Tecnologias assistivas e deficiência: um encontro das mulheres-mães com a fabricação digital nos Fab Labs

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/gtp.v17i1.182632

Palavras-chave:

Mulheres, Deficiência, Fabricação digital, Fablabs, Projetos

Resumo

O espaço que as novas tecnologias têm ocupado no cotidiano das pessoas é cada vez mais amplo. No entanto, tal ocupação não tende a ser democrática e igualitária. Partindo desse olhar, o presente artigo tem como objetivo apresentar percepções a respeito das vivências realizadas em um projeto desenvolvido sobre os seguintes pilares: mulheres-mães, deficiência e desenvolvimento de Tecnologia Assistiva em espaços conhecidos como Fablabs. Através de uma abordagem de cunho exploratório e natureza qualitativa, esse estudo introduz um panorama geral da pesquisa, seguido das explorações e reflexões sobre as atividades realizadas. Em suas etapas práticas, entre outros, foram utilizados métodos de caráter etnográfico e Design Research. O grupo de mulheres, mães de crianças com deficiência, cujo número de integrantes foi variável durante as práticas (de duas a cinco pessoas), realizou atividades de desenvolvimento de produtos de tecnologia assistiva utilizando ferramentas de manufatura digital em um laboratório público da Rede Fablab Livre SP, na cidade de São Paulo, Brasil. As reflexões deste estudo se relacionam com as questões de interpretação dos significados das atividades nesses espaços para o grupo e suas identificações com as tarefas tecnológicas performadas. Dessa forma, procura-se contribuir para um debate com relação à ocupação de ambientes do tipo Fablab, vocacionados a uma entrada social e plural de seus usuários e usuárias.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Referências

BERSCH, R. Introdução à Tecnologia Assistiva. Porto Alegre: Assistiva – Tecnologia e Educação, 2017.

BUCKLEY, C. Made in Patriarchy: Toward a Feminist Analysis of Women and Design. Design Issues, v. Vol. 3, n. No. 2, p. pp. 3 – 14, 1986. DOI: https://doi.org/10.2307/1511480

CHIOVETTI, S. P. Inovação nos Serviços Públicos na cidade de São Paulo (2013-2016). São Paulo: Fundação Perseu Abramo. 136 p, 2017.

CRUZ, D. M. C.; EMMEL, M. L. G. Uso e abandono de tecnologia assistiva por pessoas com deficiência física no Brasil. Revista Digital, Buenos Aires, ano 17, n. 173, 2012.

FAB FOUNDATION. Fab Lab Network. S/d. Disponível em: < https://fabfoundation.org/global-community/#:~:text=More%20than%201%2C750%20Fab%20Labs%20all%20over%20the%20globe!&text=Because%20all%20Fab%20Labs%20share,laboratory%20for%20research%20and%20invention >. Acesso dia 19 de janeiro de 2021.

FAB LAB RECIFE. Movimento Mulheres Maker. Disponível em: <https://www.fablabrecife.com/o-que-fazemos/inovacao-maker/movimento-mulheres-makers/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

FAULKNER, W. The technology question in feminism: a view from feminist technology studies. Women’s Studies International Forum, Vol. 24, No. 1, pp. 79–95, 2001. DOI: https://doi.org/10.1016/S0277-5395(00)00166-7

FREIRE, P. Pedagogia da Autonomia: Saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996. p. 54

FREIRE, P. Pedagogia do Oprimido. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2018.

GERSHENFELD. N. How to Make Almost Anything: The Digital Fabrication Revolution. Foreign Affairs, 91, n. 6, p. 43-57, 2012.

HAMIDI, F. et al. Participatory Design of DIY Digital Assistive Technology in Western. In: Proceedings of 2nd African Conference for Human Computer Interaction (AfriCHI’18), 2018. DOI: https://doi.org/10.1145/3283458.3283478

IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Resultados gerais da amostra. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

ITS BRASIL. Instituto de Tecnologia Social. S/d/ Disponível em: < http://itsbrasil.org.br/ > Acesso dia 18 de janeiro de 2021.

KILOMBA, G. Memórias da Plantação: episódios do racismo cotidiano. Rio de Janeiro: Cobogó, 2019.

LAMB, M. E.; BILLINGS, L. A. L. Fathers of children with special needs. In: M. E. Lamb. (Org.). The role of the father in child development. London: John Wiley & Sons,. p. 179-190, 1996.

MINAS QUE PROGRAMAM. Minas que Programam. Disponível em: <https://minasprogramam.com/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

MENA, F. “Pandemia é resposta biológica do planeta”, diz físico Fritjof Capra. Folha de São Paulo. 2020. Disponível em: < https://www1.folha.uol.com.br/fronteiras-do-pensamento/2020/08/pandemia-e-resposta-biologica-do-planeta-diz-fisico-fritjof-capra.shtml?pwgt=l7kor9scpvbavbfwzz9yt5f9nubbig22crukp5g9uls7p2wy&utm_source=whatsapp&utm_medium=social&utm_campaign=compwagift&fbclid=IwAR3o9BpFcZrzyr-v7TfBToFxEq1nbFakS9SPCL_070h12As3fYyh0GUczPM > Acesso em: 10 jan. 2021.

PERROT, M. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

PRETALAB. Pretalab. Disponível em: <https://www.pretalab.com/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

VENDRUSCULO, L. E. B. A descoberta da deficiência do filho: o luto e a elaboração dos pais. 2014, 34 f. Monografia (Bacharelado em Psicologia) – Departamento de Humanidades e Educação, Universidade Regional do

Downloads

Publicado

2021-11-12

Como Citar

SOARES, Juliana Maria Moreira; CAMPOS, Paulo Eduardo Fonseca de. Tecnologias assistivas e deficiência: um encontro das mulheres-mães com a fabricação digital nos Fab Labs. Gestão & Tecnologia de Projetos, São Carlos, v. 17, n. 1, p. 7–22, 2021. DOI: 10.11606/gtp.v17i1.182632. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/gestaodeprojetos/article/view/182632.. Acesso em: 19 jun. 2024.