Heitor Villa-Lobos, a formação musical da criança e do jovem entre o estético e o ideológico

  • Maria Auxiliadora Fontana Baseio Universidade de Santo Amaro
  • Maria Zilda da Cunha
  • Marcos Julio Sergl
Palavras-chave: Heitor Villa-Lobos, formação musical para crianças e jovens, estética, ideologia, aesthetics

Resumo

É inegável que toda obra de arte reinventa a realidade a partir de um ponto de vista, o artista recria a partir de categorias de representação reveladoras de uma cosmovisão, amparada por seu imaginário individual, bem como o do seu tempo. Heitor Villa-Lobos foi importante compositor, maestro, violoncelista, pianista, violinista brasileiro do século XX, mundialmente conhecido, embora nunca tenha se enquadrado definitivamente em nenhum movimento cultural específico. Falar desse artista implica investigar duas motivações: a estética e a ideológica. O objetivo deste artigo, realizado por meio de pesquisa bibliográfica, consiste em discutir a produção artística de Villa-Lobos e sua relação com a formação musical da criança e do jovem.

Biografia do Autor

Maria Auxiliadora Fontana Baseio, Universidade de Santo Amaro

Professora do Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade de Santo Amaro (UNISA), com Doutorado em Letras – Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa - pela Universidade de São Paulo (Entre a magia da voz e a artesania da letra: o sagrado em Manoel de Barros e Mia Couto - 2007). Possui Mestrado em Letras também pela Universidade de São Paulo (No vaivém da lançadeira: o retorno do sagrado na literatura infantil/juvenil de língua portuguesa - 2000). É Bacharel em Letras pelo Centro Universitário Ibero-Americano (1989), com Licenciatura Plena em Português-Inglês e Bacharel em Ciências Sociais pela Universidade de São Paulo (1992). Possui 30 anos de experiência no Magistério, entre os quais 15 anos dedicados à docência do ensino superior em cursos de graduação e pós-graduação. Coordenou curso de Letras das Faculdades Integradas Torricelli (2007 a 2010). Possui experiência na área de Letras, com ênfase na docência de Língua Portuguesa e de Literatura Comparada (Literatura Brasileira, Portuguesa e Africana). Atualmente, é pesquisadora do grupo Produções Literárias e Culturais para Crianças e Jovens, vinculado à Universidade de São Paulo, e do grupo Arte, Cultura e Imaginário, vinculado à Universidade Santo Amaro, do qual é coordenadora. Sua pesquisa concentra-se nos seguintes temas: imaginário, cultura, literatura e suas interfaces com outras artes e linguagens. 

Maria Zilda da Cunha

Pós-doutora em Letras pela Universidade do Minho, Braga, Portugal; Pós-Doutora em Ciências, Educação e Humanidades pela UERJ; Doutora em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa pela Universidade de São Paulo. Professora da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo – Departamento de Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa.

Marcos Julio Sergl

Pós-Doutor em Comunicações e Doutor em Artes pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. Professor no Programa de Mestrado Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Santo Amaro – UNISA, SP

Referências

ANDRADE, Mário. Macunaíma: o herói sem nenhum caráter. Rev. Telê Porto Ancona Lopez. 26 ed. Belo Horizonte: Villa Rica Editoras Reunidas, 1990.

ÁVILA, Marli Batista. A Obra Pedagógica de Heitor Villa-Lobos: Uma leitura atual de sua contribuição para a educação musical no Brasil. Tese de Doutorado em Artes. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2010.

BACZKO, Bronislaw. Imaginação social. Enciclopédia Einaudi. (Antropos-Homem, 5). Lisboa: Imprensa oficial; Casa da Moeda; Ed. Portuguesa, 1985.

BORGES, Mirelle Ferreira. Heitor Villa-Lobos, o músico educador. Dissertação de Mestrado em História. Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2008.

CONTIER, Arnaldo Daraya. Passarinhada do Brasil: canto orfeônico, educação e getulismo. São Paulo: Edusc, 1998.

KRIEGER, Edino. O Guia Prático de Villa-Lobos. Presença de Villa-Lobos, Rio de Janeiro: MEC/ Museu Villa-Lobos, n. 9, 1974.

LANGER S. K. Filosofia em nova chave. São Paulo: Editora Perspectiva, 2004.

GOMBRICH, E. Arte e Ilusão. São Paulo: Martins Fontes, 1986.

MAIA, Maria. Villa-Lobos: alma brasileira. Rio de Janeiro: Contraponto: Petrobrás, 2000.

MARIZ, Vasco. História da Música no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira / INL – MEC, 1981.

NEGWER, Manuel. Villa-Lobos: o florescimento da música brasileira. São Paulo: Martins Fontes,2009.

PAOLIELLO, Guilherme. Villa-Lobos e o canto coletivo na Era Vargas. Artefilosofia. N. 1. Julho de 2006. P. 151-159. Ouro Preto: UFOP, 2006.

PARADA, Maurício. Educando Corpos e Criando a nação: Cerimônias cívicas e práticas disciplinares no Estado Novo. Rio de Janeiro: Ed. PUC Rio: Apicuri, 2009.

RIBEIRO, João Carlos (org.). O pensamento vivo de Heitor Villa-Lobos. São Paulo: Martin Claret, 1987. (Coleção Pensamento Vivo 8).

ROSÁRIO, Ana Cláudia Trevisan Rosário. Refletindo sobre as cartas sem resposta de Heitor Villa-Lobos: Filosofia e Semiótica na criação Villa-lobiana. Dissertação de Mestrado em Filosofia. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo. 2014.

SALLES, Paulo de Tarso. Villa-Lobos: processos composicionais. São Paulo: Unicamp, 2009.

______. O estatuto da composição musical pós-Boulez. Opus, Goiânia, v. 16, n. 2, p. 8-14, dez. 2010.

SANTOS, Marco Antonio Carvalho. Heitor Villa-Lobos. Recife: Fundação Joaquim Nabuco, Editora Massangana, 2010.

SEVERINO, Cláudio Francisco; SOUZA, Fernando Lucci Resende de. Heitor Villa-Lobos e o uso da representação simbólica da diversidade territorial brasileira na música erudita. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2006, p. 15319-15336.

SOUZA, Jusamara. A concepção de Villa-Lobos sobre educação musical. Revista Brasiliana. Edição especial. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Música. n. 3, p.18-25, set. 1999.

SPECHT, Roberta. Heitor Villa-Lobos: por uma narrativa musical da nação. Dissertação de Mestrado em História. Santa Maria: Universidade Federal de Santa Maria, 2017.

SPRUCE, Richard. Notes of a Botanist on the Amazonas & Andes. Vol. 1. Londres: Macmillan and Co., Limited, 1908.

TACUCHIAN, Ricardo. Villa-Lobos, uma revisão. Revista Brasiliana. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Música, n. 29, p. 05-14, ag. 2009.

TEIXEIRA, Anísio. Villa-Lobos. In: Presença de Villa-Lobos. 1º Volume. Rio de Janeiro: Museu Villa-Lobos, 1977.

TONI, Flávia Camargo. Mário de Andrade e Villa-Lobos. Revista do Instituto de Estudos Brasileiros. São Paulo: USP, n.27, 1987.

VILLA-LOBOS, Heitor. Guia prático: estudo folclórico musical. São Paulo / Rio de Janeiro: Irmãos Vitale, 1941.

______. Educação musical. Presença de Villa-Lobos, Rio de Janeiro: MEC/ Museu Villa-Lobos, n. 6, 1971.

______. A educação artística no civismo. Presença de Villa-Lobos, Rio de Janeiro: MEC/ Museu Villa-Lobos, n.5, 1970.

VOLPI, Maria Alice. Villa-Lobos e o Imaginário Edênico de Uirapuru. Revista Brasiliana. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Música, n. 29, p. 29-34, ag. 2009.
Publicado
2019-07-29
Como Citar
BASEIO, M. A.; CUNHA, M.; SERGL, M. Heitor Villa-Lobos, a formação musical da criança e do jovem entre o estético e o ideológico. Literartes, v. 1, n. 10, p. 86-106, 29 jul. 2019.