Religião, formação docente e socialização de gênero

Autores

  • Adriane Knoblauch Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.1590/s1517-9702201707163363

Palavras-chave:

Habitus, Formação docente, Religião, Gênero

Resumo

O presente artigo pretende discutir a interface entre religião, formação docente e socialização de gênero de um grupo de alunas que cursam pedagogia em uma instituição federal do sul do país. Os dados foram coletados por meio de questionários distribuídos entre 2012 e 2014 a um grupo de estudantes que ingressaram no curso em 2012, com o objetivo de traçar seu perfil socioeconômico, conhecer os motivos pela escolha do curso e perceber hábitos relativos à vivência religiosa. Em seguida, foram realizadas entrevistas em profundidade com cinco alunas consideradas religiosas e uma sem essa vivência. A análise, fundamentada no conceito de habitus, a partir de Pierre Bourdieu e de habitus híbrido e socialização, segundo Setton, apontou para três posicionamentos, sobretudo, no que se refere às questões relativas à produção de gênero, orientação e identidade sexual: a) naturalização das diferenças de gênero; b) mescla entre o reconhecimento da imposição social, mas com peso maior para questões biológicas; c) compreensão do gênero como construção social. Frente a agentes socializadores diversos e não complementares entre si, as normas de comportamento e condutas veiculadas pelas diferentes religiões têm um peso maior e definem o que pode ser incorporado durante a formação docente veiculada pelo curso e o que deve ser rechaçado, constituindo, assim, um habitus com disposições híbridas, ora seculares ora religiosas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Publicado

2017-09-01

Como Citar

Knoblauch, A. (2017). Religião, formação docente e socialização de gênero. Educação E Pesquisa, 43(3), 899-914. https://doi.org/10.1590/s1517-9702201707163363

Edição

Seção

Artigos