Entre a carne e o espírito: relações de gênero nos filmes de horror de Jean Garrett

Autores

  • Laura Cánepa Universidade Anhembi Morumbi
  • Tiago Monteiro Instituto Federal do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2316-9826.literartes.2021.185158

Palavras-chave:

Cinema brasileiro, Boca do Lixo, Sexploitation, Horror, Jean Garrett

Resumo

Este trabalho tem como objetivo traçar características temáticas dos filmes de horror realizados pelo cineasta luso-brasileiro Jean Garrett (José Antônio Nunes Gomes da Silva, 1947-1996) no âmbito da indústria de sexploitation que marcou o cinema popular paulista nos anos 1970 (DENNISON, 2009; PIEDADE, 2006). Trataremos de duas obras de terror psicológico (Amadas e Violentadas, 1976; A Mulher que Inventou o Amor, 1980) e duas de horror sobrenatural (Excitação, 1976; A Força dos Sentidos, 1979) dirigidas por Garrett, observando as especificidades de seu trabalho em uma cinematografia nacional então marcada, pela revolução sexual e pelo reacionarismo político da ditadura militar (RAMOS, 2004; ABREU, 2006). Buscaremos caracterizar Garrett como um autor relevante para a compreensão do horror cinematográfico brasileiro por sua capacidade de incorporar e discutir questões cruciais do cinema popular brasileiro dos anos 1970 por meio de histórias de horror, em particular a posição ocupada pelas personagens femininas e pelas relações amorosas heteronormativas no âmbito do cinema erótico.

Biografia do Autor

Laura Cánepa, Universidade Anhembi Morumbi

Docente do Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi. Doutora em Multimeios pela Unicamp. Realizou estágio pós-doutoral junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (2017). Realizou estágio Pós-Doutoral no Departamento de Cinema, Televisão e Rádio da ECA-USP (2014).  Pesquisadora visitante na School of Languages, Cultures and Societies da Universidade de Leeds (2019).

Tiago Monteiro, Instituto Federal do Rio de Janeiro

Doutor em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense, é Mestre em Comunicação e Cultura pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2006) e possui graduação em Comunicação Social (Radialismo) pela mesma instituição (2004). Professor efetivo do Curso de Produção Cultural do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro, responsável pelo Núcleo de Criação Audiovisual (NUCA). Entre agosto de 2016 e julho de 2017, realizou estágio pós-doutoral junto ao Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Anhembi Morumbi.

Referências

ABREU, Nuno Cesar Pereira de. Boca do Lixo - Cinema e Classes Populares. Campinas: Ed. Unicamp, 2006.

A FORÇA dos sentidos. Jean Garrett, Brasil, 1975, 35mm, Cor, 90 min.

AMADAS e violentadas. Jean Garrett, Brasil, 1975, 35mm, Cor, 90 min.

A MULHER que inventou o amor. Jean Garret, 1980, 35mm, Cor, 120 min.

AUTOR 1, Ref 1

AUTOR 2, Ref. 1

AUTORES 1 e 2, Ref. 1

DENNISON, Stephanie. “Sex and the Generals: reading Brazilian Pornochanchada as sexploitation”. In: RUÉTALO, V.; TIERNEY, D. (org.). Latsploitation, Exploitation Cinemas, and Latin America. New York, London: Routledge, 2009. p. 230-244.

EXCITAÇÃO. Jean Garrett, Brasil, 1975, 35mm, Cor, 90 min.

FERREIRA, Jairo. Cinema de Invenção. São Paulo: Max Limoad, 1986.

HELLER-NICHOLAS, Alexandra. Rape-revenge films: a critical study. Jefferson, North Carolina: McFarland & Company, 2011.

KAPLAN, E. Ann. A mulher e o cinema: os dois lados da câmera. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.

ORMOND, Andrea. A mulher que inventou o amor (1979). In: ORMOND, Andrea. Ensaios de cinema brasileiro: dos filmes mudos à pornochanchada. São José dos Pinhais, PR: Editora Estronho, 2016. p. 253-254.

PIEDADE, Lúcio de Franciscis dos Reis. A cultura do lixo: horror, sexo e exploração no cinema. 2002. Dissertação (Mestrado em Multimeios) – Instituto de Artes, Universidade Estadual de Campinas, Campinas 2002.

PIEDADE, Lúcio de Franciscis dos Reis. “O Pasteleiro: Um exercício de sexo e horror no cinema brasileiro”. In: LYRA, Bernadette; SANTANA, Gelson. Cinema de Bordas. São Paulo: A Lápis, 2006.

PRIMATI, Carlos. “Sangue, sexo e riso: espectros do horror nos filmes brasileiros”. In: Horror no Cinema Brasileiro/Portal Brasileiro de Cinema. São Paulo: Centro Cultural Banco do Brasil/Heco Produções, 2009. Disponível em: <http://www.portalbrasileirodecinema.com.br/horror/ensaio-sangue-sexo-riso-por-carlos-primati.php?indice=ensaios>. Acesso em 26 de abril de 2021.

RAMOS, Fernão. Cinema Marginal (1968/1973) ou a Representação em seu Limite. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1987.

RAMOS, José Mario Ortiz. Sexo, sangue e emoções masculinas. In: RAMOS, José Mario Ortiz. Cinema, televisão e publicidade: cultura de massa e popular no Brasil nos anos 1970-1980. São Paulo: Annablume, 2004. p. 178-195.

RUÉTALO, Victoria; TIERNEY, Dolores. Latsploitation, Exploitation cinemas, and Latin America. Florence, KY: Routledge, 2009.

SANTOS, Fernanda R.S.; MELLO, Cecília A. Insegurança perceptual e atmosferas do medo: conexões entre realismo e horror no cinema contemporâneo. Revista Ícone Recife, Vol. 17, N. 3, 319–334.

Downloads

Publicado

2021-12-21

Como Citar

CÁNEPA, L.; JOSÉ LEMOS MONTEIRO, T. . Entre a carne e o espírito: relações de gênero nos filmes de horror de Jean Garrett. Literartes, [S. l.], v. 1, n. 15, p. 149-175, 2021. DOI: 10.11606/issn.2316-9826.literartes.2021.185158. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/literartes/article/view/185158. Acesso em: 7 ago. 2022.