A constituição subjetiva no grafo do desejo de Lacan

Autores

  • Renato Jesus Aparecido de Praga Palma Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Marco Antonio Coutinho Jorge Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p160-179

Palavras-chave:

Constituição do sujeito, Grafo do desejo, Real, Simbólico, Imaginário

Resumo

O presente trabalho objetiva discorrer sobre como a psicanálise considera o processo de constituição do sujeito, tomando como base o grafo do desejo estabelecido por Jacques Lacan no final da década de 50 como modelo que coloca em correlação o processo de constituição subjetiva e os processos encontrados em uma análise. Será realizada uma investigação sobre a subversão da ordem instintual quando se é constituído pelo significante. Para isso, considerou-se necessário abordar o decurso das primeiras relações da criança com o outro, tratando das relações do sujeito mítico da necessidade, do atravessamento da demanda, e do seu mais além, o desejo.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renato Jesus Aparecido de Praga Palma, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Psicanalista; Psicólogo clínico do Exército Brasileiro; Membro associado do Corpo Freudiano – Escola de Psicanálise, Seção Rio de Janeiro; doutorando em Psicanálise pelo Programa de Pós-graduação em Psicanálise do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Mestre e Especialista em Psicanálise pela mesma Universidade.

Marco Antonio Coutinho Jorge, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Psicanalista, Psiquiatra. Diretor do Corpo Freudiano – Escola de Psicanálise, Seção Rio de Janeiro; Professor associado e Chefe do Departamento de Psicanálise do Instituto de Psicologia da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Referências

Bernardes, A. C. (1999). Sujeito suposto saber e dialética do desejo. In: O desejo é o diabo: as formações do inconsciente em Freud e Lacan. Rio de Janeiro, RJ: Contra Capa.

Cabas, A. G. (2010). O sujeito na psicanálise de Freud a Lacan: da questão do sujeito ao sujeito em questão. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Clavurier, V. (2010). Réel, symbolique, imaginaire: du repère au noeud. Essaim, 25, 83-86.

Jorge, M. A. C. (2000). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan – v.1: as bases conceituais. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Jorge, M. A. C. (2010). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan – v.2: a clínica da fantasia. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Jorge, M. A. C. (2017). Fundamentos da psicanálise de Freud a Lacan – v.3: a prática analítica. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Eidelszein, A. (2005). El grafo del deseo. Buenos Aires, Argentina: Letra Viva.

Fink, B. (1998). O sujeito lacaniano: entre a linguagem e o gozo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Freud, S. (1998a). Tres ensayos de teoría sexual. In S. Freud Obras completas (Jose L. Etcheverry, trad., Vol. 7, pp. 109-224). Buenos Aires, Argentina: Amorrortu Editores (trabalho original publicado em 1905).

Freud. (1998b). Introducción del narcisismo. In S. Freud Obras completas (Jose L. Etcheverry, trad., Vol. 14, pp. 65-98). Buenos Aires, Argentina: Amorrortu Editores (trabalho original publicado em 1914).

Iglesias, E. L. (1996). Aspectos topológicos do grafo do desejo. Cógito, 1, 29-33. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1519-94791996000100006.

Lacan, J. (1953). O Simbólico, o Imaginário, o Real. Biblioteca Jacques Lacan. Recuperado de http://psicoanalisis.org/lacan/rsi-53.htm.

Lacan, J. (1976). Conférences et entretiens dans des universités nord-américaines. In Scilicet 6/7. Paris: Seuil.

Lacan, J. (1985). O seminário, livro 2: O eu na teoria de Freud e na técnica da psicanálise. (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1954-55).

Lacan, J. (1991). O seminário, livro 7: A ética da psicanálise. (A. Quinet, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1959-60).

Lacan, J. (1992). O seminário, livro 8: A transferência. (D. D. Estrada, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1960-61).

Lacan, J. (1995). Algumas reflexões sobre o eu. Papéis: boletim interno do Corpo Freudiano, 2, 31-45 (Trabalho original publicado em 1951).

Lacan, J. (1995a). O seminário, livro 4: A relação de objeto. (D.D. Estrada, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1956-57).

Lacan, J. (1999). O seminário, livro 5: As formações do inconsciente. (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1957-58).

Lacan, J. (1998a). O estádio do espelho como formador da função do eu tal como nos é revelada na experiência psicanalítica. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 96-103). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1949).

Lacan, J. (1998b). A coisa freudiana. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 402-437). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1955).

Lacan, J. (1998c). O seminário sobre a carta roubada. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 13-66). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1956).

Lacan, J. (1998d). A instância da letra no inconsciente ou a razão desde Freud. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 496-533). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1957).

Lacan, J. (1998e). A direção do tratamento e os princípios de seu poder. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 591-652). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1958).

Lacan, J. (1998f). Subversão do sujeito e dialética do desejo no inconsciente freudiano. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 807-842). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1960).

Lacan, J. (1998g). Posição do inconsciente no Congresso de Bonneval. In. J. Lacan, Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 843-864). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1964 [1960]).

Lacan, J. (2003). Radiofonia. In. J. Lacan, Outros Escritos. (V. Ribeiro, trad., pp. 400-447). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1970).

Lacan, J. (2005). O seminário, livro 10: A angústia. (V. Ribeiro, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1962-63).

Lacan, J. (2007). O seminário, livro 23: o sinthoma. (S. Laia, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1975-76).

Lacan, J. (2008). O seminário, livro 11: os quatro conceitos fundamentais da psicanálise. (M. D. Magno, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1964).

Lacan, J. (2016). O seminário, livro 6: O desejo e sua interpretação. (C. Berliner, trad.). Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Apresentação oral em 1958-59).

Lacan, J. (n.d). seminário 22: R.S.I. Versión completa de la Escuela Freudiana de Buenos Aires (Apresentação oral em 1974-75).

Laplanche, J.; Pontalis, J. B. (2004). Vocabulário da Psicanálise. (P. Tamen, trad.) São Paulo, SP: Martins Fontes.

Ogilvie, B.(1991). Lacan: a formação do conceito de sujeito. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Roudinesco, E. (2006). A análise e o arquivo. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Saussure, F. (2004). Curso de linguística geral. São Paulo, SP: Cultrix.

Sirelli, N. M. (2010). Alienação e separação: a lógica do significante e do objeto na constituição do sujeito. (Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia, Instituto de Psicologia, Universidade Federal de São João del- Rei).

Tendlarz, S. E. (2001). R.S.I.: el falo. Buenos Aires: ICBA.

Wallon, H. (1971). As origens do caráter da criança. São Paulo, SP: Difusão Europeia do Livro.

Wine, N. (1992). Pulsão e inconsciente: a sublimação e o advento do sujeito. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Žižek, S. (1992). Eles não sabem o que fazem: o sublime objeto da ideologia. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar.

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Palma, R. J. A. de P., & Jorge, M. A. C. (2021). A constituição subjetiva no grafo do desejo de Lacan. Estilos Da Clinica, 26(1), 160-179. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p160-179