A escola no registro da fantasia

  • Daniel Revah UNIFESP
Palavras-chave: discursos pedagógicos, figuras de escola, registro da fantasia

Resumo

A fantasia da escola perfeita impulsionou a escola moderna desde seus primórdios, resultando em várias figuras dessa instituição. O artigo focaliza algumas dessas figuras, a começar pela que surge sob a forma da escola-máquina e que, posteriormente, quando a natureza humana desponta como limite ao que é da ordem da máquina, dá lugar a novas figuras. Argumenta-se que o ideal de perfeição presente nos discursos pedagógicos resultou em modalidades diversas de pensar e efetivar a escolarização, sem que necessariamente tenha inviabilizado a escola quanto a seu papel na transmissão de certo legado cultural e como agência socializadora das novas gerações. Entretanto, nas últimas décadas houve uma mudança importante, perceptível no Brasil desde a década de 1990, quando avaliações quantitativas começam a ser utilizadas para definir de forma clara e precisa o grau de perfeição da escola, assim tendendo a inviabilizar a própria educação escolar. O que desde então se acentua é a tendência de anular a necessária distância em relação àquele ideal e, dessa maneira, quanto mais a escola busca alcançar esse ideal consumado, sem falhas, tanto mais se debilita e se consome.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Batista, D. E. (2013). Da magnificência da didática a um ensino não-todo: um ensaio de psicanálise e educação. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo.
Chauí, M. S. (1983). Rousseau. Vida e obra. In J. J. Rousseau, Rousseau (L. S. Machado, trad.). Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural.
Comenius, J. A. (1997). Didática Magna (I. C. Benedetti, trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1657)
Dewey, J. (1980). A criança e o programa escolar. In J. Dewey, Dewey. Coleção “Os pensadores”. São Paulo: Abril Cultural. (Trabalho original publicado em 1902)
Foucault, M. (1984). Vigiar e punir (L. M. P. Vassallo, trad.). Petrópolis, RJ: Vozes. (Trabalho original publicado em 1975)
Foucault, M. (1997). Resumo dos cursos do Collège de France (1970-1982) (A. Daher, trad.). Rio de Janeiro: Zahar. (Trabalho original publicado em 1994)
Lacan, J. (1972). Traducción de la conferencia de Lacan en Milán del 12 de mayo de 1972. Texto recuperado em 10 de jan. 2018: https://pt.scribd.com/document/274731653/1972-Traduccion-de-La-Conferencia-de-Lacan-en-Milan-Del-12-de-Mayo-de-1972.
Lajonquière, L. (de). (1999). Infância e ilusão (psico)pedagógica. Petrópolis, RJ: Vozes.
Malheiros, Y. (1995, março). Entrevista com o ministro Paulo Renato Souza. O que esperar e o que não espererar do MEC. Nova Escola, São Paulo, n° 82, 50-52.
Narodowski, M. (2004). Comenius & a Educação. Belho Horizonte: Autêntica.
Passone, E. F. K. (2015). Produção do fracasso escolar e o furor avaliativo: o sujeito resiste? Estilos da Clínica, 20(3), 400-420. doi: http://dxdoi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i3p400-420.
Piolli, E., Silva, E. P., & Heloani, J. R. M. (2015, set./dez.). Plano Nacional de Educação, autonomia controlada e adoecimento do professor. Caderno Cedes, Campinas, 35 (97), 589-607.
Revah, D. (1994). Construtivismo: uma palavra no circuito do desejo. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP.
Rousseau, J. J. (1999). Emílio ou Da Educação (R. L. Ferreira, trad.). São Paulo: Martins Fontes. (Trabalho original publicado em 1762)
Rousseau, J. J. (1983). Discurso sobre as ciências e as artes. In J. J. Rousseau, Rousseau (L. S. Machado, trad.). Coleção “Os Pensadores”. São Paulo: Abril Cultural. (Trabalho original publicado em 1750)
Salinas Fortes, L. R. (1989). Rousseau: o bom selvagem. São Paulo: FTD.
Toledo, M. R. A., & Carvalho, M. M. C. (2017, out./dez.). A tradução de John Dewey na coleção autoral Biblioteca da Educação. Educação & Sociedade, 38 (141), 999-1015. doi: http://dx.doi.org/10.1590/es0101-73302017157307.
Vincent, G., Lahire, B., & Thin, D. (2001, jun.).Sobre a história e a teoria da forma escolar. Educação em Revista, nº 33, 7-47.
Voltolini, R. (2015, maio/agost.). Miséria ética na educação inclusiva: por uma inclusão política mais do que social. Educação, 38 (2), 222-229. doi: http://dx.doi.org/10.15448/1981-2582.2015.2.
Weber, M. (1984). Economía y sociedad(J. M. Echavarría, J. R. Parella, E. Ímaz, E. G. Máynez, J. F. Mora, trad.). México: Fondo de cultura económica. (Trabalho original publicado em 1922)
Publicado
2019-04-30
Como Citar
Revah, D. (2019). A escola no registro da fantasia. Estilos Da Clinica, 24(1), 22-31. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i1p22-31