Assistência técnica em habitação de interesse social para promoção do habitat saudável

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v16i4.178679

Palavras-chave:

Habitat saudável, Habitação de interesse social, Assistência técnica, Participação

Resumo

A precariedade das condições de moradia no Brasil tem sérias implicações sobre o habitat saudável. No ano de 2020, o advento da pandemia de Covid-19 acrescentou urgência às discussões acerca da habitação saudável, principalmente nas periferias das cidades; onde se encontram as maiores carências: de habitabilidade, de fornecimento de água, de infraestrutura e saneamento básico. Nesse contexto, a aplicação da Lei 11.888 de 2008, da Assistência Técnica em Habitação de Interesse Social (ATHIS), tem oportunizado o acesso ao trabalho dos profissionais de arquitetura para a população de baixa renda. Além disso, as iniciativas de ATHIS têm buscado a consolidação de projetos de habitação de interesse social que resultem na produção de unidades habitacionais mais saudáveis. O presente artigo apresenta um estudo de caso sobre o processo de desenvolvimento da ATHIS para uma comunidade de 68 famílias da cidade de São Leopoldo, Região Metropolitana de Porto Alegre, estado do Rio Grande do Sul. O objetivo deste estudo é compreender como o processo de ATHIS pôde contribuir para a promoção do habitat saudável naquela comunidade. As técnicas de coleta de dados utilizadas foram: análise de documentos, observação assistemática não-participante e entrevistas semiestruturadas. Os resultados permitiram constatar que:  i) a ATHIS envolvendo a população através de processo participativo, apresenta contribuições para a melhoria das condições de habitabilidade das populações envolvidas; ii) a ATHIS pode contribuir para a consolidação de um habitat saudável através da melhoria da qualidade do ambiente urbano e habitacional, destacando-se as condições básicas de saneamento.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Josiane Andréia Scotton, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura. Programa de Pós-Gradução em Planejamento Urbano e Regional

    Arquiteta e Urbanista graduada pela Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), com especialização em Gestão de Projetos pela Universidade do Oeste de Santa Catarina (UNOESC). Mestre em Planejamento Urbano e Regional pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Pesquisadora na área do planejamento urbano, nos temas da Habitação, direito à moradia, assistência técnica e processos participativos de projeto.

  • Luciana Inês Gomes Miron, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura. Programa de Pós-Gradução em Planejamento Urbano e Regional

    Possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1994), mestrado em Programa de Pós Graduação Em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2002) e doutorado em Programa de Pós Graduação em Engenharia Civil pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (2008). Professora Associada do Departamento de Arquitetura (desde 2006) e do Programa de Pós-Gradução em Planejamento Urbano e Regional da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (desde 2011). Professor visitante - Universidad de la Republica Uruguay (2008 a 2013). Pós-Doutorado (2014-2015) pela University of Huddersfield/UK sob orientação de Lauri Koskela. Tem experiência na área de Planejamento Urbano e Regional atuando principalmente nos seguintes temas: gestão do processo de projeto, gerenciamento dos requisitos do cliente, avaliação de empreendimentos habitacionais de interesse social, gestão e desenvolvimento de projetos urbanos, percepção de valor no ambiente construído e qualidade de vida urbana. 

  • Inês Martina Lersch, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Faculdade de Arquitetura. Programa de Pós-Gradução em Planejamento Urbano e Regional

    possui graduação em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (1999), mestrado no Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil/UFRGS (2003), defendido junto ao Núcleo Orientado para a Inovação da Construção (NORIE/UFRGS), e doutorado no Programa de Pós-Graduação em Planejamento Urbano e Regional da Faculdade de Arquitetura/UFRGS (2014). Recebeu a Menção Honrosa do Prêmio Capes de Tese 2015 da área de Planejamento Urbano e Regional/ Demografia. Atua no Ensino, na Pesquisa e na Extensão, no cargo de Professora Adjunta do Departamento de Urbanismo da Faculdade de Arquitetura/UFRGS. Na Graduação ministra disciplinas como Evolução Urbana e Projeto Urbano e, na Pós-Graduação, disciplinas como Fundamentos Metodológicos da Pesquisa e Urbanismo Moderno e as Cidades Brasileiras, nesta mesma Instituição de Ensino Federal.

Referências

AMORE, C. S. ASSESSORIA E ASSISTÊNCIA TÉCNICA: arquitetura e comunidade na política pública de habitação de interesse social. In: II Seminário Nacional sobre urbanização de favelas - URBFAVELAS, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em <http://www.peabirutca.org.br/wp-content/uploads/athis-2.pdf>. Acesso em 20 de outubro de 2019.

BETIM, F. Tuberculose na Rocinha expõe o Brasil que estacionou no século XIX: favela do Rio de Janeiro tem uma das maiores taxas de incidência da doença no país. El País, Rio de Janeiro, 12 set. 2015.

BOLDRINI, P. (2012). Producción participativa del hábi-tat popular en el área metropolitana de Tucumán (Tesis doctoral). Facultad de Filosofía y Letras (UNT), Tu-cumán.

BOLDRINI, P; MALIZIA, M. Mejora participativa del hábitat en contextos de desigualdad en ciudades intermedias. Hábitat y Sociedad (issn 2173-125X), n.º 13, noviembre de 2020, Universidad de Sevilla, pp. 209-228http://dx.doi.org/10.12795/HabitatySociedad.2020.i13.12

BRASIL, Constituição (1988). Disponível em . Acesso em 4 de novembro de 2019

BRASIL. Lei nº 11.888, de 24 de dezembro de 2008. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2008/Lei/L11888.htm>. Acesso em: jan. 2020.

CANETTIERI, T. Periferia e a Luta por Moradia e Pela Vida em Tempos de Pandemia: Cenários e Desafios. Rev. Ipê Roxo - Jardim/MS, v. 2, n. 1, p. 49-61, 2020.

DOBRY, S. A. Arquitetura e urbanismo participativos: uma gênese. V!RUS, São Carlos, n. 18, 2019. [online]. Disponível em: <http://www.nomads.usp.br/virus/virus18/?sec=4&item=4&lang=pt>. Acesso em: 08 Jul. 2019.

D'OTTAVIANO, Camila (Org.) ; ROVATI, João Farias (Org.). Para além da sala de aula. Extensão Universitária e Planejamento Urbano e Regional. 1. ed. São Paulo: FAUUSP/ANPUR, 2017. v. 1. 146p.

D'OTTAVIANO, Camila (Org.) ; ROVATI, João Farias (Org.). Além dos muros da Universidade: planejamento urbano e regional e Extensão Universitária. 1. ed. São Paulo: FAUUSP, 2019. v. 1. 202p.

FRIZZI, G.; PINHO, C. M. D. DE. ÍNDICE DE ACESSO À MORADIA DIGNA: Construção metodológica e resultados para o município de Santo André, SP. XVIII ENANPUR - Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Planejamento Urbano e Regional. Natal, 2019. Disponível em <http://anpur.org.br/xviiienanpur/anaisadmin/capapdf.php?reqid=775>. Acesso em 5 de setembro de 2019.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Estatística e Informações: demografia e indicadores sociais: déficit habitacional no Brasil: 2015. Diretoria de Estatística e Informações (DIREI). Coordenação das Estatísticas Urbano Ambientais, 2018.

HOUAISS, Antônio. Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro, Ed. Objetiva, 2001.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE).. Rio de Janeiro, 2012. Censo Brasileiro de 2010

MARICATO, E. Brasil, Cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis: Editora Vozes, 2002.

MARICATO, E. Para entender a crise urbana. São Paulo, Expressão Popular, 2015.

MELLO, B. C. E. ; LERSCH, I. M. ; NODARI, G. R.; ROVATI, J. F. . Práticas Urbanas Emergentes. 1. ed. Porto Alegre: UFRGS, 2019. v. 1. 225p.

MELLO, B. C. E.; LERSCH, I. M. (Org.); ROVATI, J. F. (Org.); FINGER, B. B. (Org.); SILVA, H. M. (Org.). Práticas Urbanas Emergentes, ano II: extensão e assessoria técnica. 1. ed. Porto Alegre: Ed. dos Autores, 2020. v. 1. 241p.

MORADO NASCIMENTO, Denise; TOSTES, S. P. ; SOARES, A. C. B. ; BOAVENTURA, C. A. ; SANTOS, C. R. A. dos . Diálogos: Possibilidades de Processos de Projeto Compartilhados. Cadernos de Pós Graduação em Arquitetura e Urbanismo (Mackenzie. Online), v. 10, p. 179-197, 2010.

NAÇÕES UNIDAS. Comentário geral nº 4 do Comitê sobre Direitos Econômicos Sociais e Culturais: o direito à habitação adequada, 1991. In: Por uma cultura de Direitos Humanos: Direito à moradia Adequada. Secretaria de direitos humanos, Brasília, 2013.

NASCIMENTO, DENISE MORADO. Lavar as mãos contra o Coronavírus: mas, e a Água? APS EM REVISTA, v. 2, p. 66-69, 2020.

NERY, C. Extrema pobreza atinge 13,5 milhões de pessoas e chega ao maior nível em 7 anos. 07/11/2019. Agência IBGE. Disponível em: <https://agenciadenoticias.ibge.gov.br/agencia-noticias/2012-agencia-denoticias/noticias/25882-extrema-pobreza-atinge-13-5-milhoes-de-pessoas-e-chega-ao-maior-nivel-em-7-anos> Acesso em: 20 nov. 2020.

OLIVEIRA, L. A. DE. Processos Projetuais Participativos: Investigando as Contribuições em Usina e Habitat. Dissertação (Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano). Universidade Federal de Pernambuco, 2014.

PELLI, Victor. Habitar, Participar, Pertenecer. Acce-der a la vivienda-incluirse en la sociedad. Buenos Aires: Nobuko, 2007.

SAERGS. Programa ATME – Assistência Técnica Gratuita à Moradia Econômica. Editora Pr ed. Porto Alegre, 1977.

Downloads

Publicado

2021-10-22

Dados de financiamento

Como Citar

SCOTTON, Josiane Andréia; MIRON, Luciana Inês Gomes; LERSCH, Inês Martina. Assistência técnica em habitação de interesse social para promoção do habitat saudável. Gestão & Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 16, n. 4, p. 85–100, 2021. DOI: 10.11606/gtp.v16i4.178679. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/gestaodeprojetos/article/view/178679.. Acesso em: 12 abr. 2024.