O papel das redes na mobilidade laboral de curta e longa distância: evidências para o Brasil formal

Autores

  • Verônica de Castro Lameira Universidade Federal de Juiz de Fora
  • Eduardo Gonçalves Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Economia
  • Ricardo da Silva Freguglia Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Economia

DOI:

https://doi.org/10.1590/0101-4161201545246ver

Palavras-chave:

Mobilidade de trabalhadores, Redes de mobilidade, Modelo binomial negativo inflado de zeros

Resumo

Este artigo tem o objetivo de investigar os determinantes da mobilidade de trabalhadores de curta e longa distância entre microrregiões brasileiras no período 2004-2008, com ênfase no papel das redes de mobilidade preestabelecidas. São construídas matrizes de deslocamento por meio da base de dados Rais-Migra, empregando variáveis explicativas na forma de razão destino/origem e utilizando como arcabouço metodológico os modelos para dados de contagem, a fim de identificar diferenças e similitudes desses fluxos de trabalhadores em relação a diferentes distâncias. Os resultados indicam a importância do histórico de atratividade das regiões para migração, o que confirma a hipótese de que redes ou conexões prévias facilitam a mobilidade espacial laboral. Além desse resultado, na mobilidade de curta distância o trabalhador se desloca para destinos com maiores saldos entre trabalhadores admitidos e desligados, densidade e proporção de graduados, além de menores criminalidade e congestionamento. Em longas distâncias, os fluxos são orientados para destinos com menores densidade populacional, grau de industrialização e criminalidade, além de maiores saldos entre trabalhadores admitidos e desligados. A distância entre microrregiões sempre figura como fator inibidor da mobilidade, independente dos cortes de distância usados.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Eduardo Gonçalves, Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Economia

Professor da Faculdade de Economia - UFJF

Pesquisador do CNPq

Ricardo da Silva Freguglia, Universidade Federal de Juiz de Fora. Faculdade de Economia

Professor da Faculdade de Economia - UFJF

Referências

ADAMS, J.; FAUST, K.; LOVASI, G. S. Capturing context: integrating spatial and social network

analyses, Editorial in Social Networks, v. 34 p. 1-5 January. 2012.

ALDASHEV, A.; DIETZ, B. Economic and Spatial Determinants of Interregional Migration in Kazakhstan.

Bonn: The Institute for the Study of Labor (IZA), 2012. (Working paper, 6269).

ANDRIENKO, Y.; GURIEV, S. Determinants of Interregional Mobility in Russia: Evidence from Panel Data. Economic of Transition, v. 12, p. 1-27. 2004.

BAENINGER, R. Novos Espaços da Migração no Brasil: Anos 80 e 90. In: ENCONTRO TRANSDISCIPLINAR SOBRE ESPAÇO E POPULAÇÃO & ENCONTRO NACIONAL SOBRE

MIGRAÇÕES. 3, 2003, Campinas. Anais. Campinas: NEPO/ABEP, 2003.

BAENINGER, R. Rotatividade Migratória: um novo olhar para as migrações no século XXI. In: XVI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2008, Caxambu, MG. Anais. São Paulo: ABEP, 2008.

BEALS, R., LEVY, M., MOSES, L. Rationality and Migration in Ghana. The Review of Economics and Statistics, v. 49, n. 4, p. 480-486, 1967.

BIAGI, B.; FAGGIAN, A.; McCANN, P. Long and short distance migration in Italy: the role of economic, social and environmental characteristics. Spatial Economic Analysis, v. 6, n. 1, p. 111-131, 2011.

BRAGA, F. G.; FAZITO, D. Análise de redes sociais e as conexões territoriais da migração no Brasil: padrões estruturais da migração interna entre 1980 e 2000. In: XVII Encontro Nacional de Estudos Populacionais, 2010, Caxambu. Anais. São Paulo: ABEP, 2010.

CAMERON, A. C. e TRIVEDI, P. K. Microeconometrics: methods and applications. Cambridge

University press, 2005.

CAMERON, A. C. e TRIVEDI, P. K. Regression analysis of count data. Cambridge; New York: Cambridge University Press; 1998.

CARRINGTON, W. J.; DETRAGIACHE, E.; VISHWANATH, T. Migration with Endogenous Moving

Costs. American Economic Review, v. 86, n. 4, p. 909-930, 1996.

CENSO DEMOGRÁFICO 2010. Trabalho e rendimento: resultados da amostra. Rio de Janeiro:

IBGE, 2012. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/

trabalho_e_rendimento/default.shtm>. Acesso em: dez.2013.

CUNHA, T. A.; CUNHA, J. M. P.; JAKOB, A. A. E. Dinâmica intraurbana e redes sociais na Baixada

Santista. Revista Brasileira de Estudos de População, Rio de Janeiro, v. 30, n. 1, p. 7-33, jan./

jun. 2013.

ERVATTI, L. R.; OLIVEIRA, A. T. R. Perspectivas para a mensuração do fenômeno migratório no

Brasil. In: Reflexões Sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto

Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Estudos e Análises Informação Demográfica e

Socioeconômica v. 1, p. 84-100. 2011.

FAGGIAN, A., MCCANN, P. Human capital and regional development. In, Capello, Roberta and

Nijkamp, Peter (eds.) Handbook of Regional Growth and Development Theories. Cheltenham,

UK, Edward Elgar, p. 131-151. 2009.

FAGGIAN, A.; ROYUELA, V. Migration flows and quality of life in a metropolitan area: the case of Barcelona – Spain. Applied Research in Quality of Life, v. 5, n. 3, p. 241-259. 2010.

FAZITO, D. Redes Sociais e Migração: mito e realidade. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 13, 2002, Ouro Preto. Anais. Ouro Preto: ABEP, 2002.

FERREIRA, R. N.; MATOS, R. Migração de trabalhadores no mercado formal brasileiro entre 1995 e 2003 e as tendências da reestruturação territorial. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 14, 2004, Caxambu. Anais. Belo Horizonte: ABEP, 2006.

FLORIDA, R. The Economic Geography of Talent. In: ANNALS OF THE ASSOCIATION OF AMERICAN GEOGRAPHERS, v. 92, n. 4, p. 743-755. 2002.

GLAESER, E. L. Learning in cities. Journal of Urban Economics, v. 46, n. 2, p. 254–277, 1999.

GOLGHER, A. Fundamentos da migração. Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 2004. (Texto para

discussão, 231).

GOLGHER, A. B.; ROSA, C. H.; ARAÚJO JÚNIOR, A. F. The determinants of migration in Brazil.

Belo Horizonte: UFMG/CEDEPLAR, 2005. (Texto para discussão, 268).

GRAVES, P. A reexamination of migration, economic opportunity, and the quality of life, Journal of Regional Science, v. 12, p. 107-112. 1976.

GRAVES, P. Migration and climate, Journal of Regional Science, v. 20, p. 227-237. 1980.

GRAVES, P. Migration with a composite amenity: the role of rents. Journal of Regional Science, v. 23, p. 541-546. 1983.

GREENWOOD, M. J. Research on Internal Migration in the United States: a survey, Journal of Economic Literature, v. 13, p. 397-433. 1975.

GREENWOOD, M. J.; HUNT, G. Migration and interregional employment redistribution in the United States, American Economic Review, v. 74, p. 957-969. 1984.

GRUBEL, H.G. e SCOTT, A. The brain drain: determinants, measurement and welfare effects. Canadá: Waterloo, 1.ed. 1976.

GUILMOTO, C.Z.; SANDRON, F. The internal dynamics of migration networks in developing countries. In Population: an English Selection, v. 13, n. 2, p. 135-164. 2001.

HAZANS, M. Determinants of inter-regional migration in the Baltic countries. Bonn: The Institute for the Study of Labor (IZA), 2003. (Working paper B17).

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA -IBGE. Divisão do Brasil em mesorregiões e microrregiões geográficas. Rio de Janeiro: IBGE, 1990. 20p. (Relatório Técnico)

JACKMAN, R.; SAVOURI, S. Migration in Britain: An Analysis of Gross Flows Using NHS Central

Register Data. The Economics Journal, v. 102, n. 415, pp. 1433-1450. 1992.

JARDIM, A. P. A investigação das migrações internas, a partir dos censos demográficos brasileiros de 1970 a 2010. In: Reflexões Sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Estudos e Análises Informação Demográfica e Socioeconômica v. 1, p. 11-27. 2011.

JUSTO, W. R.; SILVEIRA NETO, R. M. Migração inter-regional no Brasil: Evidências a partir de um modelo espacial. Revista Economia, v.7, n. 1, p.163-187, Jan/Jul. 2006.

LEVY, M. B.; WADYCKI, W. J. What is the Opportunity Cost of Moving? Reconsideration of the Effects of Distance on Migration. Economy, Development and Cultural Change, v. 22, p. 198-214. 1974.

LIMA, E. E. C.; BRAGA, F. Da rotatividade migratória a baixa migração: uma análise dos novos

padrões da mobilidade populacional no Brasil. In: ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS

POPULACIONAIS, 17, 2010, Caxambu. Anais. Caxambu: ABEP, 2010.

LUCAS, R. E. B. The effects of proximity on developing country population migrations. Journal of Economy Geography, Boston, v. 1, n. 3, p. 323-339, 2001.

MATA, D. da; OLIVEIRA, C.; PIN, C.; RESENDE, G. Quais Características das Cidades Determinam

a Atração de Migrantes Qualificados? Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 38, n. 3,

jul-set, 2007.

MATOS, R.; F. BRAGA. Redes Sociais, Redes Territoriais e Migrações. In: XIV ENCONTRO NACIONAL DE ESTUDOS POPULACIONAIS, 14, 2004, Caxambu. Anais. Belo Horizonte: ABEP, 2004.

MORETTI, E. Local labor markets. In: CARD, D., ASHENFELTER, O. (Eds.), Handbook of Labor

Economics, V. 4, Part B, Chapter 14, p. 1237-1313, 2011.

NETTO JR, J. L. S.; MOREIRA, I. T. Migrações e diferenciais de renda estaduais: uma análise por dados em painel no período de 1950-2000. In: ENCONTRO TRANSDISCIPLINAR SOBRE ESPAÇO E POPULAÇÃO & ENCONTRO NACIONAL SOBRE MIGRAÇÕES. 3, 2003, Campinas. Anais.

Campinas: NEPO/ABEP, 2003.

OLIVEIRA, A. T. R. De. Algumas abordagens teóricas a respeito do fenômeno migratório. In: Reflexões Sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Estudos e Análises Informação Demográfica e Socioeconômica v. 1, p. 11-27. 2011.

OLIVEIRA, A. T. R.; ERVATTI, L. R.; O’NEILL, M. M. V. C. O panorama dos deslocamentos populacionais no Brasil: PNADs e Censos Demográficos. In: Reflexões Sobre os Deslocamentos Populacionais no Brasil. Rio de Janeiro: Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, Estudos e Análises Informação Demográfica e Socioeconômica v. 1, p. 29-49. 2011.

PATARRA, N. L. Movimentos migratórios no Brasil: tempos e espaços. Rio de Janeiro: IBGE, 2003. 45p. (Texto para discussão, 7).

PEKKALA, S. Migration Flows in Finland: Regional Differences in Migration Determinants and Migrant Types. International Regional Science Review, v. 26, n. 4, p. 466–482.

RAMOS, C. A.; ARAÚJO, H. Fluxos migratórios, desemprego e diferenciais de renda. Rio de Janeiro: Ipea, 1999. (Texto para discussão, 657).

RIGOTTI, J. I. R. Geografia dos fluxos populacionais segundo níveis de escolaridade dos migrantes. Estudos Avançados (USP. Impresso), v. 20, p. 237-254, 2006.

SABBADINI, R.; AZZONI, C. R. Migração interestadual de pessoal altamente educado. Evidências sobre a fuga de cérebros. ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 34, 2006, Salvador. Anais. Salvador: ANPEC, 2006.

SACHSIDA, A.; CAETANO, M. A.; ALBUQUERQUE, P. Distribuição de Renda, Transferências

Federais e Imigração: Um estudo de dados em painel para as unidades de federação do Brasil. Brasília: IPEA, 2010. (Texto para discussão, 1471).

SAHOTA, G. S. An Economic analysis of Internal Migration in Brazil. Journal of Political Economy, v.76, n.2, p.218-245, 1968.

SCHWARTZ, A. Interpreting the Effect of Distance on Migration. Journal of Political Economy, v.

, p. 1153-1169. 1973.

SOARES, W. Da metáfora a substância: Redes Sociais, Redes Migratórias e Migração nacional e internacional em Valadares e Ipatinga. 2002. Tese (Doutorado em Demografia) – Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

STAMBOL, L. Regional labor market mobility by education and income. Economic Survey. 2/2003, Statistics Norway.

STARK, O.; JAKUBEK, M. Migration networks as a response to financial constraints: onset and endogenous dynamics, Journal of Development Economics, v. 101, p. 1-7. 2013.

STOUFFER, S. A. “Intervening Opportunities: A Theory Relating Mobility and Distance.” American Sociological Review, v. 5, n. 6, p. 845-867. 1940.

TRUZZI, O. M. S. Redes em processos migratórios. Tempo Social. São Paulo, v. 20, p. 199-218, 2008.

WALL, H. J. Voting with your feet in the United Kingdom: Using cross-migration rates to estimate relative living standards. Papers in Regional Science, v. 80, p.1-23. 2001.

WOOLDRIDGE, J. M. Econometric analysis of cross section and panel data. MIT Press: London, 2002.

ZIMMERMANN, K.F. European labour mobility: challenges and potentials. Berlin: University of

Bonn and DIW, 2004.

Downloads

Publicado

2015-06-30

Edição

Seção

Artigo