Antropologia do lugar na Villa Grimaldi: espaço público e pluralidade de simbolismos na paisagem urbana chilena

  • Marcos Pereira Diligenti Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Porto Alegre, RS.
  • Maria Alice Medeiros Dias Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo. Porto Alegre, RS.
Palavras-chave: Santiago do Chile. Villa Grimaldi. Espaços Públicos. Lugar.

Resumo

A Villa Grimaldi, localizada na Região Metropolitana de Santiago do Chile, constitui-se numa área de aproximadamente 10.200 m², que durante boa parte do século XX serviu de local de encontro de artistas e intelectuais, onde se promoviam debates sobre as mais diversas áreas da cultura chilena e mundial. Posteriormente ao Golpe Militar de 1973, esse espaço abrigou o maior centro de detenção e tortura do regime militar chileno. Após anos de abandono, no período da concertación democrática foi inaugurado no local o parque por la Paz Villa Grimaldi, que em 2004 foi declarado Monumento Nacional. Esse espaço público se constitui de praça e memorial de visitação, com o intuito de denunciar o período em que esteve sob a égide dos militares e homenagear aqueles que resistiram ao regime ditatorial. Este artigo relaciona, a partir dos paradoxais usos desse lugar, a conformação paisagística e os significados real e simbólico desse espaço coletivo e sua integração no tecido urbano em cada um dos períodos históricos investigados. Utilizou-se a metodologia de pesquisa qualitativa, bibliográfica e documental, baseada em vasto material colhido na cidade de Santiago nos anos de 2014 e 2015. Por meio dos aportes teóricos de autores como Marc Augé, Lineu Castello e Norberg-Schulz, busca-se estabelecer o sentido dialógico do espaço público, em seus diferentes espectros de uso, e sentidos paisagístico e urbanístico na consolidação da sua inserção (ou não) na cidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

AUGÉ, Marc. Não lugares: introdução a uma antropologia da supermodernidade. Porto Alegre: Papirus, 1994.

AUGÉ, Marc. El viaje imposible: el turismo y sus imágenes. Barcelona: Gedisa, 1998.

CASTELLO, Lineu. A percepção de lugar: repensando o conceito de lugar em arquitetura-urbanismo. Porto Alegre: PROPAR-UFRGS, 2007.

CODEPU. Corporación de Promoción y Defensa de los Derechos del Pueblo. Por los derechos del pueblo: Memoria CODEPU 1980-1990. Santiago: Raul Castillo, Victor Alfaro e Luis Pastenes editores, 2015.

CORPORACIÓN PARQUE POR LA PAZ VILLA GRIMALDI. Proyecto Parque por la Paz. 1996. Disponível em: < http://www.museovillagrimaldi.info/doc/1_5_1_3.pdf >. Acesso em: 25 jun. 2016.

GONÇALVES, Jorge Manuel. Os espaços públicos na reconfiguração física e social da cidade. Lisboa: Lusíada, 2006.

HEIDEGGER, Martin. Ser e tempo. Parte I. 15 ed. Petrópolis: Vozes, 2005.

MINAYO, Maria Cecília. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec, 2000.

MORIN, Edgar. O Método 5: a humanidade da humanidade. Porto Alegre: Sulina, 2002.

NORBERG-SCHULZ, Christian. O fenômeno do lugar. In: NESBITT, Kate (Org.). Uma nova agenda para a arquitetura: antologia teórica 1965-1995. 2 ed. São Paulo: Cosac Naify, 2013, p. 444-462.

REBOLLEDO, Javier. La danza de los cuervos: el destino final de los detenidos desaparecidos. Santiago: Ceibo Ediciones, 2013.

SALAZAR, Gabriel. Villa Grimaldi (Cuartel Terranova): historia, testimonio, reflexión. Volumen I. Santiago: LOM Ediciones, 2013.

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4 ed. São Paulo: Edusp, 2006.

VASSALO ROJAS, Emilio. Villa Grimaldi: historia y características de las grandes mansiones. Santiago: Impr. Siglo XX, 1967.

Publicado
2017-10-20
Como Citar
Diligenti, M., & Dias, M. A. (2017). Antropologia do lugar na Villa Grimaldi: espaço público e pluralidade de simbolismos na paisagem urbana chilena. Paisagem E Ambiente, (39), 183-198. https://doi.org/10.11606/issn.2359-5361.v0i39p183-198
Seção
Paisagem Urbana