Consultas Terapêuticas com pais e filhos: o espaço potencial em reconstrução

Autores

  • Leliane Maria Aparecida Gliosce Moreira Universidade Paulista (UNIP)
  • Ivonise Fernandes da Motta Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia. Departamento de Psicologia Clínica, https://orcid.org/0000-0001-5317-4643

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p68-82

Palavras-chave:

Consultas terapêuticas, Psicanálise, Relação pais e filhos, Winnicott

Resumo

O pedido dos pais por atendimento psicológico do filho tem sido estudado por diversos autores da psicanálise. A ênfase do presente artigo está voltada à teoria do relacionamento paterno-infantil, conforme construída por Winnicott (1979). Segundo este autor, condições favoráveis apresentadas pelo ambiente serão facilitadoras para que a criança possa se desenvolver de acordo com o seu potencial na direção do seu amadurecimento emocional desde que haja uma sustentação favorável dos pais. Este artigo visa apresentar consultas terapêuticas com pais e filhos, realizadas em um Serviço Escola de Psicologia, como um método eficaz para investigar e compreender os bloqueios que determinaram a suspensão do percurso de amadurecimento da criança e a promoção do resgate da comunicação entre os pais e os filhos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Leliane Maria Aparecida Gliosce Moreira, Universidade Paulista (UNIP)

Professora Doutora da Universidade Paulista (UNIP), São Paulo, SP, Brasil.

Ivonise Fernandes da Motta, Universidade de São Paulo. Instituto de Psicologia. Departamento de Psicologia Clínica,

Professora Livre-Docente no Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Ancona-Lopez, M. (Org.). (1995). Psicodiagnóstico: processo de intervenção. São Paulo, SP: Cortez.

Cope, K. (2013). Becoming animal, becoming others: What we make with art and literature. American, British and Canadian Studies, (20), 121-138. Recuperado de https://doi.org/10.2478/abcsj-2013-0013

Dias, E. O. (2003). A teoria do amadurecimento de D. W. Winnicott. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Fávero-Nunes, M. Â. (2019). Formação na clínica: uma experiência inicial com crianças e famílias orientada pela Psicanálise. Semina: Ciências Sociais e Humanas, 40(1), 63-76. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1676-54432019000100005&lng=pt&tlng=pt.

Knobel, M. (1977). Psiquiatria infantil psicodinâmica. Buenos Aires: Paidós.

Leoncio, W. A. H. (2009). Consultas terapêuticas de crianças abrigadas e seus pais: uma investigação dos vínculos familiares. Tese (Doutorado). Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo. https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/47/47133/tde-04082009-093017/pt-br.php.

Lescovar, Gabriel Zaia. (2004). As consultas terapêuticas e a psicanálise de D. W. Winnicott. Estudos de Psicologia (Campinas), 21(2), 43-61. https://dx.doi.org/10.1590/S0103-166X2004000200004

Motta, I. F. da (2008). O Inconsciente em debate: Winnicott: algumas implicações para a prática psicanalítica. In Hermann, M. C. (Org.), O inconsciente e a clínica psicanalítica (pp. 61-77): Universidade Metodista de São Paulo.

Petri, I. S., & Rodrigues, R. F. L. (2020). Um olhar sobre a importância do brincar e a repercussão do uso da tecnologia nas relações e brincadeiras na infância. Research, Society and Development, 9(9). Recuperado de https://doi.org/10.33448/rsd-v9i9.7368

Rodrigues, Claudia Mazzer, & Mishima-Gomes, Fernanda Kimie Tavares. (2013). As flores estão brotando: atendimento infantil em consultas terapêuticas. Psicologia Clínica, 25(1), 89-100. https://doi.org/10.1590/S0103-56652013000100006

Scaduto, A. A., Cardoso, L. M., & Heck, V. S. (2019). Modelos interventivo-terapêuticos em avaliação psicológica: estado da arte no Brasil. Avaliação Psicológica: Interamerican Journal of Psychological Assessment, 18(1), 67-75. https://dialnet.unirioja.es/descarga/articulo/7055701.pdf

Safra, G. (2005). Curando com histórias: A inclusão dos pais na consulta terapêutica da criança. Edições Sobornost.

Serralha, C. A. (2019). O espaço potencial: da origem à evolução. Estilos da Clinica, 24(1), 157-172. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v24i1p157-172

Serralha, C. A., Espote, R. , Arruda S. A. V., Silva, M. S., & Silva, T. B. (2016) . Consultas terapêuticas familiares no tratamento do comportamento agressivo em crianças. Interação em Psicologia (Online), 20, 151-159. doi: http://dx.doi.org/10.5380/psi.v20i2.33911

Polity, E. (2002). Algumas considerações sobre o espaço potencial. Psicologia: teoria e prática, 4(1), 21-28. http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-36872002000100003&lng=pt&tlng=pt

Winnicott, D. W. (1975). O brincar e a realidade (J. O. A. Abreu & V. Nobre, trads.). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Trabalho original publicado em 1971).

Winnicott, D. W. (1982). O ambiente e os processos de maturação: estudos sobre a teoria do desenvolvimento emocional. (I. C. S. Ortiz, trad.). Porto Alegre, RS : Artes Médicas. (Trabalho original publicado em 1979).

Winnicott, D. W. (1984). Consultas Terapêuticas em Psiquiatria Infantil. (J. M. X. Cunha, trad). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1971).

Winnicott, D. W. (2000). Da Pediatria à Psicanálise. (D. Bogomotez, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1958).

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Moreira, L. M. A. G., & Motta, I. F. da. (2021). Consultas Terapêuticas com pais e filhos: o espaço potencial em reconstrução. Estilos Da Clinica, 26(1), 68-82. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p68-82