“Em mim não poço explicar que sou um colchão de pancadas…”: escritos de mulheres e escritos sobre mulheres na América Portuguesa

Autores

  • Mariana Rodrigues de Vita Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2022.177341

Palavras-chave:

História das Mulheres, Brasil Colonial, Documentação

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a violência histórica pela qual as mulheres sofreram apagamento sendo sistematicamente secundarizadas no discurso histórico hegemônico. O artigo é resultado de uma pesquisa de iniciação científica alocada no Projeto Mulheres na América Portuguesa, o qual constrói um catálogo digital de documentação escrita por e de mulheres na América Portuguesa, logo, se utiliza de documentos que possibilitam analisar o cotidiano de grupos subalternizados, como os das mulheres. Entendidas nesse artigo como uma categoria social construída, desse modo, enquanto grupo, são lidas em conjunto devido à histórica opressão que as violenta, ou seja, como uma categoria política, e não de identidade. Sendo assim, a categoria teórica “mulher”, no singular, envolve diferentes classes, raças, orientações sexuais, etc., mas não intenta homogeneizar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, Suely Creusa Cordeiro de. O sexo devoto: normatização e resistência feminina no Império Português – XVI-XVII. Tese (Doutoramento em História). Recife: Universidade Federal de Pernambuco, 2003.

ARAÚJO, M.; SANTOS, M. História, memória e esquecimento: Implicações políticas. Revista Crítica de Ciências Sociais, 79. 2007, p. 95-111.

BACELLAR, C. A mulher em São Paulo colonial. Espado, Tiempo y Forma. Serie IV, Hf Moderna, t. 3, 1990, pp. 367-386

DIAS, Maria Odila da Silva. Mulheres sem história. Revista de História, 1983. P.33

DIAS, Maria Odila da Silva. Quotidiano e Poder Em São Paulo no Século XIX. Brasiliense, 1995.

DURAN, M.; BENTIVOGLIO, J. Paul Ricoeur e o lugar da memória na historiografia contemporânea. Dimensões. Vol. 30, 2013, p. 213-244.

FEDERICI, S. Calibã e a Bruxa. São Paulo: Editora Elefante, 2017. FERREIRA, M. Dicionário de ensino de História. São Paulo: FGV Editora, 2019. p.155-161.

FREITAS, P. A mulher é o seu útero. A criação da moderna medicina feminina no Brasil. Antíteses. Vol.1, n 1, jan-jun de 2008. pp.174-187

GONZALES, L. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje-Anpocs, 1984, p. 223-244.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. Tradução de Beatriz Sidou. 2a ed. São Paulo: Centauro, 2013.

LACERDA, M. Colonização dos corpos: ensaio sobre o público e o privado.Dissertação (Mestrado em Direito). Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2010.

MACHADO, M. Mulher, Corpo e Maternidade. In: SCHWARCZ, L.; GOMES, F. Dicionário da Escravidão e da Liberdade. São Paulo: Companhia das Letras, 2018. pp. 334-342.

MATOS, M. Estudos de gênero: percursos e possibilidades na historiografia contemporânea. Cadernos Pagu. (11), jan de 2013. pp.67-75.

MELO, E. Feminismo:velhos e novos dilemas uma contribuição de Joan Scott. Cadernos Pagu. (31), julho-dezembro, 2008. pp.553-564

MENDONÇA, J.; RIBEIRO, P. Algumas reflexões sobre a condição da mulher brasileira da colôniàs primeiras décadas do século XX. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação. Araraquara. v. 5, n.1, 2010.

MORAIS, Ana Lunara da Silva. Mulheres proprietárias nas capitanias do Norte, séculos XVII- XVIII: balanço historiográfico e apontamentos. Revista de História Seculum. João Pessoa, no 36, 2017. p. 85-100.

OLIVEIRA, L.; JACÓ-VILELA, A. A mulher nas narrativas do saber médico na transição entre os séculos XIX e XX. Quadernos de Psicologia. Vol. 19, n.3, 2017. p. 241-251.

OLIVEIRA, E. Resenha A mulher na História do Brasil de Mary del Priore. Cad. Pesq. (70) agosto de 1989.

POLLAK, M. Memória, Esquecimento, Silencio. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 2, n. 3, 1989, pp. 3-15.

PRIORE, M. História das mulheres no Brasil. São Paulo: Editora da Unesp, 2004.

RAGO, M. As mulheres na historiografia brasileira. In: SILVA, Z. (Org.). Cultura Histórica em Debate. São Paulo: UNESP, 1995.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo: Companhia das letras, 2007.

SILVA, Leandro Alves da. A carta de Esperança Garcia: uma mensagem de coragem, cidadania e ousadia. Ministério da Cultura, Porto Alegre. 2015. p.6

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Tradução de Christine Rufino Dabat, Maria Betânia Ávila. Educação & Realidade. Vol.20, n.2, 1995.

SCHWARTZ, S. Mentalidades e estruturas sociais no Brasil colonial: uma resenha coletiva. Economia e Sociedade. Campinas, 1999.

TILLY, L. Gênero, História das mulheres e História Social. Cadernos Pagu. (3), 1994. pp. 29-62.

Downloads

Publicado

2022-04-27

Como Citar

Vita, M. R. de . (2022). “Em mim não poço explicar que sou um colchão de pancadas…”: escritos de mulheres e escritos sobre mulheres na América Portuguesa. Humanidades Em diálogo, 11, 146-155. https://doi.org/10.11606/issn.1982-7547.hd.2022.177341

Edição

Seção

Academia