A criança, a palavra e o brincar: enlaces possíveis

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p99-114

Palavras-chave:

Criança, Brincar, Palavra, Simbolização

Resumo

Psicólogos e psicanalistas de crianças concordam que o brincar é uma atividade comum nos atendimentos clínicos. Contudo, quais seriam as especificidades desta clínica e qual seria a função do brincar nos atendimentos clínicos? Partindo do campo bibliográfico de autores cuja orientação é a psicanálise lacaniana, este artigo pretende explicar o lugar do brincar no atendimento clínico infantil e sua relação com as especificidades que envolvem a criança, enquanto sujeito do inconsciente atravessado pela palavra. É pelo que diz de si mesma e do mundo a seu redor, que a criança entra em análise, utilizando do brincar como um suporte da cadeia significante. Ademais, o psicanalista de crianças precisa atentar para os novos modos de brincar e sua relação com os novos sintomas – respostas frente ao real da contemporaneidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Athayde, C. (Produtor, Diretor), & MV Bill (Produtor, Diretor). (2006). Falcão: Meninos do Tráfico [Vídeo]. Rio de Janeiro, RJ: Central Única das Favelas. Recuperado de https: https://www.youtube.com/watch?v=w6PWF1u3rhc

Castro, H. A. de M. (2017). O brincar e o indizível na clínica do abuso sexual infantil. In C. França (Org.). Ecos do silêncio: reverberações do traumatismo sexual (pp. 117-140). São Paulo, SP: Blucher.

Dor, J. (1989). Introdução à leitura de Lacan: o inconsciente estruturado como uma linguagem. Porto Alegre, RS: Artmed.

Ferreira, T. (2017). A escrita da clínica: psicanálise com crianças (3a ed.). Belo Horizonte, MG: Autêntica Editora.

Freud, S. (1982). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18, pp. 13-156). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920a).

Freud, S. (1982). Associações de uma criança de quatro anos de idade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18, pp. 281-282). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920b).

Freud, S. (1982). A interpretação dos sonhos. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 4, pp. 11-734). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1900).

Freud, S. (1982). A negativa. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 19, pp. 263-272). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1925).

Freud, S. (1982). Novas conferências introdutórias sobre psicanálise: Conferência XXXIV. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 22, pp. 135-154). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1932).

Freud, S. (1982). O ego e o id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 19, pp. 15-82). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1923).

Freud, S. (1982). Três ensaios sobre a teoria da sexualidade. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 7, pp. 119-229). Rio de Janeiro, RJ: Imago (Trabalho original publicado em 1905).

Gueller, A. S. (2013). O jogo do jogo. In A. Gueller & A. Souza (Orgs.), Psicanálise com crianças: Perspectivas teórico-clínicas (2ª ed., pp. 153-169). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Jerusalinsky, A. (2003). As crianças do “ready made”. In A. M. Meira (Org.), Novos sintomas (pp. 37-40). Salvador, BA: Ágalma.

Lacan, J. (1981). O seminário, livro 1: os escritos técnicos de Freud, 1953-1954. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor (B. Milan, versão brasileira, trabalho original publicado em 1975).

Lacan, J. (1998). O estádio do espelho como formador da função do eu. In: J. Lacan. Escritos (V. Ribeiro, trad., pp.96-103). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor. (Trabalho original publicado em 1949).

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 5: as formações do inconsciente, 1957-1958. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor. (V. Ribeiro, trad., trabalho original publicado em 1998).

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise, 1964. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar Editor. (M.D. Magno, trad., trabalho original publicado em 1986).

Lacan, J. (2015, 25 de março). Do discurso psicanalítico: Conferência de Lacan em Milão em 12 de maio de 1972. Trilhar Caminhos em Psicanálise [Blog]. Recuperado de: https://trilhardotorg.wordpress.com/2015/03/25/conferencia-de-lacan-em-milao-em-12-de-maio-de-1972-parte-2-traducao-de-sandra-regina-felgueiras/.

Magalhães, S. C. (2013). A criança em nós. Salvador, BA: Associação Científica Campo Psicanalítico, Editora Álgama.

Meira, A. M. (2003). Pequenos brinquedos, jogos sem fim – os sintomas no brincar da criança contemporânea. In A. M. Meira (Org.), Novos sintomas (pp.41-53). Salvador, BA: Editora Ágalma.

Morgenstern, A.; Ferreira, A. de M. & Ferreira, M. P. (2013). Especificidade da clínica psicanalítica com crianças: uma diversidade de olhares. In A. Gueller & A. Souza (Orgs.), Psicanálise com crianças:perspectivas teórico-clínicas (2ª ed., pp. 101-121). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Patti, A. R. & Romão, L. M. S. (2011). Que voz de criança fala no tráfico? Psicologia Argumento, 29 (66), 269-283.

Pérez, B. C.& Jardim, M. D. (2015). Os lugares da infância na favela: da brincadeira à participação. Psicologia & Sociedade, 27(3), 494-504. https://doi.org/10.1590/1807-03102015v27n3p494

Pena, B. F.(2007). As vicissitudes da repetição. Revista Reverso, 29(54), 83-88. Recuperado de: http://pepsic.bvsalud.org/pdf/reverso/v29n54/v29n54a12.pdf

Souza, A. S. L. de. (2013). Melanie Klein e o brincar levado a sério: rumo à possibilidade de análise com crianças. In: A. Gueller & A. Souza (Orgs.), Psicanálise com crianças: perspectivas teórico-clínicas (2ª ed., pp. 125-136). São Paulo, SP: Casa do Psicólogo.

Souza, T. P. (2017). Função paterna e agressividade do comportamento do adolescente autor de ato infracional. Revista Leitura Flutuante, 9 (2), 14-32. Recuperado de: https://revistas.pucsp.br/index.php/leituraflutuante/article/view/36294.

Winnicott, D.W. (1975). O brincar e a realidade. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Souza, T. P. (2021). A criança, a palavra e o brincar: enlaces possíveis. Estilos Da Clinica, 26(1), 99-114. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p99-114