O tratamento do espectro autista em Uberaba (mg): uma análise Winnicottiana

Autores

  • Nayara Gomes Braga Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto
  • Conceição Aparecida Serralha Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Departamento de Psicologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i3p573-598

Palavras-chave:

Transtorno do Espectro Autista, autismo, instituições, tratamento, Winnicott

Resumo

Relato de pesquisa que investigou o contexto de tratamento do espectro autista na cidade de Uberaba (MG). Participaram do estudo seis representantes de instituições que tratam crianças autistas. Os resultados mostraram que o público-alvo das instituições envolve, em sua maioria, crianças especiais, e não foram observados métodos de tratamento e formação clínica e teórica específicos para atende-lo. Com base na teoria de Winnicott, entende-se que esse tratamento deve visar à retomada do processo de amadurecimento e, para tanto, é necessário ambiente propício, envolvendo a instituição e os pais, bem como formação específica e apoio governamental e social

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nayara Gomes Braga, Universidade de São Paulo. Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Psicóloga, residente do Programa de Residência Multiprofissional em Atenção Integral à Saúde pela Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (FMRP-USP)

Conceição Aparecida Serralha, Universidade Federal do Triângulo Mineiro. Departamento de Psicologia

Psicanalista didata da Sociedade Brasileira de Psicanálise Winnicottiana (SBPW). Professora do Departamento de Psicologia da Universidade Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)

Downloads

Publicado

2016-12-17

Como Citar

Braga, N. G., & Serralha, C. A. (2016). O tratamento do espectro autista em Uberaba (mg): uma análise Winnicottiana. Estilos Da Clinica, 21(3), 573-598. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i3p573-598

Edição

Seção

Artigos