Do mal-estar ao educar: desdobramentos do diálogo entre psicanálise e educação

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p368-382

Palavras-chave:

Educação, Psicanálise, cultura, autoridade

Resumo

O presente artigo se inclina sobre os efeitos do encontro da psicanálise com a educação, cuja origem se situa num período inicial dos escritos de Freud, quando ainda idealizava a profilaxia das neuroses por meio de uma reforma na educação e na cultura. Ideal que se revelou uma ilusão diante da teorização sobre a pulsão de morte e a compulsão à repetição. Fundamentada em importantes estudos no campo da conexão Psicanálise-Educação, propõe-se aqui uma análise do atual cenário dos ideais que rondam a Educação, especialmente, a aposta num pretenso domínio científico, visando formar alunos cognitivamente e emocionalmente ideais. Esse percurso permite apurar uma crise proporcional ao volume de teorias em Educação, o que justifica situar a psicanálise como via privilegiada pela qual é possível redimensionar os ideais colocados nesse campo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Elisabete Aparecida Monteiro, Universidade de São Paulo. Faculdade de Educação

Psicanalista. Pós-doutora em Educação pela Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Mariângela de Andrade Máximo Dias, Centro Universitário Salesiano de São Paulo

Psicanalista. Doutora em Psicologia Clínica pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Docente do curso de Psicologia do Centro Universitário Salesiano de São Paulo. São Paulo, SP, Brasil.

Referências

Balbo, G. (1992). Demanda e transferência. Educa-se uma criança? Boletim da Associação Psicanalítica de Porto Alegre. [S.l.: s.n.].

Bergès, J. & Balbo, G. (2001). A atualidade das teorias sexuais infantis (F, F, Settineri, trad). Porto Alegre: CMC. (Primeira públicação de apresentação oral realizada em 1997).

Dias, M. A. M. & Lemos, M. T. G de. (2010). O saber, o não-saber e suas consequências para as experiências institucionais. Revista Literal da Escola de Psicanálise de Campinas, (13), 187-194.

Dor, J. (1991). O pai e sua função em psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1989).

Freud, S. (1995). Estudos sobre a histeria. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. I). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1895).

Freud, S. (1988). O esclarecimento sexual das crianças. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. IX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1907).

Freud, S. (1988a). Moral sexual “civilizada” e doença nervosa moderna. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. IX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1908).

Freud, S. (1988b). Sobre as teorias sexuais das crianças. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. IX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1908).

Freud, S. (1995). O interesse científico da psicanálise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. XIII). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1913).

Freud, S. (1988). Além do princípio do prazer. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. XVIII). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1920).

Freud, S. (1988). Um estudo autobiográfico. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. XX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1925).

Freud, S. (1988). As resistências à psicanálise. In S. Freud, Edição standard brasileira das obras psicológicas completas de Sigmund Freud (J. Salomão trad., Vol. XIX). Rio de Janeiro, RJ: Imago. (Trabalho original publicado em 1925).

Guimarães, C. H. M. M. (2006). A teoria sexual infantil e o discurso dos pais. Revista Literal da Escola de Psicanálise de Campinas, (9), 19-32.

Jones, E. (1979). Vida e obra de Sigmund Freud. Rio de Janeiro, RJ: Zahar. (Trabalho original publicado em 1961).

Lajonquière, L. de (1999). Infância e ilusão (psico)pedagógica: escritos de psicanálise e educação. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lajonquière, L. de (2010). Figuras do infantil: a psicanálise na vida cotidiana com as crianças. Petrópolis, RJ: Vozes.

Lebrun, J.-P. (2004). Um mundo sem limite: ensaio para uma clínica psicanalítica do social. Rio de Janeiro: Companhia de Freud. (Trabalho original publicado em 2001).

Lemérer, B. (1999). Algumas reflexões a partir do texto de Freud sobre as teorias sexuais infantis. A criança e o saber [número especial]. Letra Freudiana, 23.

Millot, C. (1995). Freud antipedagogo. Rio de Janeiro: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 1979).

Monteiro, E. A. (2016). Entre professor e aluno: um estudo psicanalítico sobre transferência. Campinas, SP: Mercado de Letras.

Pommier, G. (1999). O conceito psicanalítico de infância. In Trata-se uma criança. I Congresso Internacional de Psicanálise e suas conexões. Rio de Janeiro, RJ: Companhia de Freud.

Soler, C. (2005). O que Lacan dizia das mulheres. Rio de Janeiro, RJ: Jorge Zahar. (Trabalho original publicado em 2003).

Downloads

Publicado

2021-08-30

Como Citar

Monteiro, E. A., & Dias, M. de A. M. (2021). Do mal-estar ao educar: desdobramentos do diálogo entre psicanálise e educação. Estilos Da Clinica, 26(2), 368-382. https://doi.org/10.11606/issn.1981-1624.v26i2p368-382