Call for Papers - Dossiê 28: Comunicação, Estudos para a Paz e Violência Organizacional

2018-01-09

REVISTA ORGANICOM

Call for Papers – 1º semestre 2018

 

Dossiê temático

 “Comunicação, Estudos para a Paz e Violência Organizacional”

 

A emergência em torno da discussão sobre a complexidade da violência e possíveis alternativas para sua desconstrução e transformação é uma preocupação de todas as sociedades atuais, uma vez que se observam suas manifestações em diferentes culturas, intensidades, estágios, economias e sistemas político-sociais que não respondem necessariamente a padrões sistemáticos ou concepções estereotipadas condicionadas a determinadas culturas e outras não. O que se identifica são, de fato, manifestações de violência que revelam estruturas de extrema desigualdade e preconceito em relação a classes sociais, comunidades étnico-raciais, gêneros, culturas geracionais, como por exemplo, o preconceito etário, pessoas com deficiência, xenofobia, o preconceito linguístico entre outros. No ambiente organizacional, essa realidade não é diferente, ao contrário, muitas vezes é intensificada também pelo grau de proximidade e relações de poder existentes.

 

Nas últimas décadas, a temática da violência no ambiente organizacional vem se mostrando uma pauta fundamental para a desconstrução das distintas tipologias de violência que coexistem nas nossas instituições e que legitimam e, muitas vezes, naturalizam determinadas formas de desigualdade que passam a ser reproduzidas na cultura organizacional. Nesse contexto, é urgente e necessário compreendermos alguns sistemas simbólicos que reforçam estruturas de violência também presentes na nossa cultura e que são reproduzidos nos diversos ambientes e culturas organizacionais, nos próprios produtos culturais midiáticos aos que temos acesso e em nossa própria linguagem e cultura popular. Para que possamos propor alternativas a fim de promover uma cultura de paz pautada pelo diálogo, respeito e reconhecimento das alteridades, necessitamos desenvolver estratégias para desconstruir a violência cultural, que se propaga, se legitima e se mantem viva a partir dos mecanismos da nossa própria cultura. Historicamente, fomos educados para uma cultura da violência e muito menos para uma cultura de paz. Nesse sentido, os Peace Studies (ou Estudos para a Paz), em especial, a Comunicação para Cultura de Paz (Communication for Peace), apresentam um giro epistemológico que nos leva a repensar o papel da comunicação e cultura diante do questionamento em torno da construção histórica de determinados discursos sociais que, claramente, possuem o objetivo de naturalizar estruturas de violência. Desse modo, os Estudos para a Paz proporcionam um referencial teórico e prático que nos permitem encontrar instrumentos que possam desconstruir essas estruturas de violência que representam uma barreira à interação organizacional e ao diálogo comunicacional.

 

O dossiê no. 28 da Organicom busca reunir estudos de comunicação, comunicação organizacional e relações públicas que apresentem uma interface concreta com reflexões em torno da relação entre a própria comunicação, os estudos para a paz e as organizações.

Convidamos os estudiosos e pesquisadores do tema “Comunicação, Estudos para a paz e Violência Organizacional” a colaborarem com artigos científicos inéditos, pesquisas, depoimentos e resenhas que tenham relação com o tema até o dia 08 de abril de 2018.

 

Coordenação do dossiê

Maria Aparecida Ferrari– maferrar@usp.br

Raquel Cabral– raquelc@faac.unesp.br

 

Revista Organicom

 

Organicom, publicada pelo Curso de Pós-Graduação Lato Sensu de Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas (Gestcorp), da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP) é classificada com o nível B1 em Ciências Sociais Aplicadas I, no sistema Qualis/Capes.

Os textos recebidos são avaliados pelo Conselho Editorial e por pareceristas ad hoc, a partir de critérios de conteúdo, metodologia, qualidade e adequação aos objetivos e padrões estabelecidos nas normas de publicação.

Autores de artigos e pesquisas devem ter título de doutorado ou ser doutorandos. Havendo coautores, estes devem ser doutores, doutorandos, mestres e/ou mestrandos. Autores de depoimentos e resenhas devem ter titulação mínima de pós-graduação lato sensu (especialização).

A submissão dos textos deve ser feita após a realização do cadastro do autor no site  www.revistaorganicom.org.br, seguindo as normas vigentes de publicação.

Mais informações e orientações podem ser obtidas com as coordenadoras do dossiê, pelo e-mail organicom@revistaorganicom.org.br e também pela consulta às normas para autores, no site da revista (www.revistaorganicom.org.br), clicando em “Normas para publicação”, “informações para autores” e “submissões online”.

 

Orientações básicas para os textos

 

  • Seguir as normas expostas no site www.revistaorganicom.org.br.
  • Atenção especial para a inclusão dos seguintes tópicos:
  • Minicurrículo acadêmico e profissional básico.
  • E-mail, telefone e endereço postal completo.
  • Resumo de oito a dez linhas.
  • Três a cinco palavras-chave.
  • Título, resumo e palavras-chave devem vir em três idiomas – português, inglês e espanhol.