Aço mais brando que a seda

papéis de gênero e a donzela travestida nos contos de fadas

Autores

  • Samira dos Santos Ramos Instituto Federal de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2020.168896

Palavras-chave:

Estudos Comparados, Contos de Fadas, Papéis de gênero, Donzela guerreira

Resumo

O artigo propõe um estudo comparativo sobre o travestir-se nos contos de fadas em três obras em língua portuguesa, observando o travestir-se à luz da simbologia e das teorias de diferença sexual, para compreender como o deslocamento de papéis de gênero fazia parte do domínio dos contos antes mesmo dos Estudos de Gênero ganharem visibilidade em nossa época.

Biografia do Autor

Samira dos Santos Ramos, Instituto Federal de Mato Grosso

Mestra em Letras pela FFLCH - USP, na área de Estudos Comparados em Literaturas de Língua Pirtuguesa, atua como docente no Instituto Federal de Mato Grosso.

Referências

BIRMAN, Joel. Gramáticas do erotismo: a feminilidade e as suas formas de subjetivação em psicanálise. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CAMPBELL, Joseph. O poder do mito. Com Bill Moyers. Organização Betty Sue Flowers. Tradução Carlos Felipe Moisés. São Paulo: Palas Athena, 1990.

CASCUDO, Luís da Câmara. Contos Tradicionais do Brasil. São Paulo: Editora Global, 2004.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de Símbolos: (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). Coord. Carlos Sussekind. Trad. Vera da Costa e Silva. 31ª Ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2018.

COELHO, Nelly Novaes. A literatura infantil: história, teoria e análise. São Paulo: Moderna, 2000a.

COELHO, Nelly Novaes. Literatura: arte, conhecimento e vida. São Paulo: Peirópolis, 2000b.

COELHO, Nelly Novaes. O Conto de Fadas: símbolos – mitos – arquétipos. São Paulo: Paulinas, 2008.

COLASANTI, Marina. Entre a espada e a rosa. Rio de Janeiro: Salamandra, 1992.

Cook, Barry; Bancroft, Tony. Mulan. EUA: Walt Disney Pictures, 1998. 1 DVD (88 min), animação, color.

GRILLO, Nícia de Queiroz (coord). A princesa que era um príncipe in Histórias da Tradição Sufi. Rio de Janeiro: Edições Dervish – Instituto Tarika, 1993.

LAJOLO, M. P. . A voz feminina na literatura infantil. In: Feminino Singular: a participação da mulher na literatura brasileira contemporânea. Nelly Novaes Coelho et al. São Paulo: GDR, 1989, p. 16-32.

LOBATO, Monteiro. Reinações de Narizinho. Ilustração. Jean Gabriel Villin, J. U. Campos. São Paulo: Globo, 2014

MACHADO, Regina (compilação e reescrita). O violino cigano e outros contos de mulheres sábias. Ilustração Joubert. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

ROSA, João Guimarães. Grande sertão: veredas. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2006.

SCOTT, Joan Wallach. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. in Revista Educação & Realidade. Porto Alegre, vol. 20, nº 2,jul./dez. 1995, pp. 71-99.

TORRADO, Antônio. A donzela que vai à guerra. Ilustrações de Madalena Raimundo. Lisboa: Plátano Editora, 1981

Downloads

Publicado

2020-12-08

Como Citar

RAMOS, S. dos S. Aço mais brando que a seda: papéis de gênero e a donzela travestida nos contos de fadas. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 12, p. 188-205, 2020. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2020.168896. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/168896. Acesso em: 28 maio. 2022.