Religião popular no Egito Greco-Romano: o culto de Serápis

Autores

  • Danillo Melo da Fonseca Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v12i1p81-110

Palavras-chave:

Egito Greco-Romano, Emaranhamento cultural, Religião popular, Serápis, Terracota

Resumo

Serápis foi um deus criado por Ptolomeu I Sóter, primeiro faraó da dinastia lágida (305-30 a.C.) como deus guardião dos novos soberanos e da cidade de Alexandria. A representação iconográfica de Serápis seguia os moldes das divindades gregas. Mas também é resultado de um elemento propriamente egípcio no nome. Com base na cultura material feita de terracota, proveniente do Egito greco-romano e representando Serápis, pretendemos analisar as práticas religiosas e a religião popular associadas ao deus. Partimos da hipótese de que Serápis é resultado do contato e emaranhamento da religião egípcia e grega, fruto de um ambiente marcado pela miscigenação e por um estreito contato cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Danillo Melo da Fonseca, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Graduando em História (Licenciatura) e bolsista de Iniciação Científica pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil. A realização desta pesquisa só foi possível graças ao apoio do CNPq. E-mail: danillo97melo@hotmail.com.

Referências

Fontes

British museum. (2020, 16 de agosto). Collection online. London. Recuperado de: <https://www.britishmuseum.org/collection>.

Dunand, F. (1990). Catalogue des terres cuites gréco-romaines d’Égypte. Musée du Louvre. Paris: Réunion des musées nationaux.

Dunand, F. (1979). Religion populaire en Égypte romaine. Les terres cuites isiaques du Musée du Caire. Leiden: E. J. Brill.

Plutarque. (1988). Oeuvres morales. Tome V. 2ª partie. Isis et Osiris. Trad. Christian Froidefond. Paris: Les Belles Lettres.

Plutarque. (1995). Obras morales y de costumbres (Moralia). VI. Isis y Osiris. Diálogos Píticos. Trad. Francisca Pordomingo Pardo e José Antonio Fernández Delgado. Madrid: Gredos. (Biblioteca Clásica Gredos).

Obras

Alston, R. (1995). Soldier and society in Roman Egypt. A Social History. London/New York: Routledge.

Alston. (2002). The city in roman and byzantine Egypt. London and New York: Routledge.

Bastos, M. T. (2016). Análise e distribuição espacial de lucernas romanas de disco: o caso das províncias da Palestina e do norte da África. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Bowman, A. K. (1989). Egypt after the Pharaohs 332 B.C.-A. 642: from Alexander to the Arab Conquest. Los Angeles: University of California Press.

Brancaglion, A. (2003). Manual de arte e arqueologia do Egito Antigo. Rio de Janeiro, RJ: Sociedade dos Amigos do Museu Nacional.

Brancaglion, A. (2004). Manual de arte e arqueologia do Egito Antigo II. Rio de Janeiro, RJ: Sociedade dos Amigos do Museu Nacional.

Burkert, W. (1993). Religião grega na época Clássica e Arcaica. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian.

Capponi, L. (2011). Roman Egypt. London: Bristol Classical Press, 2011.

Castro, E. J., Jr. (2019). Espaço funerário em Alexandria: tumba principal de Kom el-Shoqafa, séculos I e II d.C. (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Cunha, L. T. P. (2016). O sagrado na Roma imperial do séc. II d.C.: construção especial e ritualística do culto isíaco na obra O Asno de Ouro (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, Brasil.

Donadoni, S. (Dir.). (1990). O homem egípcio. Lisboa: Editorial Presença.

Duarte, C.A. (2010). Estudo sobre a iconografia de Ápis durante o período faraônico. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Dunand, F. & Zivie-Coche, Ch. (1991). Dieux et hommes en Égypte – 3000 av. J.-C.-395 apr. J.-C.. Paris: Armand Colin.

Frankfurter, D. (1998). Religion in roman Egypt. Assimilation and Resistance. Princeton: Princeton University Press.

Gama-Rolland, C. A. O contato com os deuses: as práticas mágico-religiosas no Egito Antigo. (2017) In C. K. B. Dias, S. C. Silva, & C. E. C. Campos (Org.), Experiências religiosas no mundo antigo (pp. 49-65). Curitiba, PR: Prismas.

Leão, D. F. (2012). A globalização no Mundo Antigo: do polites ao kosmopolites. Coimbra: Imprensa da Universidade de Coimbra.

Manning, J. G. (2019). The ptolemaic governmental branches and role of temples and elite groups. In K. Vandorpe (Ed.), A companion to greco-roman Egypt and Late Antique Egypt (pp. 103-118). Hoboken, NJ : John Wiley & Sons, Inc.

Moyer, I. S. (2011). Egypt and the limits of hellenism. New York: Cambridge University Press.

Naether, F. (2019). New deities new habits. In K. Vandorpe (Ed.), A companion to greco-roman Egypt and Late Antique Egypt (pp. 439-448). Hoboken, NJ : John Wiley & Sons, Inc.

Neiva, C. O. (2017). O Poder legitimador de Serápis em disputa na época Antonina (96-192): um estudo comparado entre a iconografia monetária alexandrina e os Acta Alexandrinorum (Dissertação de Mestrado). Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

Sales, J. C. (2007). O culto de Serápis e a coexistência heleno-egípcia na Alexandria ptolomaica. Revista lusófona de ciências das religiões. (12), 309-322.

Sandri, S. Terracottas. (2012). In C. Riggs (Ed.), The Oxford handbook of roman Egypt (pp. 630-647). Oxford: Oxford University Press.

Shafer, B. E. (Org.). (2002). As religiões no Egito Antigo. Deuses, mitos e rituais domésticos. Trans. Luís S. Krausz. São Paulo, SP: Nova Alexandria.

Stockhammer, Ph. (Ed.). (2012). Conceptualizing Cultural Hybridization: a transdisciplinary approach. Heldelberg: Springer.

Vasques, M. S. (2000). A religião isíaca no Egito greco-romano: as estatuetas de terracota (Dissertação de Mestrado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Vasques. (2005). Crenças funerárias e identidade cultural no Egito romano: máscaras de múmia. (Tese de Doutorado). Universidade de São Paulo, São Paulo, Brasil.

Downloads

Publicado

2021-03-12

Como Citar

Fonseca, D. M. da. (2021). Religião popular no Egito Greco-Romano: o culto de Serápis. Mare Nostrum, 12(1), 81-110. https://doi.org/10.11606/issn.2177-4218.v12i1p81-110

Edição

Seção

Dossiê