Automutilações na adolescência: reflexões sobre o corpo e o tempo

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p129-144

Palavras-chave:

Automutilação, Adolescência, Corpo, Arcaico

Resumo

O objetivo deste artigo é analisar o fenômeno das automutilações na adolescência a partir da articulação do registro do corpo à dimensão arcaica do tempo. As automutilações se caracterizam pelo ato de ferir o próprio corpo voluntariamente, sem intenção consciente de morte. É através do corpo que se manifesta um sofrimento que ultrapassa os limites psíquicos do sujeito, encontrando uma via de expressão radical daquilo que o faz sofrer. O caráter radical desta resposta aponta para a complexidade dos primórdios da constituição psíquica. Neste cenário, propõe-se compreender as automutilações na adolescência como uma via atual através da qual algumas vivências da ordem do arcaico se apresentariam. Elas conjugariam, em um curto-circuito do tempo, passado e presente, abrindo caminhos para a ressignificação de vivências irrepresentáveis.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Natália de Oliveira de Paula Cidade, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Psicóloga clínica da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) e bolsista CAPES. Doutorado com período sanduíche na Université Paris-Descartes (Paris V) sob co-orientação do professor Alberto Konicheckis com bolsa CAPES/PDSE. Durante o período sanduíche, realizou estágio clínico na Maison de Solenn (Maison des adolescents - MDA), unidade de saúde vinculada ao hospital universitário Cochin e a Université Paris-Descartes (Paris V), voltada exclusivamente para o atendimento de adolescentes, sob orientação da professora Marie Rose Moro. Mestre em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC-Rio (2016), bolsista CNPq. Possui especialização pelo Instituto de Psiquiatria da Universidade Federal do Rio de Janeiro - IPUB/UFRJ (2014). Graduação em Psicologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ (2011). Membro do Laboratório de Pesquisa Constituição Psíquica e Clínica Psicanalítica (LabPsi) desde 2016. Atua na área de Psicologia Clínica e Psicanálise com adultos e adolescentes.

Silvia Maria Abu-Jamra Zornig, Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio)

Pós-Doutora em Saúde da Criança e da Mulher pelo Instituto Fernandes Figueira/FIOCRUZ, bolsista CNPq. Doutora em Psicologia Clínica pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Mestre em Saúde Mental pela Columbia University, New York.

Professora Associada do Programa de Pós-Graduação e Graduação em Psicologia Clínica da PUC-Rio. Coordenadora do Curso de Especialização em Psicologia Clínica com crianças da PUC-Rio. Membro do GT da ANPEPP, Parentalidade e Desenvolvimento Infantil em diferentes contextos. Co-coordenadora do acordo internacional estabelecido entre o Laboratório de Psicopatologia, Psicanálise e Perinatalidade, da Universidade Paris-Descartes e a PUC-Rio. Coordenadora nacional da pesquisa internacional sobre O Brincar, Arte e Criação, estabelecida com o Centro de Pesquisa em Psicopatologia e Psicologia Clínica da Universidade Lumière Lyon 2. Professora visitante do Instituto de Psicologia da Universidade Paris-Descartes (2013, 2014, 2015, 2016) e da Universidade Lumière Lyon 2 (2016, 2017). Coordenadora do Laboratório sobre Clínica Psicanalítica e Constituição Psíquica (LABPSI). Ex presidente ( 2008-2010) e membro fundador da Associação Brasileira de Estudos sobre o Bebê (ABEBE). Membro da World Association for Infant Mental Health (WAIMH). Membro da Associação Brasileira Universitária de Psicopatologia Fundamental. Membro-psicanalista da Sociedade de Psicanálise Iracy Doyle. Membro do Comitê Editorial das revistas internacionais Cliniques e Champ Psychossomatique. Atua nas áreas de Psicologia, Psicanálise e Clínica da Infância e da Adolescência, desenvolvendo pesquisas sobre os processos de simbolização primários, clínica dos primórdios e o processo de construção da paternidade e da maternidade.

Referências

André, J. (2008). O acontecimento e a temporalidade: o après-coup no tratamento. Revista Psicanálise e Cultura, 31(47), 139-167.

Barrault, C. (2005). L’adolescence à fleur de peau: se couper pour exister. (Tese de doutorado). Université Henri Poincaré – Nancy I, Nancy, França.

Birraux, A. (2013). L’adolescent face à son corps. Paris: Albin Michel. (Originalmente publicado em 1994).

Braconnier, A. & Golse, B. (2008). Bébés-ados: crises et chuchotements. Toulouse: Érès.

Cardoso, M. R. (2001). Adolescência e violência: uma questão de “fronteiras”? In M. R. Cardoso (Org.), Adolescência: reflexões psicanalíticas (pp. 41-53). Rio de Janeiro: Nau.

Cardoso, M. R. (Org.). (2006). Adolescentes. São Paulo: Escuta.

Cardoso, M. R. (2014). Dependência e adolescência: a recusa da diferença. Ágora, 17, 63-74.

Chouvier, B. (2008). L’acte symbolique: donner um corps au fantasme. In B. Chouvier & R. Roussillon (Orgs.), Corps, acte et symbolisation (pp. 7-20). Bruxelles: De Boeck.

Ciccone, A. (2011). La psychanalyse à l’épreuve du bébé. Paris: Dunod.

Cidade, N. (2020). A dimensão arcaica das automutilações: descontinuidades nos primórdios da vida. (Tese de doutorado). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Cidade, N. & Zornig, S. (2016). Trauma, temporalidade e inscrição psíquica. Cadernos de Psicanálise – CPRJ, 38(35), 29-47.

Corcos, M. & Richard, B. (2006). L’emotion mutilée: approche psychanalytique des automutilations à l’adolescence. La psychiatrie de l’enfant, 2(2),459-476. Doi : https://doi.org/10.3917/psye.492.0459

Dargent, F. (2010). Corps scarifié, adolescence marquée. Revue française de psychosomatique, 2(38), 131-143.

Dargent, F. & Matha, C. (2011). Blessures de l’adolescence. Paris: PUF.

Demantova, A. G. (2017). Escarificações na adolescência: corpo atacado, corpo marcado. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Favazza, A. (2011). Bodies under siege: self-mutilation, nonsuicidal self-injury, and body modification in culture and psychiatry (3ª ed.). Baltimore: John Hopkins University Press. (Originalmente publicado em 1987).

Feldman, M. D. (1988). The challenge of self-mutilation: a review. Comprehensive Psychiatry, 29, 252-69.

Fontes, I. (2010). Psicanálise do sensível: fundamentos e clínica. São Paulo: Ideias & Letras.

Freud, S. (1996a). Carta 52. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 1, pp. 281-287). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente escrito em 1896 e publicado em 1950).

Freud, S. (1996b). Lembranças encobridoras. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 3, pp. 285-304). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1899).

Freud, S. (1996c). Sobre o narcisismo: uma introdução. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 77-108). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1914).

Freud, S. (1996d). Os instintos e suas vicissitudes. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 14, pp. 117-144). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1915).

Freud, S. (1996e). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 18, pp. 12-75). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1920).

Freud, S. (1996f). O Ego e o Id. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 19, pp. 15-80). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente publicado em 1923).

Freud, S. (1996g). Moisés e o monoteísmo. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão, trad., Vol. 23, pp. 15-150). Rio de Janeiro: Imago. (Originalmente escrito entre 1934 e 1938 e publicado em 1939).

Gicquel, L. & Corcos, M. (2011). Les automutilations à l’adolescence. Paris: Dunod.

Giusti, J. S. (2013). Automutilação: características clínicas e comparação com pacientes com transtorno obsessivo-compulsivo. (Tese de doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Golse, B. & Desjardins, V. (2005). Corpo, formas, movimentos e ritmo como precursores da emergência da intersubjetividade e da palavra no bebê (uma reflexão sobre os inícios da linguagem verbal). Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 8(1), 14-29.

Golse, B. & Roussillon, R. (2010). La naissance de l’objet. Paris: PUF.

Green, A. (1990). Après coup, l’archaïque. In A. Green, La folie privée (pp. 259-291). Paris: Gallimard. (Originalmente publicado em 1982).

Konicheckis, A. (1999). Identité sensorielle chez le bébé et chez l’adolescent. Adolescence, 139-149.

Laplanche, J. & Pontalis, J.-B. (1970). Vocabulário da psicanálise (5ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. (Originalmente publicado em 1967).

Lorthiois, M. M. (1909). De l’automutilation: mutilations et suicides étranges. Paris: Vigot Frères.

Marty, F. (2007). À propos de la résistance narcissique à l’investissement de l’objet de l’adolescence. In A. Braconnier (Org.), L’adolescence aujourd’hui (pp. 43-49). Toulouse: Érès.

Marty, F. (2010). Adolescence et émotion, une affaire de corps. Enfances & Psy, 4(49), 40-52. doi: https://www.cairn.info/revue-enfances-et-psy-2010-4-page-40.htm.

Mayer, H. (2001). Passagem ao ato, clínica psicanalítica e contemporaneidade. In M. R. Cardoso (Org.), Adolescência: reflexões psicanalíticas (pp. 81-101). Rio de Janeiro: Nau.

Menninger, K. (1970). Eros e tânatos: o homem contra si próprio. São Paulo: Ibrasa. (Originalmente publicado em 1938).

Moro, M. R. (2008). Narrativité et traumatisme. In A. Braconnier & B. Golse (Orgs.), Bébés-ados: crises et chuchotements (pp. 187-199). Toulouse: Érès.

Pattison, E. M. & Kahan, J. (1983). The deliberate self-harm syndrome. American Journal of Psychiatry, 140(7), 867-872.

Pao, P-N. (1969). The syndrome of delicate self-cutting. British Journal of Medical Psychology, 42, 195-206.

Rosenthal, R. J.; Rinzler, C.; Wallsh, R. & Klausner, E. (1972). Wrist-cutting syndrome: the meaning of a gesture. American Journal of Psychiatry, 128(11), 1363-1368.

Ross, R. R. & McKay, H. B. (1979). Self-mutilation. Lexington, MA: Lexington Books

Pommereau, X. (2006). Les violences cutanées auto-infligées à l’adolescence. Enfances & Psy, 3(32), 58-71. doi: https://doi.org/10.3917/ep.032.0058

Richard, B. (2005). Les comportements de scarification chez l’adolescent. Neuropsychiatrie de l’enfance et de l’adolescence, 53, 134-141.

Roussillon, R. (1999). Agonie, clivage et symbolisation. Paris: PUF.

Roussillon, R. (2004). À l’écoute du bébé dans l’adulte. Exploration en psychanalyse. Recuperado de https://reneroussillon.com/symbolisation/48-2/

Roussillon, R. (2007). Le Moi-peau et la réflexivité. In C. Chabert; D. Cupa ; R. Kaës & R. Roussillon (Orgs.), Didier Anzieu: le Moi-peau et la psychanalyse des limites (pp. 89-102). Toulouse: Érès. (Trabalho original publicado em 2007).

Roussillon, R. (2008). Corps et actes messagers. In B. Chouvier & R. Roussillon (Orgs.), Corps, acte et symbolisation (pp. 23-37). Bruxelles: De Boeck.

Roussillon, R. (2010a). La perte du potentiel. perdre ce qui n’a pas eu lieu. In A. Braconnier & B. Golse (Orgs.), Dépression du bébé, dépression de l’adolescent (pp. 251-264). Toulouse: Érès.

Roussillon, R. (2010b). La psychanalyse à l’écoute de l’histoire archaïque et la communication non verbale. In B. Cramer, S. Eliez & B. Solca (Orgs.), Des psychanalystes en pédopsychiatrie (pp. 96-117). Paris: PUF.

Roussillon, R. (2011). Primitive agony and symbolization. Londres: Karnac.

Savietto, B. (2007). Passagem ao ato e adolescência contemporânea: pais “desmapeados”, filhos desamparados. Revista Latinoamericana de Psicopatologia Fundamental, 10(3), 438-453, 2007.

Scaramozzino, S. (2004). Pour une approche psychiatrique de l’automutilation: implications nosographiques. Champ Psy, 4(36), 25-38. doi: https://doi.org/10.3917/cpsy.036.0025

Suyemoto, K. L. & Macdonald, M. L. (1995). Self-cutting in female adolescents. Psychotherapy: Theory, Research, Practice, Training, 32(1), 162-171. doi: https://doi.org/10.1037/0033-3204.32.1.162

Downloads

Publicado

2021-04-29

Como Citar

Cidade, N. de O. de P., & Zornig, S. M. A.-J. (2021). Automutilações na adolescência: reflexões sobre o corpo e o tempo. Estilos Da Clinica, 26(1), 129-144. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i1p129-144