Um olhar psicanalítico acerca do autismo

revisão bibliográfica

Autores

  • Jessica Santos Universidade Estadual de Maringá
  • Letícia Vier Machado Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia
  • Eliane Domingues Universidade Estadual de Maringá

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p322-338

Palavras-chave:

Autismo, Psicanálise, Revisão de literatura

Resumo

O presente artigo é uma pesquisa de revisão de literatura, com o objetivo de identificar algumas das principais hipóteses explicativas sobre o autismo na psicanálise e as suas contribuições no que diz respeito ao seu tratamento. A busca foi realizada nas bibliotecas virtuais Pepsic e Scielo, sendo incluídos artigos escritos em língua portuguesa, publicados no período de 2012 a 2017. Vinte e três artigos foram selecionados e analisados, buscando-se identificar as hipóteses psicanalíticas sobre o autismo, propostas de tratamento, objetivos, métodos, principais resultados e conclusões. Constatamos que os autores mais citados foram Jacques Lacan, seguido por Jean-Claude Maleval, Marie Christine Laznik, Alfredo Jerusalinsky e Maria Cristina Kupfer, todos autores mais ou menos identificados ao referencial lacaniano. No que diz respeito às hipóteses explicativas, encontramos hipóteses sobre a existência de alguma falha ou de algo que não se completa na constituição psíquica do autista. Sobre o diagnóstico do autismo, destacamos os riscos dos diagnósticos precoces e normativos, considerando que a constituição psíquica da criança ainda está em formação. E, finalmente, sobre a possibilidade de tratamento, os artigos indicam a necessidade de respeitar a singularidade da pessoa autista e sua forma de estar no mundo, buscando uma aproximação delicada e não invasiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jessica Santos, Universidade Estadual de Maringá

Graduanda, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Letícia Vier Machado, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia

Doutoranda do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo (IPUSP) e bolsista CNPq, em regime de cotutela com a Université Paris 8 Saint-Denis (França), São Paulo, SP, Brasil.

Eliane Domingues, Universidade Estadual de Maringá

Docente de Psicologia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá, PR, Brasil.

Referências

American Psychiatric Association. (2014). DSM-5: Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais(A.V. Cordioli, C.T.B. da Silva, I.C. Passos, C. Kieling, M.T. Barcellos, trad.). Porto Alegre, RS: Artmed.

Araújo, A. R. A., Furtado, L. A. R. &Santos, S. F. P. (2017). A noção de duplo e sua importância na discussão do autismo. Ágora: Estudos em Teoria Psicanalítica, 20(2), 357-370. doi: https://doi.org/10.1590/1809-44142017002005.

Ávila, L. A. (2000). Psicanálise, educação e autismo: encontro de três impossíveis. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 3(1), 11-20. doi: https://doi.org/10.1590/1415-47142000001002.

Azevedo, P. M. M. & Nicolau, R. F. (2017). Autismo: um modo de apresentação do sujeito na estrutura de linguagem. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 22(1), 12-28. doi: http://dx.doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v22i1p12-28.

Bentata, H. (2014). O autismo hoje em dia: quais os pontos de apoio institucionais no tratamento das crianças autistas?. Estudos de Psicanálise, 41, 87-92.

Bercherie, P. (2011). A clínica psiquiátrica da criança: estudo histórico. In O. Cirino,Psicanálise e psiquiatria com crianças: tria com crianças desenvolvimento ou estrutura (pp 127-144). Belo Horizonte, MG: Autêntica.

Bialer, M. (2014a). Algumas estratégias de (auto) tratamento do autista. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 19(1), 150-162. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i1p150-162.

Bialer, M. (2014b). Espelhos no autismo: alicerces para a criação de um estofo imaginário. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 19(2), 294-308. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i2p294-308.

Bialer, M. (2014c). Literatura de autistas. Estilos da Clínica, 19(3), 451-464. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i3p451-464.

Bialer, M. (2014d). A lógica do autismo: uma análise através da autobiografia de um autista. Psicologia em estudo, 19(4),645-655. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1413-73722374307.

Bialer, M. (2014e). Do isolamento autístico à extensão dos pseudópodes em direção aos outros no autismo. Reverso, 36(68), 55-61.

Bialer, M. (2015a). O apoio no duplo autístico na construção do imaginário no autismo. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 20(1), 92-105. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v20i1p92-105.

Bialer, M. (2015b). A escrita terapêutica no autismo. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 18(2), 221-233. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2015v18n2p221.3.

Bialer, M. (2016). A escrita terapêutica do autista-escritor Tito Mukhopadhyay. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 21(2), 390-411. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i2p390-411.

Bosa, C. A. & Callias, M. (2000). Autismo: breve revisão de diferentes abordagens. Psicologia: reflexão e crítica, 13 (1), 167-177. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S0102-79722000000100017.

Dias, L. A. C. A. (2016). Que boca grande você tem! Articulações sobre os distúrbios da oralidade no autismo. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 19 (3),555-568. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1415-4714.2016v19n3p555.13.

Falek, J. (2013). Para concluir um projeto de pesquisa. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 18(3), 591-612. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v18i3p591-612.

Klin, A. (2006). Autismo e síndrome de Asperger: uma visão geral. Revista Brasileira Psiquiatria, 28, 3-11. doi: http://dx.doi.org/10.1590/S1516-44462006000500002.

Kupfer, M.C. & Voltolini, R. (2017). Tratar e educar o autismo: cenário político atual- entrevista com Pierre Delion. Educação e Pesquisa, 43(3), 917-930. doi: https://doi.org/10.1590/s1517-97022017430300201.

Kupfer, M.C. (2010). O sujeito na Psicanálise e na Educação: bases para a educação terapêutica. Educação & Realidade, 35 (1), 265-281.

Lajonquière, L. (2017). Elucidação comparativa dos estudos em psicanálise e educação na França e no Brasil: a psicanálise aplica-se à educação? Educar em revista, 64, 19-33. doi: https://doi.org/10.1590/0104-4060.49813.

Laznik, M. C. (2004). A voz da sereia: o autismo e os impasses na constituição do sujeito. (Cláudia Fernandes Rohenkolet al., trad.). Salvador, BA: Ágalma.

Lucero, A. &Vorcaro, A. (2015). Os objetos e o tratamento da criança autista. Fractal: Revista de Psicologia, 27(3), 310-317. doi: http://dx.doi.org/10.1590/1984-0292/931.

Machado, L. V. (2016). Rua da Fronteira, nº 14: fragmentos da singularidade de uma experiência. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 21(1), 218-234. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i1p218-234.

Maleval, J. C. (2017). O autista e a sua voz. (Paulo Sérgio de Souza Jr., trad.). São Paulo, SP: Blucher.

Marfinati, A. C. & Abrão, J. L. F. (2014). Um percurso pela psiquiatria infantil: dos antecedentes históricos à origem do conceito de autismo. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 19(2), 244-262. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i2p244-262.

Menéndez, R. (2012). Autismo: uma questão de ciência ou de ideologia?. Estudos de Psicanálise, 38, 115-124.

Moraes, L. T. T. & Lerner, R. (2016). Contribuições da noção de pulsão invocante à clínica do autismo e da psicose. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 19(4),720-736. doi: https://doi.org/10.1590/1415-4714.2016v19n4p720.10.

Silva, M. C. P. D.(2014). Três analistas e um paciente: diálogos analíticos sobre uma criança com autismo. Jornal de Psicanálise, 47(87), 143-161.

Stelzer, F. G. (2010). Uma pequena história do autismo. Cadernos Pandorga de Autismo, v. 1. São Leopoldo, RS: Editora Oikos.

Souza, C. R. (2016). A amarração sinthomática nas vias de um autismo. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 21(3), 599-617. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i3p599-617.

Tamanaha, A. C., Perissinoto, J. & Chiari, B. M. (2008). Uma breve revisão histórica sobre a construção dos conceitos do autismo infantil e da síndrome de Asperger. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, 13(3): 296-299.

Thomas, M. C. (2013). Introdução para uma genealogia do autismo. Tempo psicanalítico, 45(2), 339-366.

Travaglia, S. A. A. (2014). Autismo e os primórdios da palavra: pulsão invocante, corpo e linguagem. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 19(2), 263-276. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v19i2p263-276.

Untoiglich, G. (2013). As oportunidades clínicas com crianças com sinais de autismo e seus pais. Estilos da clínica: Revista sobre a infância com problemas, 18(3), 543-558. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v18i3p543-558.

Vorcaro, A. M. R. (2016). Paradoxos do diagnóstico psicanalítico nos autismos. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 21(3), 736-755. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v21i3p736-755.

Wajntal, M. (2013). Reflexões sobre a clínica do autismo. Estilos da Clínica: Revista sobre a infância com problemas, 18(3), 532-542. doi: https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v18i3p532-542.

Downloads

Publicado

2020-08-30

Como Citar

Santos, J., Machado, L. V., & Domingues, E. (2020). Um olhar psicanalítico acerca do autismo: revisão bibliográfica. Estilos Da Clinica, 25(2), 322-338. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i2p322-338