Rivalidades locais, ambições atlânticas: a diplomacia do comércio de escravos na análise das cartas de Agonglo e Adandozan (1795-1805)

Autores

  • Raphael dos Santos Gonçalves Universidade de São Paulo - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2021.159331

Palavras-chave:

Diplomacia, África, Comércio Atlântico, Daomé, Afro-Brasil

Resumo

Neste artigo busco demonstrar as continuidades, rupturas e tensões existentes na diplomacia afro-luso-brasileira no período entre 1795 e 1805, marcos temporais definidos pelo envio de duas embaixadas daomeanas à América Portuguesa. A partir da análise e da comparação entre esses contatos diplomáticos, apresento aspectos que demonstram que as embaixadas são fe-nômenos dotados de historicidade. Amparando-me na análise documental de um conjunto de Cartas do Daomé levantadas por Luis Nicolau Parés, discuto as interações e reciprocidades na diplomacia entre chefaturas daomeanas e autoridades luso-brasileiras durante o período do comércio atlântico de escravos. Busco demonstrar, afinal, que as missivas evidenciam esforços para o estabelecimento de relações comerciais prioritárias com luso-brasileiros, compreensíveis apenas se considerada a imbricação entre as dimensões local e atlântica no Golfo do Benim.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARAUJO, A. L. D. Portugal and Bahia: King Adandozan and the Atlantic Slave Trade. Slavery & Abolition, v. 33, n. 1, 2012.

LAW, R. Ouidah: the social history of a West African slaving ‘port’, 1727-1892. Oxford: James Currey, 2006.

LAW, R.; MANN, K. West Africa in the Atlantic Community: the case of the Slave Coast. The William and Mary Quarterly, vol. 56, nº 2, African and American Atlantic Worlds, p. 307-334, abr. 1999.

PARÉS, L. N. O rei, o pai e a morte: a religião vodum na antiga Costa dos Escravos na África Ocidental. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

PARÉS, L. N. Cartas do Daomé. Afro-Ásia, n. 47, p, 295-395, 2013.

RODRIGUES, J. O tráfico de escravos e a experiência diplomática afro-luso-brasileira: transformações ante a presença da corte portuguesa no Rio de Janeiro. Anos 90, v. 15, n. 27, p. 107-123, 2008.

SILVA, A. da C. e. Do Níger à Costa dos Escravos. In: A manilha e o libambo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011, p. 525-561.

SILVA, A. da C. e. Francisco Félix de Souza, mercador de escravos. Rio de Janeiro: Nova Fronteira: Ed. UERJ, 2004.

SILVA JR., C. da. Interações atlânticas entre Salvador e Porto Novo (Costa da Mina) no século XVIII. Revista de História, n. 176, p. 1-41, 2017.

SOARES, M. de C. Trocando galanterias: a diplomacia do comércio de escravos, Brasil-Daomé, 1810-1812. Afro-Ásia, n. 49, 2014.

SOUZA, M. de M. e. Além do visível: poder, catolicismo e comércio no Congo e em Angola (séculos XVI e XVII). São Paulo: Edusp, Fapesp, 2018.

VERGER, P. Fluxo e refluxo do tráfico de escravos entre o golfo do Benin e a Bahia de Todos os Santos, dos séculos XVII ao XIX. São Paulo: Corrupio, 1987.

Downloads

Publicado

2021-04-14

Como Citar

Gonçalves, R. dos S. (2021). Rivalidades locais, ambições atlânticas: a diplomacia do comércio de escravos na análise das cartas de Agonglo e Adandozan (1795-1805). Humanidades Em diálogo, 10, 283-296. https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2021.159331

Edição

Seção

Academia

Dados de financiamento