Transcrição, notação e análise da palavra cantada

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.186364

Palavras-chave:

Semiótica, Quantificação, Plano da expressão, Palavra cantada, Melodia

Resumo

Este texto aborda o problema da metalinguagem empregada na análise do plano da expressão da palavra cantada. O ponto de vista greimasiano sobre o texto cria um objeto – o percurso gerativo de sentido –, do qual não faz parte o plano da expressão. Consequentemente, a semiótica pouco se preocupou com o desenvolvimento de uma linguagem técnica dedicada à análise do plano da expressão. Porém, assim como o plano do conteúdo pode e deve ser analisado independentemente do plano da expressão, também este pode e deve ser analisado independentemente do plano do conteúdo. Para atingir este objetivo é necessário construir uma metalinguagem cujo objeto seja o plano da expressão. Esta metalinguagem deve estar ancorada nos princípios epistemológicos do estruturalismo e, ao mesmo tempo, deve ser capaz de espelhar as coerções que a substância da expressão apresenta. Tendo como foco o plano da expressão musical, discutimos quais as características desejáveis dessa metalinguagem e mostramos porque ela deve ser fundada na matemática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Roberto do Carmo Junior, Universidade Federal do Paraná

Docente do Curso Superior de Tecnologia em Luteria, Centro Politécnico da Universidade Federal do Paraná (UFPR), Curitiba, PR, Brasil.

Referências

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.

BEIVIDAS, Waldir. Um modelo catenário e tensivo para a estrutura do quadrado semiótico. Estudos Semióticos, v. 15, Edição Especial, 2019, p. 39-53. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/esse/article/view/156046. Acesso em: 22 abr. 2021

BOLINGER, Dwight. Intonation and its uses: melody in grammar and discourse. Stanford, CA: Stanford University Press, 1989.

CHEDIAK, Almir. Songbook Gilberto Gil. Vol 2. São Paulo: Lumiar Editora, 1992.

FONTANILLE, Jacques; ZILBERBERG, Claude. Tensão e significação. Trad. Ivã Carlos Lopes et al. São Paulo: Discurso Editorial/Humanitas/FFLCH/USP, 2001.

GREIMAS, Algirdas Julien. Sémantique structurale: recherche de méthode. Paris: Larousse, 1966.

HJELMSLEV, Louis. Prolegômenos a uma teoria da linguagem. Trad. J. Teixeira Coelho Netto. São Paulo: Perspectiva, 1975.

HJELMSLEV, Louis. Ensaios linguísticos. Trad. Antônio de Pádua Danesi. São Paulo: Perspectiva, 1991.

KANT, Immanuel. Crítica da razão pura. Trad. Manuela Pinto dos Santos; Alexandre Fradique Morujão. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2001.

LALANDE, André. Vocabulário técnico e crítico de filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. Trad. Antonio Chelini et al. São Paulo: Cultrix, 2006.

TATIT, Luiz. A canção: eficácia e encanto. São Paulo: Atual, 1986.

TATIT, Luiz. Semiótica da Canção. São Paulo: Escuta, 1994.

TATIT, Luiz. Musicando a semiótica. São Paulo: Annablume/Fapesp, 1997.

WAUGH, Linda Ruth. The melody of language: intonation and prosody. Baltimore: University Park Press, 1980.

ZILBERBERG, Claude. Elementos de semiótica tensiva. Trad. Ivã Carlos Lopes et al. São Paulo: Ateliê, 2011.

Downloads

Publicado

2021-12-20

Como Citar

Carmo Junior, J. R. do. (2021). Transcrição, notação e análise da palavra cantada. Estudos Semióticos, 17(3), 42-65. https://doi.org/10.11606/issn.1980-4016.esse.2021.186364

Edição

Seção

Teoria, epistemologia e metodologia