O ato cardinal entre psicanálise e democracia

Lacan e a política

Autores

  • Christian Ingo Dunker Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p15-32

Palavras-chave:

democracia, Lacan, política

Resumo

Gostaria de ler esta espécie de regressão da democracia que parece ter se abatido no Ocidente a partir de uma crítica psicanalítica da economia de gozo envolvida nessa espécie de hiato democrático e que deve entender três processos de modo concomitante. Primeiro: a tensão agressiva produzida pela assimilação de indivíduos ao processo democrático depende de antropologia não só como discurso sobre a diferença, mas também como presença encarnada e experiência real do estrangeiro. Segundo: o processo formal no qual democracia é sucedida por tirania, processo que remonta à filosofia da história em Platão. Terceiro: a operação de regressão da democracia em tirania no âmbito do neoliberalismo depende da redução de indivíduos a números ordinais, seguido de atos cardinais de adição de novos indivíduos e depois de atos segregativos, baseados na subtração, multiplicação e divisão de subjetividades excedentes e sexualidades abjetas. Se nos dois primeiros casos está em jogo a constituição dos sujeitos da democracia e sua regra de repetição e transformação ao longo do tempo, no terceiro caso trata-se de avaliar sua potência de universalização no quadro do que Lacan chamou de lógica do não-todo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Downloads

Publicado

2018-04-30

Como Citar

Dunker, C. I. (2018). O ato cardinal entre psicanálise e democracia: Lacan e a política. Estilos Da Clinica, 23(1), 15-32. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v23i1p15-32