Estratégias narrativas dos novos discursos fantásticos na contística de Murilo Rubião, como via de escape aos interditos dos duros anos da ditadura militar brasileira, em “Botão de Rosa”, de O convidado (1974)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2016.115129

Palavras-chave:

Discurso fantástico, mecanismos de construção narrativa, ditadura militar brasileira, Murilo Rubião.

Resumo

O discurso fantástico, conforme Todorov e demais estudiosos dessa vertente ficcional, é considerado uma via de escape aos interditos de diferentes entraves da censura. A crítica brasileira é unânime em inscrever a obra de Murilo Rubião (1916 – 1991) nessa vertente literária. “Botão de Rosa”, conto de seu livro O convidado (1974), ilustraria o primeiro decênio da ditadura militar, instaurada em 1964, expondo mazelas dos duros anos da ditadura militar brasileira, que durou vinte e um anos, somente sendo suplantada em 1985. Nesse, o autor exporia sua visão crítica ao regime. Os mecanismos de construção narrativa empregados por Rubião,nesse seu conto, desnudam situações insólitas do regime ditatorial.

Biografia do Autor

Flavio García, Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)

Pós-Doutor pela Universidade de Coimbra (UC, 2016), pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS, 2012) e pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ, 2008); Doutor pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio, 1999); Mestre pela Universidade Federal Fluminense (UFF, 1995); Professor Associado da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Bolsista PROCIÊNCIA (UERJ/FAPERJ); Coordenador do Seminário Permanente de Estudos Literários da UERJ (SePEL.UERJ), do Núcleo de Estudos do Fantástico da UERJ (NEF.UERJ) e da Unidade de Desenvolvimento Tecnológico Laboratório Multidisciplinar e Multiusuário de Semiótica (UDT-LABSEM); Co-coordenador de Dialogarts Publicações; Editor, juntamente com a Profa. Dra. Darcilia Simões, do Caderno Seminal Digital e, juntamente com o Prof. Dr. Júlio França, da Revista Abusões.

Referências

ARÁN, Pampa O. El fantástico literario. Aportes teóricos. Madrid: Tauro,1999.

BESSIÈRE, Irène. El relato fantástico: forma mixta de caso y adivinanza. In: ROAS, David (intr., compil. e bibl.). Teorías de lo fantástico. Madrid: Arco/ Libros, 2001, p. 83-104.

CAMPRA, Rosalba. Territorios de la ficción – lo fantástico. Salamanca: Renacimiento, 2008.

CANDIDO, Antonio. A nova narrativa. In: Educação pela noite e outros ensaios. São Paulo: Ática,1987, p. 199-215.

CHIAMPI, Irlemar. O realismo maravilhoso. São Paulo: Perspectiva, 1980.

ECO, Umberto. Seis passeios pelos bosques da ficção. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

FURTADO, Filipe. Os discursos do metaempírico. In: SEIXO, Maria Alzira (Org.). O fantástico na arte contemporánea. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian,1992, p. 51-57.

FURTADO, Filipe. Fantástico (modo).E-Dicionário de Termos Literários.In: Carlos Ceia (coord.), 2009.Disponível em:http://www.edtl.com.pt.Acessado em: 26-07-2011.

GINWAY, Mary Elizabeth.Visão alienígena: ensaio sobre ficção científica brasileira. São Paulo: Devir, 2010.

GORDON, Andrew M. Introdução. In: GINWAY, M. Elizabeth. Visão alienígena: ensaio sobre ficção científica brasileira. São Paulo: Devir, 2010, p. 11-14.

PRADA OROPEZA, Renato. El discurso fantástico contemporáneo: tensión semántica y efecto estético. In: Semiosis, Tercera época, 2, (3), p. 54-76, enero-junio, 2006.

RUBIÃO, Murilo. Obra completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

RUBIÃO, Murilo. As unhas. In: GARCÍA, Flavio; BATALHA, Maria Cristina. Murilo Rubião 20 anos depois de sua morte. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2013, p. 125-130.

ROAS, David. Tras los límites de lo real. Una definición de lo fantástico. Madrid: Páginas de Espuma, 2011.

TODOROV, Tzvetan. Introdução à literatura fantástica. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 1992.

Downloads

Publicado

2016-12-27

Como Citar

GARCÍA, F. Estratégias narrativas dos novos discursos fantásticos na contística de Murilo Rubião, como via de escape aos interditos dos duros anos da ditadura militar brasileira, em “Botão de Rosa”, de O convidado (1974). Literartes, [S. l.], n. 6, p. 26-45, 2016. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2016.115129. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/115129. Acesso em: 24 jun. 2021.