É preciso nomear Ricardo: jornalismo, história de vida e escrevivência

Autores

DOI:

https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.169709

Palavras-chave:

Jornalismo, Reportagem, Alteridade, Escrevivência, História de vida

Resumo

Publicada no site BuzzFeed, em outubro de 2017, a reportagem “Fofão da Augusta? Quem me chama assim não me conhece”, do jornalista Chico Felitti recebeu cerca de um milhão de acessos em menos de 24 horas. O texto conta a história de vida de um “conhecido anônimo” do centro de São Paulo, cuja identidade se revela jornalisticamente nesse perfil ampliado que se tornou um conteúdo viral. A partir desse objeto, este artigo pergunta sobre uma “escrita ética” que perpassa e constitui o jornalismo e sua relação com o tempo presente, adotando duas questões de fundo conceitual-metodológico, costuradas uma à outra: 1. um olhar sobre mídia e alteridade; e 2. uma análise aplicada a partir do conceito de “escrevivência”. Problematiza-se como o relato jornalístico, encarado como potência tensionadora do mundo, permite encontros entre sujeitos “em narrativa” e funciona como espaço de inclusão e humanização.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Frederico de Mello Brandão Tavares, Universidade Federal de Ouro Preto

Professor Associado da Universidade Federal de Ouro Preto (Ufop). Coordenador do GT Estudos de Jornalismo da Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação (Compós). Doutor em Ciências da Comunicação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos (Unisinos).

Lucas Porfírio, Universidade Federal de Ouro Preto

Mestrando em Comunicação pela Ufop. Bolsista da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes). Jornalista pela Universidade Federal de São João del- Rei (UFSJ).

Referências

Agamben, G. (2010). Homo sacer: O poder soberano e a vida nua. Editora UFMG.

Al-Rawi, A. (2017). Viral news and social media. Digital Journalism, 7(1), 63-79. https://doi.org/10.1080/21670811.2017.1387062

Arfuch, L. (2010). La entrevista, una invención dialógica. Paidós.

Arfuch, L. (2002). El espacio biográfico: Dilemas de la subjetividad contemporánea. Fondo de Cultura Económica de Argentina.

Barossi, L. (2017). (Po)éticas da escrevivência. Estudos de Literatura Brasileira Contemporânea, 51, 22-40. https://doi.org/10.1590/2316-4018512

Barthes, R. (1964). Essais Critiques. Éditions Du Seuil.

Bertaux, D. (2010). Narrativas de vida: A pesquisa e seus métodos. EDUFRN.

Bruner, J., & Weisser, S. (1995). A invenção do ser: A autobiografia e suas formas. In D. R. Olson, & N. Torrance (Orgs.), Cultura escrita e oralidade (pp. 141-161). Ática.

Butler, J. (2015). Corpos que importam. Sapere Aude, 6(11), 12-16.

Caldeira, T. (1980). Uma incursão pelo lado não respeitável do trabalho de campo [Trabalho apresentado]. IV Encontro Anual da Associação Nacional de Pós-graduação em Ciências Sociais, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Cohen, J., & Arato, A. (1992). Discourse ethics and civil society. In J. Cohen, & A. Arato, Civil Society and Political Theory (pp. 345-420). MIT Press.

Dion, S. (2007). O fait divers como gênero narrativo. Letras, 34, 123-131.

Dion, S. (2008). A Lenda urbana: Um gênero narrativo de grande mobilidade cultural. Boitatá – Revista do GT de Literatura Oral e Popular da ANPOLL, 6, 1-13.

Duero, D. (2006). Relato autobiográfico e interpretación: Una concepción narrativa de la identidad personal. Athenea Digital, 9, 131-151. https://doi.org/10.5565/rev/athenead/v1n9.264

Esteves, J. P. (2016). Prefácio. In A. C. S. Marques, & L. M. S. Martino. Mídia, ética e esfera pública (pp. 08-23). PPGCOM UFMG, 2016.

Evaristo, C. (2005). Gênero e etnia: Uma escre(vivência) de dupla face. In N. M. B. Moreira, & L. Schneider (Orgs.), Mulheres no mundo: Etnia, marginalidade e diáspora (pp. 201-212). Ideia.

Evaristo, C. (2006). Becos da memória. Mazza.

Evaristo, C. (2007). Da grafia-desenho de minha mãe, um dos lugares de nascimento de minha escrita. In M. A. Alexandre (Org.), Representações performáticas brasileiras: Teorias, práticas e suas interfaces (pp. 16-21). Mazza.

Evaristo, C. (2017). Conceição Evaristo: ‘Minha escrita é contaminada pela condição de mulher negra’ [Entrevista cedida a J. D. Lima]. Jornal Nexo. https://bit.ly/3vxzroB

Fanon, F. (1968). Os condenados da terra. Civilização Brasileira S. A.

Felitti, C. (2017a, 27 de outubro). “Fofão da Augusta? Quem me chama assim não me conhece”. BuzzFeed. https://bzfd.it/3gw4k8K

Felitti, C. (2017b, 16 de dezembro). O Ricardo morreu. Facebook. https://bit.ly/3wNLqQc

Felitti, C. (2019a). Ricardo e Vânia. Todavia.

Felitti, C. (2019b, 10 de maio). Felitti, autor de “Ricardo e Vânia”, conta detalhes do livro sobre o Fofão da Augusta [Vídeo]. YouTube. https://bit.ly/3iSDxVE

Felitti, C. (2019c, 25 de setembro). S03E70: Entrevista com Chico Felitti, Ricardo e Vânia (A história do “Fofão da Augusta”) [Vídeo]. YouTube. https://bit.ly/35ymxwe

Felitti, C. (2019d, 8 de abril). Ricardo e Vânia | A História do “Fofão” da Paulista [Vídeo]. YouTube. https://bit.ly/3vES7CW

Felitti, C. (2019e, 20 de fevereiro). Ricardo e Vânia - Entrevista com o autor Chico Felitti [Vídeo]. YouTube. https://www.youtube.com/watch?v=lhEBA4nygSU

Fernandes, M. E. (2010). História de vida: Dos desafios de sua utilização. Revista Hospitalidade, VII(1), 15-31.

Ferreira, A. C. (2013). Escrevivências, as lembranças afrofemininas como um lugar da memória afro-brasileira: Carolina Maria de Jesus, Conceição Evaristo e Geni Guimarães (Dissertação de Mestrado, Faculdade de Letras, Universidade Federal de Minas Gerais). Biblioteca Digital de Teses e Dissertações da UFMG. https://repositorio.ufmg.br/handle/1843/ECAP-95BHKT

Foucault, M. (1973). Moi, Pierre Rivière ayant égorgé ma mère, ma sœur et mon frère... Un cas de parricide au XIXᵉ siècle. Gallimard.

Freitas, C., & Benetti, M. (2017). Alterity, otherness and journalism: From phenomenology to narration of modes of existence. Brazilian Journalism Research, 13(2), 10-29. https://doi.org/10.25200/BJR.v13n2.2017.989

Goffman, E. (1975). Estigma: Notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. LTC.

Guareschi, P. (1998). Alteridade e relação: Uma perspectiva crítica. In A. Arruda (Org.), Representando a alteridade (pp. 149-161). Vozes.

Herrero, F. J. (2002). Ética na construção da política. In I. Domingues, P. R. M. Pinto, & R. Duarte (Orgs.). Ética, Política e Cultura (pp. 69-87). UFMG.

Karam, F. J. C. (1997). Jornalismo, Ética e Liberdade. Summus.

Karam, F. J. C. (2004). A Ética Jornalística e o Interesse Público. Summus.

Lago, C. (2010). Ensinamentos antropológicos: A possibilidade do Outro no Jornalismo. Brazilian Journalism Research, 6(1), 164-178. https://doi.org/10.25200/BJR.v6n1.2010.253

Larrosa, J. (2004). Notas sobre narrativa e identidade – a modo de presentación (Prefácio). In M. H. M. B. Abrahão, Aventura (auto)biográfica: Teoria e empiria (pp. 11-22). EDIPUCRS.

Lopes, C. R. (2008). Em busca do gênero Lenda Urbana. Linguagem em (dis)curso, 8(2), 373-393. https://doi.org/10.1590/S1518-76322008000200009

Maia, M. (2006). A História Oral como recurso metodológico na entrevista jornalística. Contracampo, 15, 137-150. https://doi.org/10.22409/contracampo.v0i15.550

Marques, A. C. S., & Martino, L. M. S. (2016). Mídia, ética e esfera pública. PPGCOM UFMG.

Martinez, M. (2015). A história de vida como instância metódico-técnica no campo da Comunicação. Comunicação & Inovação, 16(30), 75-90. https://doi.org/10.13037/ci.vol16n30.2622

Mbembe, A. (2018). Necropolítica. N-1 Edições.

Medina, C. (2008a). Ciência e jornalismo: Da herança positivista ao diálogo dos afetos. Summus.

Medina, C. (2008b). Entrevista: O diálogo possível. Ática.

Moraes, F. (2018). Pode a subalterna a subalterna calar? Limites e transbordamentos entre repórter e entrevistadas. Estudos de Jornalismo e Mídia, 15(1), 84-97. https://doi.org/10.5007/1984-6924.2018v15n1p84

Puyana Villamizar, Y., & Barreto Gama, J. (1994). La historia de vida: Recurso en la investigación cualitativa. Reflexiones metodológicas. Maguaré, (10), 186-196. http://www.bdigital.unal.edu.co/18451/2/14265- 48104-1-PB.pdf

Resende, F. (2009a). A narratividade do discurso jornalístico: A questão do Outro. Rumores, 3(6), 1-12. https://doi.org/10.11606/issn.1982-677X.rum.2009.51173

Resende, F. (2009b). O jornalismo e suas narrativas: As brechas do discurso e suas possibilidades de encontro. Galáxia, 18, 31-43.

Resende, F. (2014). Representação das diferenças no discurso jornalístico. Brazilian Journalism Research, 10(2), 206-223. https://doi.org/10.25200/BJR.v10n2.2014.749

Santos, B. S. (2001). Dilemas do nosso tempo: Globalização, multiculturalismo, conhecimento. Educação & Realidade, 26(1), 13-32.

Santos, B. S. (2007). Para além do pensamento abissal: Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos estudos, 79, 71-94. https://doi.org/10.1590/S0101-33002007000300004

Santos, M. (2009). Histórias de vida na grande reportagem: Um encontro entre jornalismo e história oral. Comunicação & Informação, 12(2), 21-32. https://doi.org/10.5216/c&i.v12i2.12266

Soares, L. V., & Machado, P. S. (2017). ‘Escrevivências’ como ferramenta metodológica na produção de conhecimento em Psicologia Social. Revista de Psicologia Política, 17(39), 203-219.

Soster, D. A., & Piccinin, F. (Orgs.). (2016). Narrativas do ver, do ouvir e do pensar. Catarse.

Soster, D. A., & Piccinin, F. (Orgs.). (2017). Narrativas midiáticas contemporâneas: Perspectivas epistemológicas. Catarse.

Spivak, G. C. (2010). Pode o subalterno falar? Editora da UFMG.

Thompson, P. (1992). A voz do passado: História Oral. Paz e Terra.

Zamin, A. (2015). Jornalismo de referência: O conceito por trás da expressão. Famecos, 21(3), 918-942. https://doi.org/10.15448/1980-3729.2014.3.16716

Downloads

Publicado

2021-07-30

Como Citar

Tavares, F. de M. B., & Porfírio, L. (2021). É preciso nomear Ricardo: jornalismo, história de vida e escrevivência. Novos Olhares, 10(1), 27-41. https://doi.org/10.11606/issn.2238-7714.no.2021.169709

Edição

Seção

ARTIGOS