Urdiduras da condição social feminina em contos maravilhosos: uma análise comparativa de Rumpelstiltskin e A moça tecelã

Autores

  • Gisele Gemmi Chiari Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2019.163278

Palavras-chave:

a moça tecelã, Marina Colasanti, Rumpelstilskin, Irmãos Grimm, condição social feminina

Resumo

A proposta do estudo é comparar a versão literária escrita pelos irmãos Grimm do conto tradicional Rumpelstiltskin com o conhecido texto de Marina Colasanti, A moça tecelã. Além das simetrias mais perceptíveis entre os dois escritos, como a presença do maravilhoso e da protagonista tecelã, também serão consideradas as diferenças entre ambos com base numa perspectiva histórico-social evidenciando, sobretudo, como o sistema patriarcal é determinante para as ações das personagens.

Biografia do Autor

  • Gisele Gemmi Chiari, Universidade de São Paulo

    Doutora em Letras pela Universidade de São Paulo

Referências

BARBOSA, Giliard Ávila. Nas tramas de outra Odisseia: as tessituras míticas em Viajes de Penélope, de Juana Rosa Pita. 2013. 115f. Dissertação (Mestrado em Letras), Universidade Federal do Rio Grande, Rio Grande, 2013.

BENJAMIN, Walter. Magia e técnica, arte e política: ensaios sobre literatura e história da cultura. Trad. Sérgio Paulo Rouanet. 8. ed. revista, São Paulo: Brasiliense, 2012.

BETTELHEIM, Bruno. A psicanálise dos contos de fada. Trad. Arlene Caetano. 17. ed., Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Trad. Maria Helena Kühner. 2. ed., Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

CARDOSO, Zélia de Almeida. O artesanato feminino em Roma e os textos antigos: fiandeiras e tecelãs. Calíope: presença clássica. Programa de Pós-Graduação em Letras Clássicas, Faculdade de Letras – UFRJ. Rio de Janeiro: 7 letras, 14, p. 92-109, 2006,

CHEVALIER, Jean (dir.). Diccionario de los símbolos. Barcelona: Editorial Herder, 1986.

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas: símbolos, mitos, arquétipos. São Paulo: Paulonas, e-book.

COLASANTI, Marina. Doze reis e a moça do labirinto do vento. São Paulo: Global, 2006.

DUARTE JR., João Francisco. Fundamentos estéticos da educação. 10. ed., Campinas, SP: Papirus, 1988.

GRIMM, Jacob. Contos dos irmãos Grimm. Organizado, selecionado e prefaciado pela Dra. Clarice Pinkola Estés. Trad. de Lia Wyler. Rio de Janeiro: 2005, p. 297-299.

MACHADO, Ana Maria. O Tao da teia: sobre textos e têxteis. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 173-196, Dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142003000300011&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 27 Nov. 2016.

MURARO, Rose Marie. Breve introdução histórica. In: KRAMER, Heinrich; SPRENGER, James. O martelo das feiticeiras: malleus maleficarum. Trad. Paulo Fróes. 4. ed., Rio de Janeiro: Rosa dos Ventos, 1991.

ROAS, David. A ameaça do fantástico: aproximações teóricas. Trad. Julián Fuks. São Paulo, Unesp, 2014.

VON FRANZ, Marie-Louise. A sombra e o mal nos contos de fada. Trad. Maria Christina Penteado Kujawski. São Paulo: Paulus, 1985.

ZIPES, Jack. Spinning with Fate: Rumpelstiltskin and the Decline of Female Productivity. Western Folklore. vol. 52, No. 1, Perspectives on the Innocent Persecuted Heroine in Fairy Tales (Jan., 1993), pp. 43-60.

ZIPES, Jack. A fairy tale is more than just a fairy. BTWO 2 (1+2) pp. 95–102 Intellect Limited, 2012.

ZOLIN, Lúcia Osana; JACOMEL, Mirele Carolina; PAGOTO, Cristian; MOLINARI, Soraya. Violência Simbólica e Estrutura de Dominação em A Moça Tecelã, de Marina Colasanti. Graphos. João Pessoa, v. 9, n. 2, p. 81-93, 2007.

Downloads

Publicado

2019-12-28

Como Citar

CHIARI, Gisele Gemmi. Urdiduras da condição social feminina em contos maravilhosos: uma análise comparativa de Rumpelstiltskin e A moça tecelã. Literartes, São Paulo, Brasil, v. 1, n. 11, p. 57–75, 2019. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2019.163278. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/163278.. Acesso em: 24 abr. 2024.