Fausts Wette und der Prozess der Moderne. Zur historischen und aktuellen Bedeutung der Tragödie Goethes

Autores

  • Michael Jaeger

DOI:

https://doi.org/10.11606/1982-8837.pg.2006.74387

Palavras-chave:

Goethe, Fausto, Modernidade, Religião, Eudemonismo

Resumo

O artigo enfatiza que um elemento central no pacto demoníaco configurado por Goethe em seu Fausto simboliza também a força motriz da Modernidade: a negação ininterrupta do presente. Diferentemente das interpretações tradicionais que vêem Fausto como figura positiva e a sua aspiração como virtude do homem moderno, o autor expõe a dimensão destrutiva da inquietude fáustica, a qual deve ser questionada pelo público contemporâneo. Na perspectiva do autor, os contrapontos efetivos ao ritmo destrutivo da Modernidade seriam, como o próprio Goethe parece sugerir no drama, a atitude religiosa (em sentido amplo, não convencional) e a arte de inspiração clássica, que propicia a reflexão e o “deter-se” no instante presente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michael Jaeger

Der Autor ist Privatdozent für Deutsche Literatur an der Freien Universität Berlin.

Downloads

Publicado

2006-12-17

Como Citar

JAEGER, M. Fausts Wette und der Prozess der Moderne. Zur historischen und aktuellen Bedeutung der Tragödie Goethes. Pandaemonium Germanicum, São Paulo, n. 10, p. 169-182, 2006. DOI: 10.11606/1982-8837.pg.2006.74387. Disponível em: https://www.revistas.usp.br/pg/article/view/74387. Acesso em: 20 jan. 2022.

Edição

Seção

Literatura – Literatur