A língua de sinais na relação transferencial e sua dupla posição em relação à lalangue

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p501-517

Palavras-chave:

surdez, voz, olhar, língua de sinais

Resumo

Este trabalho se originou no atendimento psicanalítico de crianças com surdez e seus familiares. Considerou-se, na singularidade do encontro entre o analista e o sujeito, a língua de sinais como nó inquietante ao redor da qual o Real da transferência era percebido em seus efeitos e a posição ocupada pela criança no discurso materno evidenciava-se. Os efeitos da língua de sinais transitavam entre o incômodo, com tentativas de impedir sua circulação no discurso, e o apaziguamento, em momentos em que trazia sentido e fazia movimentar a cadeia de significantes. Para além da especificidade dos conteúdos analisados, pretende-se expor considerações quanto à língua materna dos sujeitos com surdez, articulando-a com conceitos referentes à dinâmica pulsional dos objetos a - voz e olhar. Tais objetos se apresentaram de modo singular e suas particularidades estiveram relacionadas à língua materna e ao modo como ela se colocou para os sujeitos quando ocorreu o diagnóstico da surdez. Para atingir os objetivos propostos, foram utilizados trechos dos casos clínicos analisados a fim de contribuir para o desenvolvimento das proposições e articulações teóricas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Camila Campos Curcino Vieira, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Psicóloga na Prefeitura Municipal de Uberlândia. Mestre em Psicologia pela Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

João Luiz Leitão Paravidini, Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Professor Associado do Instituto de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, MG, Brasil.

Referências

Assoun, P.L. (1999). O olhar e a voz. Lições psicanalíticas sobre olhar e voz. (C. P. De Almeida, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Cia de Freud. (Trabalho originalmente publicado em 1995).

Fernandes, L. R. (2000). O olhar do engano. Autismo e o Outro primordial. São Paulo, SP: Escuta.

Formigoni, M.C. et al. (2005). Não é a língua que falta... Reflexões sobre o bilinguismo na educação dos surdos. In S. Pavone, & Y. M. Rafaeli (Orgs.). Audição, voz e linguagem: a clínica e o sujeito (pp. 190-198). São Paulo, SP: Cortez.

Jerusalinsky, J. (2009). A criação da criança: letra e gozo nos primórdios do psiquismo (Tese de doutorado). São Paulo, Brasil: Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. Disponível em https://tede2.pucsp.br/handle/handle/15847

Quinet, A. (2002). Um olhar a mais. Ver e ser visto na psicanálise. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Lacan, J. (1985). O seminário: livro 20: mais ainda (2ª ed., texto estabelecido por J.-A. Miller). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho originalmente publicado em 1972-1973).

Laznik, M.C. (2004) A voz da sereia: O autismo e os impasses na constituição do sujeito. Textos compilados por D. de B. Wanderley. (C. F. Rohenkol, et al, trad.). Salvador, BA: Álgama (Trabalhos originalmente publicados em 1992-2002).

Martini, A., & Junior, N.E.C. (2010). Novas notas sobre “O estranho”. Tempo Psicanalítico, 42(2), 371- 402. Disponível em http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-48382010000200006

Milner, J-C. (2012). O amor da língua. (P. S. de S. Júnior, trad.) São Paulo, SP: Editora da Unicamp. (Trabalho originalmente publicado em 2009).

Nasio, J. D. (1993). Cinco lições sobre a teoria de Jacques Lacan. (V. Ribeiro, trad.) Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho originalmente publicado em 1992).

Porge, E. (2014). Voz do eco. (V. Veras, trad.). Campinas, SP: Mercado das Letras (Trabalho originalmente publicado em 2012).

Porge, E. (2015). As vozes, a voz. In M. E. Maliska (Org.), A voz na psicanálise: suas incidências na constituição do sujeito, na clínica e na cultura (M. E. Maliska, M. M. Furlanetto, trad., pp. 21-45). Curitiba, PR: Juruá.

Roudinesco, E. (2011). Lacan, a despeito de tudo e de todos. (A. Telles, trad.). Rio de Janeiro: Zahar (Trabalho originalmente publicado em 2011).

Souto, L., D’ Agord, M. & Sgarioni, M. (2014). Gozo e mais-de-gozar: do mito à estrutura. Clinica e Cutura, 3 (1), 34-44. Disponível em https://seer.ufs.br/index.php/clinicaecultura/article/view/644

Teixeira, M.R. (2016). O objeto da pulsão (Corpo, Pulsão, Gozo - Curso Campo Psicanalítico de Salvador). Recuperado de https://www.agalma.com.br/wp-content/uploads/2017/10/O-objeto.pdf

Teixeira, M.R. (2016). O objeto da pulsão – Parte II. (Corpo, Pulsão, Gozo - Curso Campo Psicanalítico de Salvador). Recuperado de https://www.agalma.com.br/wp-content/uploads/2017/10/Mais-de-gozar-1.pdf

Vivès, J.-M. (2009). A pulsão invocante e os destinos da voz. (F. R. de Farias, trad.) Psicanálise & Barroco em revista, 7(1), 186-202. Recuperado de http://www.seer.unirio.br/index.php/psicanalise-barroco/article/viewFile/8812/7507

Vorcaro, A., & Catão, I. (2015). Invocação e endereçamento: sobre a sustentação teórica de uma práxis com o infans. In M.E. Maliska (Org.), A voz na psicanálise: suas incidências na constituição do sujeito, na clínica e na cultura (pp. 47-62). Curitiba, PR: Juruá.

Downloads

Publicado

2020-12-28

Como Citar

Vieira, C. C. C., & Paravidini, J. L. L. (2020). A língua de sinais na relação transferencial e sua dupla posição em relação à lalangue. Estilos Da Clinica, 25(3), 501-517. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v25i3p501-517