Notas sobre Roda Viva: 1968-2018

Autores

  • Vitor Morais Graziani Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v11i1p527-542

Palavras-chave:

Chico Baurque, Resistência cultural, Teatro Oficina, Tropicalismo, Roda Viva

Resumo

O presente ensaio possui como objetivo uma análise comparada das encenações de 1968 e 2018 da peça-musical Roda Viva, de Chico Buarque de Hollanda, montada e dirigida, em ambas as ocasiões, pelo Teatro Oficina e José Celso Martinez Corrêa. Com cinquenta anos de intervalo entre uma e outra, denota-se uma alteração na forma da montagem: a agressão da primeira versão, na esteira do golpe civil-militar de 1964 e da ditadura instalada, dá lugar a um rito coletivo de resistência, agora na esteira do golpe parlamentar de 2016 e do pleito presidencial de 2018. A indústria cultural, cerne dos problemas na primeira montagem, é expandida – e a tropicália do Oficina, conhecida por sua radicalidade formal, dá lugar a uma roupagem esvaziada do resistir.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ADORNO, Theodor W./HORKHEIMER, Max. Dialética do Esclarecimento: fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1985.

ALAMBERT, Francisco. A realidade tropical. In: Revista do Instituto de Estudos Brasileiros, n. 54, 2012, set./mar., pp. 139 – 150.

ARANTES, Paulo Eduardo. 1964. In: O novo tempo do mundo: e outros estudos sobre a era da emergência. São Paulo: Boitempo Editorial, 2014a.

ARANTES, Paulo Eduardo. 1964: um país feito num só golpe. Conferência realizada por ocasião do lançamento de O novo tempo do mundo no Espaço Cultural Latino Americano (ECLA). São Paulo: ECLA/Coletivo Zagaia, 2014b. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=VmlDqXRAxJc&t=1832s. Acesso em 17.07.2021.

ARANTES, Paulo Eduardo. Por que filósofo hoje? Palestra realizada no Colóquio Filosofia e Vida Nacional, 25 anos de Um Departamento Francês de Ultramar. São Paulo: FFLCH/USP, 2019. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=miZ_1r-smuM&t=6224s. Acesso em 09.06.2021.

DREIFFUS, René Armand. 1964 – a conquista do Estado: ação política, poder e golpe de Classe. Petrópolis: Editora Vozes, 1981.

FAVERETTO, Celso. Tropicália, alegoria, alegria. Cotia: Ateliê editorial, 2007.

PATRIOTA, Rosângela. O teatro no Brasil no ano de 1968: a ribalta como espaço de luta e de utopias. In: 1968: reflexos e reflexões. São Paulo: edições Sesc São Paulo, 2018, pp. 93 – 110.

SCHWARZ, Roberto. Cultura e política, 1964 – 1969. In: O pai de família e outros estudos. São Paulo: Companhia das Letras, 2008, pp. 70 – 111.

SCHWARZ, Roberto. Seja como for: entrevistas, retratos e documentos. São Paulo: Duas Cidades/Editora 34, 2019.

SINGER, André. Os sentidos do Lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

SINGER, André. O lulismo em crise: um quebra-cabeça do período Dilma (2011 – 2016). São Paulo, Companhia das Letras, 2018.

TORRE, Bruna Della. Crítica da tragédia, crítica da farsa: comentário sobre a encenação da peça Roda Viva pelo teatro Oficina. In: Revista Café com Sociologia, v. 8, n.1, jan./jul. 2019, pp. 14 – 25.

Downloads

Publicado

2022-10-09

Como Citar

Graziani, V. M. (2022). Notas sobre Roda Viva: 1968-2018. Epígrafe, 11(1), 527-542. https://doi.org/10.11606/issn.2318-8855.v11i1p527-542

Edição

Seção

Ensaios