PROJETAR-COM: O ARQUITETO COMO “AUTOR-REDE” EM MOVIMENTO

Autores

  • Rodrigo Neves Costa Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Giselle Arteiro Nielsen Azevedo Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Rosa Maria Leite Pedro Universidade Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v12i2.120037

Palavras-chave:

Teoria Ator-Rede (TAR), Concepção, Projeto Arquitetônico.

Resumo

A Teoria Ator-Rede (TAR) foi gerada nos estudos de sociologia da ciencia e da tecnologia e tem sido usada em outros campos, como a arquitetura. Porém, ainda existem dificuldades de compreensao e transposiçao dos conceitos propostos, principalmente pelo seu caráter inovador. Assim, este artigo discute o projeto de arquitetura, especialmente o processo de concepçao, propondo uma abordagem a partir das noçoes da teoria. Considerando características do processo de concepçao extraídas da literatura arquitetônica, propomos considerar o projeto como uma construçao coletiva, em que humanos e nao humanos se articulam ativamente, sustentando problema e soluçao. Neste caso, tratamos arquiteto como um “autor-rede”, pois a autoria do projeto está mais ligada a capacidade de traduçao – as associaçoes realizadas – do arquiteto do que a concepçao do objeto em si, reconhecendo a agencia de outros atores. Sobre o processo, a proposta é estar atento as açoes que ocorrem na prática, observando as estratégias utilizadas para incorporaçao de requisitos ao projeto, as traduçoes realizadas pelo arquiteto. Nao é tanto olhar para o produto, mas para sua construçao. Isso diz respeito também a considerar a edificaçao como um projeto em movimento, um fluxo contínuo de transformaçoes.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Rodrigo Neves Costa, Universidade Federal do Rio de Janeiro
    Doutorando no Programa de Pós-Graduação em Arquitetura (PROARQ/FAU/UFRJ). Arquiteto do quadro permanente da Fundação Oswaldo Cruz e Coordenador de Projetos. Mestre em Arquitetura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Especialista em Conforto e Edificações Sustentáveis pela Universidade Gama Filho.
  • Giselle Arteiro Nielsen Azevedo, Universidade Federal do Rio de Janeiro
    Professora Associada, Docente do Quadro Permanente do Programa de Pós-Graduação em Arquitetura (PROARQ) da FAU/UFRJ e Coordenadora do Grupo Ambiente-Educação (GAE), registrado no Diretório Nacional Grupos de Pesquisa CNPq. Doutora em Engenharia de Produção pela Universidade Federal do Rio de Janeiro.
  • Rosa Maria Leite Pedro, Universidade Federal do Rio de Janeiro
    Doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Professor Associado IV da Universidade Federal do Rio de Janeiro e professora permanente do Programa de Pós-Graduação em Psicologia (PPGP) do Instituto de Psicologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro, onde integra a linha de pesquisa "Processos Psicossociais e Coletivos". Líder do Grupo de Pesquisa & Cultura Contemporânea: subjetividade, conhecimento e tecnologia (CNPq).

Referências

ARENDT, R. Emoções e mídia. In: JACÓ-VILELA, A.; SATO, L. Diálogos em psicologia social. Porto Alegre: Evangraf, 2007. p. 275-286.

BLOOR, D. Conhecimento e imaginário social. Tradução de Marcelo do Amaral Penna-Forte. São Paulo: Unesp, 2009.

CROSS, N. Designerly ways of knowing: design discipline versus design science. Design Issues, Cambridge, MA, v. 17, n 3, p. 49-55, 2001.

FALLAN, K. Architecture in action: traveling with actor-network theory in the land of architectural research. Architectural Theory Review, Abingdon, v. 13, n. 2, p. 80-96, 2008.

GIERYN, T. F. What buildings do. Theory and Society, Cham, v. 31, n. 1, p. 35-74, 2002.

GUGGENHEIM, M. Mutable immobiles. Change of use of buildings as a problem of quasi-technologies. In: FARIAS, I.; BENDER, T. H. Urban assemblages: how actor-network theory changes urban studies. Abingdon: Routledge, 2009. p. 161-178.

LATOUR, B. A esperança de Pandora: ensaios sobre a realidade dos escudos científicos. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Bauru: Edusc, 2001.

LATOUR, B. The promises of constructivism. In: IHDE, D.; SELINGER, E. (Eds.). Chasing technoscience: matrix for materiality. Bloomington: Indiana University Press, 2003. p. 27-46.

LATOUR, B. A prologue in form of a dialog between a student and his (somewhat) socratic professor. In: AVGEROU, C.; CIBORRA, C.; LAND. F. (Eds.). The social study of information and communication study. Oxford: Oxford University Press, 2004. p. 62-76.

LATOUR, B. Ciência em ação: como seguir cientistas e engenheiros sociedade afora. 2. ed. Tradução de Ivone C. Benedett. São Paulo: Unesp, 2011.

LATOUR, B. Reagregando o social: uma introdução à teoria do ator-rede. Tradução de Gilson César Cardoso de Sousa. Salvador: Edufba, 2012.

LATOUR, B.; WOOLGAR, S. A vida de laboratório: a produção dos fatos científicos. Tradução de Ângela Ramalho Vianna. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1997.

LATOUR, B.; YANEVA, A. Give me a gun and I will make buildings move: an ANT’s view of architecture. In: GEISER, R. Explorations in architecture: teaching, design, research. Basel: Birkhäuser, 2008. p. 80-89.

LAW, J. Notes on the theory of the actor-network: ordering, strategy and heterogeneity. Systems Practice, Cham, v. 5, n. 4, p. 379-393, 1992.

LAWSON, B. Como arquitetos e designers pensam. 4. ed. Tradução de Maria Beatriz de Medina. São Paulo: Oficina dos textos, 2011.

MARTINEZ, A. C. Ensaio sobre o projeto. Brasília, DF: Universidade de Brasília, 2000.

MOL, A. Ontological politics: a word and some questions. In: LAW, J.; HASSARD, J. (Eds.). Actor network theory and after. Hoboken: Wiley-Blackwell, 1999. p. 123-162.

MORAES, M. PesquisarCOM: política ontológica e deficiência visual. In: MORAES, M.; KASTRUP, V. Exercícios de ver e não ver: arte e pesquisa com pessoas com deficiência visual. Rio de Janeiro: Nau, 2010. p. 26-51.

MORAES, M. Do “PesquisarCOM” ou de tecer e destecer fronteiras. In: TAVARES, G. M.; MORAES, M.; BERNARDES, A. G. Cartas para pensar: políticas de pesquisa em psicologia. Vitória: Edufes, 2014. p. 131-137.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. (Orgs.). Pistas do método da cartografia: pesquisa-intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. 207p.

PEDRO, R. Carta aos parceiros nos coletivos, coautores desta carta. In: TAVARES, G. M.; MORAES, M.; BERNARDES, A. G. Cartas para pensar: políticas de pesquisa em psicologia. Vitória: Edufes, 2014. p. 89-95.

SCHÖN, D. The reflective practitioner. New York: Basic Books, 1983.

VARGAS, C. R. A.; AZEVEDO, G. A. N. Qualidade nos serviços de alimentação: uma proposta de associação da Teoria Ator-Rede (TAR) aos processos de APO. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 1, n. 8, p. 41-53, 2013.

VIANA, L. Q.; RHEINGANTZ, P. A. Arquitetura contemporânea: abordando coletivamente lugar, processo de projeto e materialidade. Gestão e Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 7, n. 1, p. 20-37, 2012.

WINNER, L. Do artifacts have politics? In: WINNER, L. The whale and the reactor: a search for limits in the age of high technology. Chicago: The Chicago University Press, 1989. p. 19-39.

Downloads

Publicado

2017-11-01

Edição

Seção

Artigos

Como Citar

COSTA, Rodrigo Neves; AZEVEDO, Giselle Arteiro Nielsen; PEDRO, Rosa Maria Leite. PROJETAR-COM: O ARQUITETO COMO “AUTOR-REDE” EM MOVIMENTO. Gestão & Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 12, n. 2, p. 103–116, 2017. DOI: 10.11606/gtp.v12i2.120037. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/gestaodeprojetos/article/view/120037.. Acesso em: 13 abr. 2024.