Mídia, políticas públicas e identidades: guerras ontológicas e comércio cultural no universo quilombola

Autores

  • Ana Stela de Almeida Cunha Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2015.102221

Palavras-chave:

Public policies, Quilombos, Cultural production

Resumo

Neste texto discutirei de que forma a implementação de políticas públicas na área cultural têm transformado comunidades e associações, apontando algumas reflexões para as relações entre o mercado cultural e as comunidades que chamarei de ‘tradicionais’ (neste caso específico, as comunidades ‘quilombolas’) bem como o papel tanto do Estado quanto das empresas e da sociedade civil neste contexto. Vou abordar, portanto, o que chamarei de ‘guerra ontológica’ entre dois universos que, inicialmente são/estão antagónicos nesta arena que inclui produção cultural, património imaterial, movimentos sociais, mercado.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Stela de Almeida Cunha, Universidade de São Paulo

Professora Adjunta na Universidade Federal do Maranhão (UFMA), curso de Linguagens e Códigos. Pós Doutorada em Antropologia pelo CRIA/FCT (Universidade Nova de Lisboa), onde desenvolveu o projeto Cruzando as fronteiras: africanidade e identidade em religiões de matriz banto no Brasil, Cuba e no Congo (RDC) Foi pesquisadora convidada do Museu Real da África Central (Tervuren, Bélgica) durante o ano de 2010. Pós Doutorada em Antropologia Social pelo ICS (Universidade de Lisboa, Portugal), com o projeto Quando Ndoki foi flechado: feitiçaria e cura no Palo Monte (Cuba) e Pajé de Negros (Maranhão, Brasil)". Fez seu Mestrado e Doutorado em Lingüística Africana (USP, Brasil). Foi Leitora na Universidade de Havana (Cuba) entre os anos de 2006 e 2008 (Ministério das Relações Exteriores), quando também realizou parte de sua pesquisa de campo. Desde 1996 trabalha com os quilombos do Maranhão, elaborando, em 2005 o Projeto Educacional "Falando em Quilombo" (Petrobras Cultural, 2005). Foi coordenadora do projeto "O Boi Contou" que teve como objetivo a produção de material didático adequado à realidade quilombola, financiado também pelo Programa Petrobras Cultural (2007). Atualmente possui projetos na área da Antropologia Visual, trabalhando com cantigas em ritos religiosos no Brasil, Cuba, Angola e Congo RDC, tendo realizado o video documentário João da Mata falado , com o patrocínio do Museu Edison Carneiro (Rio de Janeiro) e Ministério da Cultura, sob edital do ETNODOC (1º lugar Prêmio CRESPIAL UNESCO património imaterial) e Boi de zabumba é a nossa tradição! , menção honrosa UNESCO. Elaboradora e proponente do projeto A Estética do Terreiro (BNB de Cultura 2011). Elaboradora e coordenadora do projeto Caboclos Nkisis , sob patrocínio da OI Futuro (em andamento). Ganhadora do Prêmio "Pontos de Memória no Exterior 2013" (IPHAN), com documentário sobre o candomblé em Portugal e Espanha. Coordenadora da área de Antropologia no projeto "Libolo" (Angola) (USP/UNB, Universidade de Macau). É autora e organizadora de livros assim como artigos em revistas especializadas. 

Downloads

Publicado

2015-06-17

Como Citar

Cunha, A. S. de A. (2015). Mídia, políticas públicas e identidades: guerras ontológicas e comércio cultural no universo quilombola. Novos Olhares, 4(1), 81-90. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2015.102221

Edição

Seção

DOSSIÊ