforços tecnológicos das firmas transnacionais e domésticas. In: DE NEGRI, J. A.;

SALERNO, M. S. (Orgs.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais

brasileiras. Brasília: IPEA. Cap. 14, p. 119-170, 2005.

BANCO CENTRAL DO BRASIL (BCB). Censo de Capitais Estrangeiros. 1995, 2000 e 2005. Disponível em: <http://www.bcb.gov.br/?CENSOCE>. Acesso em: setembro de 2010.

CARLEIAL, L. Redes industriais de subcontratação: um enfoque de sistema nacional de inovação. São Paulo: HUCITEC, 2001.

CASTRO, A.B. de. Brazil’s second catch-up: characteristics and constraints. Cepal Review, n. 80, p. 71-80, aug. 2003.

CENTRO DE GESTÃO E ESTUDOS ESTRATÉGICOS-CGEE/ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE

PESQUISA E DESENVOLVIMENTO DAS EMPRESAS INOVADORAS-ANPEI. Os novos

instrumentos de apoio à inovação: uma avaliação inicial. Brasília-DF: 2009.

CIMOLI, M.; DOSI, G.; NELSON, R. R.; STIGLITZ, J. Instituições e políticas moldando o desenvolvimento industrial: uma nota introdutória. Revista Brasileira de Inovação, v. 6, n. 1, p. 55-85, jan./jun. 2007.

COMISSÃO ECONÔMICA PARA A AMÉRICA LATINA E CARIBE (CEPAL). Investimento estrangeiro

na América Latina e no Caribe. Documento Informativo, 2004.

CORIAT, B. (1991). Pensar pelo avesso: o modelo japonês de trabalho e organização. Rio de Janeiro: Revan: UFRJ, 1994.

DE NEGRI, F. Investimento direto e transferência de tecnologia: Argentina, Brasil e México. Campinas-SP: Instituto de Economia-UNICAMP (Tese de doutorado), 2007.

DE NEGRI, J. A.; SALERNO, M. S. (Orgs.). Inovações, padrões tecnológicos e desempenho das firmas industriais brasileiras. Brasília: IPEA, 2005.

EDQUIST, C. The systems of innovation approach and innovation policy: an account of the state of the art. DRUID Conference, Aalborg University, June 12-15, 2001.

ERNST, H. Global production networks and the changing geography of innovation system: implications for developing countries. East-west Center Working Papers - Economics Series, n. 9, nov. 2000.

FREEMAN, C. The ‘National System of Innovation’ in historical perspective. Cambridge Journal of Economics, v. 19, p. 5-24, 1995.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Pesquisa de Inovação Tecnológica – 2005. Rio de Janeiro: IBGE, 2007.

JOHNSON, B.; LUNDVALL, B-Â. Promovendo sistemas de inovação como resposta à economia do aprendizado crescentemente globalizada. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (Orgs.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. (Tradução Ana Arroio). Rio de Janeiro: Editora UFRJ- Contraponto. p. 83-130, 2005.

KATZ, J. Reformas estruturais orientadas para o mercado, globalização e transformação dos sistemas de inovação latino-americanos. In: CASTRO, A. C. et al (Org.). Brasil em desenvolvimento 1: economia, tecnologia e competitividade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira. p. 351-384, 2005.

LAPLANE, M. F.; SARTI, F. Investimento direto estrangeiro no Brasil nos anos 90: determinantes e estratégias. In: CHUDNOVSKY, D. (Org.). Investimentos externos no Mercosul. Campinas/SP: Papirus: IE- Unicamp, p. 197-300, 1999.

LUNDVAL, B-Â. The social dimension of the learning economy. DRUID Working Papers, n. 96-1,

April 1996.

LUNDVALL, B-Â. National Innovation System: analytical Focusing Device and Policy Learning Tool. Swedish Institute for Growth Policy Studies- ITPS. Working Paper 4, 2007.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Disponível em: < http://www.

mcti.gov.br/index.php/content/view/2076.html>. Acesso em: 27/02/2014.

NELSON, R. R. (1996). As fontes do crescimento econômico. Campinas/SP: Editora da Unicamp, 2006.

NELSON, R. R. Bringing institutions into evolutionary growth theory. Journal of Evolutionary Economics, n. 12, p. 17-28, 2002.

NELSON, R. R. Economic Development from the perspective of evolutionary economic theory. Working Papers in Technology, Governance and Economic Dynamics, n. 2, 2006. Disponível em: <http://tg.deca.

ee/files/main/2006013112494141.pdf>. Acesso em: 15 de agosto de 2008.

PÉREZ, C. Cambio tecnológico y oportunidades de desarrollo como blanco móvil. Revista de La CEPAL, n. 75, p. 115-136, Diciembre 2001.

RODRÍGUEZ, O. La agenda del desarrollo (elementos para su discusión). Economia-Ensaios, n.

(2)/17(1), jul./dez. 2002.

RUIZ, A. U. Patrones de inserción de las empresas multinacionales en la formación de competencias tecnológicas de países seguidores. Revista Brasileira de Inovação, v.6, n.2, p.405-432, jul./dez. 2007.

SARTI, F.; LAPLANE, M. O investimento direto estrangeiro e a internacionalização da economia

brasileira nos anos 1990. Economia e Sociedade, v. 11, n. 1 (18), p. 63-94, jan./jun. de 2002.

UNITED NATIONS CONFERENCE ON TRADE AND DEVELOPMENT (UNCTAD). Transnational

corporations and the internationalization of R&D. World Investment Report (WIR), 2005.

WILLIAMSON, O. E. Las instituciones económicas del capitalismo. México: FCE, 1989.

ZUCOLOTO, G. F. Desenvolvimento tecnológico por origem de capital no Brasil: P&D, patentes e incentivos públicos. Rio de Janeiro: Instituto de Economia-UFRJ, 2009. (Tese de doutorado).

Downloads

Publicado

2015-03-30

Edição

Seção

Artigo